POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO ESPECIAL E EDUCAÇÃO SUPERIOR: acesso e permanência para estudantes com deficiência em uma universidade federal

Palavras-chave: Política de Educação Superior, Educação Especial, Estudante com Deficiência

Resumo

Este artigo tem como objetivo analisar políticas destinadas a favorecer o acesso e a permanência de estudantes com deficiência em uma Universidade Federal. A Instituição analisada, adota a política de cotas para pessoas com deficiência, desde o ano de 2017, no entanto já desenvolve ações para favorecer a permanência, deste público-alvo, há mais tempo. O resgate legislativo atrelado a retomada cronológica de incentivo a permanência de acadêmicos com deficiência, teve como destaque o ano de 2008, no qual foi ratificada a Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Para a realização da pesquisa documental utilizamos Relatórios de Gestão e dados estatísticos de estudantes ingressantes e concluintes, de modo a evidenciar informações sobre o público em questão. Também fizemos uso de outros documentos institucionais, como o Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI) e o Plano Pedagógico Institucional (PPI), a fim de elucidar relações entre a prédica e a prática da inclusão educacional. O fortalecimento do Atendimento Educacional Especializado e a organização dos dados sobre os estudantes com deficiência, são destacados como elementos determinantes para a ampliação do acesso e da permanência de estudantes público-alvo da educação especial na educação superior. A imprecisão do número de pessoas com deficiência, dentro da Instituição de Educação Superior, refreia o acompanhamento desses estudantes, por conseguinte, compromete o atendimento de suas reais necessidades. Verificou-se que as ações efetivadas pela divisão responsável por prestar atendimento a esse público, representam avanço no que se refere ao atendimento destes estudantes, entretanto, tais ações precisam ser ampliadas e institucionalizadas, consequentemente adquirindo assim, maior notoriedade na seara acadêmica, para que possam resultar na expressiva execução das atividades apontadas nos relatórios, implicando em avaliações alternativas, bem como adequação didática e demais intervenções no currículo, como também orientações acerca das particularidades de cada deficiência in loco, que considerem as singularidades de cada estudante, para de fato fomentar um currículo acessível e significativo, que atinja não apenas resultados para uma vida acadêmica, mas que possam contribuir com o sentimento de pertença social desses sujeitos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carina Elisabeth Maciel, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul
Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. ORCID: https://orcid.org/0000-0003-3765-3139 E-mail: carina22em@gmail.com
Adriana Aparecida Burato Marques Buytendorp, Secretaria de Educação de Mato Grosso do Sul.

Secretaria de Educação de Mato Grosso do Sul (SED/MS) ORCID: https://orcid.org/0000-0001-6805-6949 E-mail: adribuy@uol.com.br

Stéfani Quevedo de Meneses, Secretaria de Educação de Mato Grosso do Sul.
Secretaria de Educação de Mato Grosso do Sul (SED/MS). 

https://orcid.org/0000-0002-5108-1651 E-mail: stefani.m.quevedo@gmail.com

Publicado
2019-05-05
Métricas
  • Visualizações do Artigo 563
  • PDF downloads: 471
Como Citar
Maciel, C. E., Buytendorp, A. A. B. M., & Meneses, S. Q. de. (2019). POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO ESPECIAL E EDUCAÇÃO SUPERIOR: acesso e permanência para estudantes com deficiência em uma universidade federal. Plurais Revista Multidisciplinar, 3(3), 114-135. https://doi.org/10.29378/plurais.2447-9373.2018.v3.n3.114-135
Seção
Estudos/Ensaios