https://www.revistas.uneb.br/index.php/plurais/issue/feed Plurais Revista Multidisciplinar 2021-07-27T19:56:36-03:00 Marcea A. Sales revistaplurais@gmail.com Open Journal Systems <p style="text-align: justify; line-height: 20px;">A <strong>Plurais - Revista Multidisciplinar</strong>, a partir de 2016, passa a ser assumida pelo <em>Programa de Pós-graduação Gestão e Tecnologias Aplicadas à Educação (GESTEC)</em>, do Departamento de Educação – Campus I/Salvador, da Universidade do Estado da Bahia. Assim, conta com expressiva participação de pesquisadores de Programas stricto sensu e publica artigos da Área de <strong>Educação.</strong><br>Organizada em <em>Dossiê Temático</em>, quadrimestralmente, a submissão de textos é contínua e os artigos aprovados são publicados a cada número, buscando fomentar a socialização das experiências na Educação em todo país.<br>Esta Revista conta com apoio e fomento institucional, a exemplo do Edital N° 032/2019, normatizado pela Resolução CONSU N° 1320/2018 que autoriza a criação e o funcionamento do <em>Programa Interno de Apoio a Editoração e Publicação de Periódicos Científicos da UNEB - PROEP PÓS</em>.<br>A Plurais - Revista Multidisciplinar vem publicando, em média, 20 artigos por ano e, a partir de 2019, está estimada a publicação de 35 artigos/ano.</p> https://www.revistas.uneb.br/index.php/plurais/article/view/12199 Ensino de física 2021-07-27T19:06:10-03:00 Marcello Ferreira marcellof@unb.br Olavo Leopoldino da Silva Filho olavolsf@unb.br <p>Este editorial ao Dossiê “Ensino de Física: fundamentos, pesquisas e novas tendências” da Plurais Revista Multidisciplinar busca lançar, sem compromissos filogenéticos, motivações, resultados e inflexões que projetam um ângulo da produção científica na área. Ele o faz retomando a natureza do número temático e uma parte de suas principais contribuições, projetando, como tendência e paradigma, um clássico jamais superado: a necessidade de clareza e rigor – sem ortodoxia – de convicções, propósitos e métodos para o ensino de física, com referenciamento social e cultural, científico, inclusivo e consciência dos devires.</p> 2021-07-14T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Marcello Ferreira, Olavo Leopoldino da Silva Filho https://www.revistas.uneb.br/index.php/plurais/article/view/12201 Educação sonora em processo formativo com professores de ciências 2021-07-27T19:22:26-03:00 Rafael Luis Swarowsky rswarowsky@furg.br Valmir Heckler valmirheckler@gmail.com Hebert Elias Lobo Sosa helobos.brasil@gmail.com <p>O estudo apresenta aspectos emergentes da análise do desenvolver/praticar o tema da Educação Sonora com um grupo de professores, em processo formativo em uma disciplina de um Programa de Pós-graduação em Educação em Ciências, de uma Universidade Pública do Brasil - Universidade Federal do Rio Grande (FURG). O estudo de natureza qualitativa, com enfoque na abordagem fenomenológica hermenêutica, assume a questão central o que se mostra de Educação Sonora com professores de Ciências em uma comunidade Online. A aula sobre a temática Música, em uma perspectiva da Educação Online, foi estruturada em um Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA), em que foram registradas, os materiais, atividades e as gravações em vídeo da aula para análises posteriores. A análise de dados foi desenvolvida com a Análise Textual Discursiva (ATD). Para a organização dos dados foi utilizado o software do ATLAS.TI. Como resultado do estudo apresenta-se a categoria emergente Ruídos e a Música: Um diálogo através de uma atividade experimental.</p> 2021-07-14T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Rafael Luis Swarowsky, Valmir Heckler, Hebert Elias Lobo Sosa https://www.revistas.uneb.br/index.php/plurais/article/view/12203 Atividades experimentais para o ensino de Astronomia 2021-07-27T19:26:45-03:00 Michel Corci Batista michel@utfpr.edu.br Veridiane Cristina Martins veridianemar@hotmail.com Luana Paula Goulart de Menezes lluanagoulart@gmail.com <p>O ensino de Astronomia nos anos finais do Ensino Fundamental possui algumas peculiaridades. Uma delas diz respeito ao fato de contar com um professor formado em um curso de Ciências Biológicas. Na maioria das vezes, a grade curricular de tal curso não contempla uma disciplina específica de ensino de Astronomia. Essa ausência afeta diretamente a forma como tal conhecimento é abordado em sala de aula. Com o intuito de contribuir com o ensino de Astronomia na Educação Básica, nosso trabalho objetivou avaliação do potencial pedagógico de um caderno de atividades práticas interdisciplinares de Astronomia para os anos finais do Ensino Fundamental. Nosso trabalho foi dividido em duas etapas, a primeira possui abordagem qualitativa do tipo descritiva para a qual utilizamos como instrumento de constituição dos dados o diário de campo produzido pelo professor pesquisador durante a implementação das atividades, bem como os documentos produzidos pelos alunos. A segunda etapa possui uma abordagem quantitativa, para essa, foi realizado um experimento, comparando o desempenho de alunos do Ensino Fundamental a partir de um instrumento de avaliação composto de 29 questões acerca de Física e Astronomia, antes e após a implementação do caderno de atividades práticas interdisciplinares de Astronomia. Os resultados dessa etapa foram organizados por intermédio do teste paramétrico pareado. A escolha desse teste leva em consideração a dependência intra-indivíduo das observações. De modo geral, nossos resultados evidenciam uma construção de pensamento prático e dinâmico que motivou os alunos a terem um interesse pela temática Astronomia e o mais importante: uma mudança de postura do professor-pesquisador diante da sala de aula. Entendemos assim, que o material implementado possui um grande potencial pedagógico, com um caráter motivador e reflexivo.</p> 2021-07-14T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Michel Corci Batista, Veridiane Cristina Martins, Luana Paula Goulart de Menezes https://www.revistas.uneb.br/index.php/plurais/article/view/12204 Educação escolar quilombola 2021-07-27T19:29:38-03:00 Alan Alves-Brito alan.brito@ufrgs.br <p>A Educação Escolar Quilombola, como projeto político-pedagógico oriundo de lutas organizadas do Movimento Social Negro e de uma das mais cruciais políticas públicas do início do século XXI, é um processo em construção no Brasil que demanda esforços orquestrados de pesquisadores, educadores, gestores, movimentos sociais e da sociedade, em todas as áreas do conhecimento. Em estilo ensaístico, o objetivo do presente trabalho é problematizar os desafios e as potencialidades dos ensinos de Física e de Astronomia na Educação Escolar Quilombola, tensionando o Projeto de Modernidade materializado na Quarta Revolução Industrial por meio dos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da Organização das Nações Unidas, em que a Física e a Astronomia jogam papel fundamental. Em diálogo permanente com referenciais teóricos, metodológicos e epistemológicos da educação, apontamos fundamentos, pesquisas e novas tendências para que os ensinos de Física e de Astronomia dialoguem com as experiências quilombolas, fomentando perspectivas interculturais e descolonizadoras da educação em ciências. As reflexões, questionamentos e apontamentos apresentados são gestados a partir de resultados parciais de projeto de pesquisa realizado no âmbito dos Programas de Pós-Graduação em Física e Ensino de Física e do Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros, Indígenas e Africanos da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Com foco na promoção da equidade racial na educação básica, argumentamos que os Ensinos de Física e Astronomia — tecno-ciências na base do Projeto Científico e de Poder Moderno e Contemporâneo — podem ajudar a ressignificar, ressemantizar e fortalecer o sujeito quilombola diferenciado do século XXI, sufocado pela realidade da Quarta Revolução Industrial. É por meio do diálogo intercultural e interdisciplinar com as comunidades quilombolas que as ciências físicas também poderão se humanizar, contribuindo fortemente para a democratização do País, reconhecendo Saberes-Fazeres que definem identidades potentes, ligadas à ideia de corpo-território e marcos civilizatórios afrodiaspóricos.</p> 2021-07-14T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Alan Alves-Brito https://www.revistas.uneb.br/index.php/plurais/article/view/12205 Evolução do ensino competencial 2021-07-27T19:34:25-03:00 Iramaia Jorge Cabra de Paulo ira@if.ufmt.br Silvana Perez silperez_1972@hotmail.com Clara Elena S. Tabosa clara.taboza@gmail.com <p>Neste trabalho, é apresentada uma análise da evolução do ensino competencial, desde os primeiros estudos sobre o conceito de competência até as definições atuais, considerando especificamente os cenários - europeu e brasileiro. No contexto europeu, são abordados os estudos realizados em projetos da OCDE e da UNESCO, que se iniciaram na década de 1990, em particular o DeSeCo e o Relatório Delors. No Brasil, são analisados os documentos oficiais do governo federal, começando pela Lei de Diretrizes e Bases da Educação de 1996, e culminando na Base Nacional Comum Curricular. Os quatro pilares básicos propostos no Relatório Delors são identificados nos Parâmetros Curriculares Nacionais para o Ensino Fundamental Maior. Tomando como base os documentos oficiais do Parlamento Europeu que instituíram as competências chave para a educação na comunidade europeia, e as competências gerais apresentadas na Base Nacional Comum Curricular, são discutidas as semelhanças entre as definições presentes nos dois documentos, sendo encontrada uma relação direta entre as competências digitais e culturais e cívicas nos dois documentos, uma relação indireta entre as competências linguística, matemática, científica e tecnológica, e pontos em comum em outras competências.</p> 2021-07-14T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Iramaia Jorge Cabra de Paulo, Silvana Perez, Clara Elena S. Tabosa https://www.revistas.uneb.br/index.php/plurais/article/view/12206 O Impacto da taxa de aprovação em disciplinas de física básica no percurso formativo de estudantes na graduação em física 2021-07-27T19:36:36-03:00 Júlio Akashi Hernandes jahernandes@gmail.com Paulo Henrique Dias Menezes paulo.menezes@ufjf.edu.br Giovana Trevisan Nogueira giovana@ice.ufjf.br <p>A cultura da reprovação é altamente alardeada nos cursos de graduação em física, seja pela suposta falta de preparo e maturidade dos estudantes, ou pela suposta complexidade das disciplinas introdutórias de Física e de Cálculo. O estudo apresentado neste artigo questiona esse pressuposto, a partir da análise da taxa de aprovação de estudantes em disciplinas de física básica na relação com o percurso formativo nos cursos de licenciatura e bacharelado em física. Trata-se de um estudo de caso realizado em uma universidade pública brasileira, conduzido na forma de uma pesquisa quantitativa, longitudinal, que analisou informações sobre disciplinas de física básica ofertadas no período de 2000 a 2019. Os dados foram organizados e analisados a partir de três eixos principais: número de matrículas na disciplina; número de alunos aprovados; e taxa de aprovação. Conclui-se que o desempenho dos estudantes nessas disciplinas não melhora com o tempo de permanência no curso, corroborando com a baixa eficiência dos cursos de graduação em física para formar novos profissionais. Os resultados indicam ainda a necessidade de reflexões mais amplas e aprofundadas sobre a organização curricular e a forma de oferta das disciplinas de física básica, que compõem os currículos dos cursos de graduação em Física, no sentido de formar mais e melhor.</p> 2021-07-14T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Júlio Akashi Hernandes, Paulo Henrique Dias Menezes, Giovana Trevisan Nogueira https://www.revistas.uneb.br/index.php/plurais/article/view/12207 Percepção de professores de física em questões envolvendo relações cts 2021-07-27T19:42:38-03:00 Rodrigo Bastos Cunha rbcunha@unicamp.br <p>Após décadas de contribuições de pesquisas sobre a abordagem das relações entre ciência, tecnologia e sociedade no ensino de ciências naturais, alguns estudos de caso apontam dificuldades encontradas por professores de física para inserir em suas aulas debates sobre questões sociais. Este artigo apresenta um recorte de uma pesquisa de percepção sobre ensino de ciências naturais, iniciada em 2020, para mostrar as opiniões de professores de física, em formação e em exercício, sobre questões envolvendo as relações CTS. Foi aplicado um questionário pela internet, através do Google Docs, com perguntas sobre o foco do ensino de ciências naturais, o que deve ser privilegiado, o quanto o entrevistado concorda com determinadas afirmações envolvendo as relações CTS e qual a relevância o entrevistado atribui a quatro temas do cânone da ciência e a cinco temas socioambientais, em uma escala de zero a dez. Foram coletadas 950 respostas no total, das quais 215 são de professores de física, em exercício e em formação. Os resultados apontam que as questões envolvendo as relações CTS estão bastante consolidadas na percepção dos entrevistados e que as opiniões dos professores de física, no geral, são bem próximas das opiniões dos demais atores da comunidade de ensino de ciências naturais. Um dado que merece destaque é a altíssima relevância atribuída pelos estudantes de licenciatura em física a dois temas socioambientais, um envolvendo preservação ambiental e outro envolvendo aquecimento global. Tanto os professores de física quanto os demais atores do universo geral de entrevistados atribuíram maior relevância a quatro temas socioambientais em comparação com a relevância atribuída aos temas do cânone da ciência. Esses dados apontam para o potencial de temas socioambientais que podem ser usados como temas geradores e ponto de partida para o ensino de conceitos científicos, tanto da física quanto das demais disciplinas.</p> 2021-07-14T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Rodrigo Bastos Cunha https://www.revistas.uneb.br/index.php/plurais/article/view/12212 Modelo 5E e aprendizagem por descoberta 2021-07-27T19:44:16-03:00 Fábio Ferreira Monteiro fmonteiro@unb.br Marcello Ferreira marcellof@unb.br Olavo Leopoldino da Silva Filho olavolsf@unb.br Wendell da Silva Cruzeiro df.wendell@gmail.com <p>A abordagem didática sobre a luz, no Ensino Médio, é usualmente realizada de maneira fragmentada e descontínua. Ela aparece em momentos curriculares distintos, como no estudo da óptica, da ondulatória, do eletromagnetismo, e, geralmente, não é reconhecida como fenômeno físico contemporâneo. Nesse sentido, com base em uma articulação entre a teoria psicológica de aprendizagem por descoberta, de Jerome Bruner, e a metodologia de ensino de ciências baseada na investigação na perspectiva 5E (Engage, Explore, Explain, Elaborate, Evaluate), este artigo discute a possiblidade de uma intervenção didática de quatro aulas, na qual o estudo da luz é usado como tema transversal, de modo que a óptica, a ondulatória, o eletromagnetismo, e algumas tecnologias modernas são apresentadas como temas-satélites em uma abordagem de ensino por descoberta.</p> 2021-07-14T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Fábio Ferreira Monteiro, Marcello Ferreira, Olavo Leopoldino da Silva FIlho https://www.revistas.uneb.br/index.php/plurais/article/view/11831 A virtualização do museu do futebol como espaço de aprendizagem 2021-07-27T19:47:21-03:00 Carlos Guilherme Rocha carlosgrocha@cefetmg.br Arthur Franco e Silva arthur_efi@hotmail.com <p>O presente estudo explorou possibilidades de aprendizagem e constituição de saberes a partir de exposições virtuais do Museu do Futebol. Em contexto de pandemia, analisamos como a cibercultura e a cultura da convergência podem contribuir à dimensão do aprendizado, por uma abordagem crítica e interativa de uma manifestação cultural esportiva, o futebol. Destacamos exposições que tratam o histórico da participação das mulheres no futebol brasileiro. Corroboramos que a cibercultura e a cultura da convergência são importantes na ampliação do acesso aos conhecimentos historicamente produzidos, pois perpassam a educação histórica e de uma prática corporal, uma vez que a interação e participação das pessoas são potencializadas com a virtualização do Museu do Futebol, por seus canais de mídia.</p> 2021-07-14T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Carlos Guilherme Rocha, Arthur Franco e Silva https://www.revistas.uneb.br/index.php/plurais/article/view/10985 Formação de monitores de alunos com necessidades educacionais especiais 2021-07-27T19:50:17-03:00 Claudete Botelho Ferreira cloferreira@gmail.com Bento Selau bentoselau@unipampa.edu.br Cristina Boéssio cristinaboessio@unipampa.edu.br <p>Este texto relata uma pesquisa que procurou analisar as contribuições da formação realizada com os monitores de/para Educação Especial do município de Arroio Grande/RS, decorrentes de um processo com base no debate com os professores da escola. Tratou-se de uma pesquisa qualitativa, intervencionista, do tipo pedagógica. Os sujeitos participantes foram cinco monitores e seis professores. Para avaliar a intervenção, foram utilizadas a observação, a análise documental e as entrevistas. Como forma de analisar os dados, foi empregada a análise de conteúdo. Os resultados foram descritos por meio de três categorias: “A recepção (pedagógica) aos monitores”; “Quem orienta o trabalho do monitor? O professor”; “Os debates e as aprendizagens dos monitores”. Os resultados apontam para as aprendizagens dos monitores, embora, salienta-se que seja urgente repensar uma melhor organização do processo de seleção de monitores para atuarem em Educação Especial.</p> 2021-07-14T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Claudete Ferreira, Bento Selau, Cristina Boéssio https://www.revistas.uneb.br/index.php/plurais/article/view/11847 Expansão, interiorização e acesso ao ensino superior no Estado da Bahia 2021-07-27T19:53:06-03:00 Luciana Alaide Santana lualaide@ufrb.edu.br Everson Meireles emeireles@ufrb.edu.br Paulo Gabriel Soledade Nacif pgabriel@ufrb.edu.br <p>Este artigo tem a finalidade de apresentar a evolução do acesso ao ensino superior (ES) no estado da Bahia e em seus Territórios de Identidade (TI) e municípios, bem como relacionar este processo com o perfil da rede de instituições de ensino superior (IES) no estado. Utilizou-se de dados secundários do Censo Demográfico dos anos 2000 e 2010 e projeção para 2020. Foram utilizados, também, dados públicos disponíveis no Cadastro Nacional de Cursos e Instituições de Educação Superior (Cadastro e-MEC) e consulta aos sítios de IES, para caracterizar as instituições com sede na Bahia. No período estudado, o acesso ao ES cresceu no estado, este foi maior nos TI mais desenvolvidos. Registrou-se o crescimento da presença de pessoas autodeclaradas negras e de baixa renda no ES, mas esta ampliação não foi suficiente para atingir os níveis de representatividade destes grupos na sociedade baiana. As IES do estado caracterizam-se em maioria por faculdades com fins lucrativos e o acesso ao ES esteve diretamente ligado a maior disponibilidade de instituições no território. Considera-se importante a regulação do Estado no processo de implantação de novas IES, não só pensando na localização destas, mas também, nos cursos ofertados e sua relação com o contexto territorial, em políticas que promovam acesso dos grupos excluídos (regiões menos desenvolvidas, grupos étnico-raciais e população de baixa renda), nos currículos que considerem a sociedade multirracial, multiétnica e diversa em povos, comunidades e segmentos variados de classe.</p> 2021-07-14T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Luciana Alaide Santana, Everson Meireles, Paulo Gabriel Soledade Nacif https://www.revistas.uneb.br/index.php/plurais/article/view/9665 Docência e pandemia 2021-07-27T19:54:59-03:00 Arlete Ramos dos Santos arlete.ramos@uesb.edu.br Wesley Amaral Vieira wesleyamaral@uesb.edu.br Queziane Martins da Cruz martinsdacruzqueziane@gmail.com Marizéte Silva Souza marizete08@gmail.com <p>Este artigo traz o recorte de uma pesquisa que teve como objetivo analisar os impactos das tecnologias educacionais no ensino remoto e na formação docente no contexto da pandemia da Covid-19, nos municípios baianos. Para tanto, utilizamos metodologia quali-quantitativa para verificar os desdobramentos da pandemia na educação, tendo como foco as dificuldades dos professores devido à falta de formação continuada para o uso das tecnologias digitais de informação e comunicação (TDIC). Os instrumentos de coleta de dados foram os questionários de perguntas fechadas e abertas pelo Google forms. Os resultados da pesquisa evidenciaram fragilidades das políticas públicas de formação de professores voltadas para as TDIC. A formação continuada com ênfase nas tecnologias é uma das alternativas, mas não é a solução para as desigualdades educacionais e sociais. </p> 2021-07-14T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Arlete Ramos dos Santos, Wesley Amaral Vieira, Queziane Martins da Cruz, Marizéte Silva Souza https://www.revistas.uneb.br/index.php/plurais/article/view/8568 A concepção do docente da educação profissional sobre inclusão para um ambiente educacional de qualidade 2021-07-27T19:56:36-03:00 Roberto Kanaane roka@roka.com.br Andrea Ribeiro Ramos andrea.ramos2008@gmail.com <p class="Resumo">O artigo apresenta a concepção do docente da educação profissional sobre o processo de inclusão, suas percepções e dissonâncias para a criação de um ambiente educacional de qualidade. O estudo tem o propósito de investigar a percepção do docente a caracterização do termo inclusão da pessoa com deficiência no ambiente escolar. A abordagem utilizada foi a pesquisa exploratória concomitantemente com a bibliográfica, bem como a utilização de questionários como técnica. Obteve-se como resultado dissonâncias e discordâncias frente a compreensão sobre inclusão de pessoas com deficiência, o que sugere a falta de conhecimento do termo inclusão, embora os docentes ministrem aulas para pessoa com deficiência. Conclui-se então a precariedade de formação e de informação adequada dos docentes.</p> 2021-07-19T19:37:57-03:00 Copyright (c) 2021 Roberto Kanaane, Andrea Ribeiro Ramos