A virtualização do museu do futebol como espaço de aprendizagem

diálogos com a cibercultura e cultura da convergência

Autores

DOI:

https://doi.org/10.29378/plurais.2447-9373.2021.v6.n1.11831

Palavras-chave:

Cibercultura, Cultura da convergência, Aprendizagem, Museu do Futebol

Resumo

O presente estudo explorou possibilidades de aprendizagem e constituição de saberes a partir de exposições virtuais do Museu do Futebol. Em contexto de pandemia, analisamos como a cibercultura e a cultura da convergência podem contribuir à dimensão do aprendizado, por uma abordagem crítica e interativa de uma manifestação cultural esportiva, o futebol. Destacamos exposições que tratam o histórico da participação das mulheres no futebol brasileiro. Corroboramos que a cibercultura e a cultura da convergência são importantes na ampliação do acesso aos conhecimentos historicamente produzidos, pois perpassam a educação histórica e de uma prática corporal, uma vez que a interação e participação das pessoas são potencializadas com a virtualização do Museu do Futebol, por seus canais de mídia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carlos Guilherme Rocha, Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais - CEFET-MG

Doutor em História (UFF). Professor do Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais (CEFET-MG). E-mail: carlosgrocha@cefetmg.br.

Arthur Franco e Silva, Rede Municipal de Ensino de Conselheiro Lafaiete

Mestre em Educação pela (UFSJ). Professor da Rede Municipal de Ensino de Conselheiro Lafaiete. Membro do Grupo de Pesquisa em Educação Filosofia e Imagem (GEFI/UFSJ). Email: arthur_efi@hotmail.com

Referências

ALEGRIAS, Lúcia. O futebol na construção das representações identitárias nos museus. Cadernos de Sociomuseologia, v. 54, n. 10, p. 135-162, 2017.

ALTMANN, Helena. Educação Física Escolar: relações de gênero em jogo. São Paulo: Cortez, 2015.

AMARAL, Inês. Participação em rede: do utilizador ao “consumidor 2.0” e ao “prosumer”. Comunicação e Sociedade, v. 22, 2012.

AUTOR.

AZEVEDO, Clara; ALFONSI, Daniela. A patrimonialização do futebol: notas sobre o Museu do Futebol. Revista de História, n. 163, p. 275-292, 2010.

BOURDIEU, Pierre. A distinção: crítica social do julgamento. São Paulo: Edusp, 2007.

COUTO, Edvaldo; MOREIRA, Ramon; DO CARMO, Quesia. Redes sociais e educação: a narrativa de si por meio da escrita no Twitter. Conhecimento & Diversidade, v. 10, n. 21, 2018.)

FERNANDES, Raquel. Studygram: Interação e compartilhamento de processos de ensino-aprendizagem através do Instragram. Anais do XXIX Simpósio Brasileiro de Informática na Educação. 2018.

GALLO, Sílvio. Eu, o outro e tantos outros: educação, alteridade e filosofia da diferença. Anais do Congresso Internacional Cotidiano: diálogos sobre diálogos. Rio de Janeiro: UFF, 2008.

GESTRADO. Grupo de estudos sobre política educacional e trabalho docente da UFMG. Trabalho docente em tempos de pandemia. Relatório Técnico. Belo Horizonte: Gestrado, 2020.

GOELLNER, Silvana V. Mulheres e futebol no Brasil: entre sombras e visibilidades, Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, São Paulo, v.19, n.2, p.143-51, abr./jun. 2005.

GRAÇA, Luía; LACERDA, Teresa. Da estética do desporto à estética do futebol. Revista Brasileira de Ciência do Esporte, Florianópolis, v. 33, n. 2, p. 427-444, abr./jun. 2011.

HOWSON, Jonathan; SHEMILT, Denis. Frameworks of knowledge: dilemas and debates. In: DAVIES, Ian. Debates in History Teaching. Routledge: Abingdon (ING), 2011.

JENKINS, Henry. Cultura da convergência. São Paulo: Aleph, 2009.

LEE, Peter. Em direção a um conceito de literacia histórica. Educar em Revista, Edição Especial, p. 131-150, 2006.

LEE, Peter. History education and historical literacy. In: DAVIES, Ian. Debates in History Teaching. Routledge: Abingdon (ING), 2011.

LÉVY, Pierre. Cibercultura. São Paulo: Editora 34, 2010.

MELLO, Janaína. Museus e ciberespaço: novas linguagens da comunicação na era digital. Cultura histórica e patrimônio, Alfenas, vol.1, n. 2, p. 06-29, 2013.

MISKOLCI, Richard. Desejos digitais. Uma análise sociológica da busca por parceiros on-line. Belo Horizonte: Autêntica, 2017.

MONTEIRO, Igor et al.Mulheres de preto: trajetórias na arbitragem do futebol profissional. Motrivivência, Florianópolis, v. 32, n. 63, p. 01-15, julho/dezembro, 2020.

NUNES, M. L. F. Afinal, o que queremos dizer com a expressão “diferença”? In: NEIRA, M. G.;

NUNES, M. L. F. (Orgs.). Educação Física cultural: por uma pedagogia da(s) diferença(s). Curitiba: CRV, 2016. p. 15-66.

OLIVEIRA, Nizamar; LOPES, Anderson. “O futebol como patrimônio nacional cultural”. Anuário da Produção Acadêmica Docente, vol. 5, n. 12, 2011.

PREVIDELLLI, Fabio. Futebol, homofobia e suicídio: Justin Fashanu, o primeiro jogador a se assumir gay publicamente. Aventuras na História, on-line, 2020.

RENÓ, Denis; VERSUTI, Andrea; RENÓ, Luciana. Educação: uma nova perspectiva a partir da Transmediação e Conectivismo. Revista Tecnologia Educacional, Rio de Janeiro, Ano 40, nº 192, jan-mar, p. 17-31, 2011.

RÜSEN, Jörn. História Viva. Teoria da História III: formas e funções do conhecimento histórico. Brasília: Editora da UnB, 2010.

SANTAELLA, Lúcia. Da cultura das mídias à cibercultura: o advento do pós-humano. Revista FAMECOS, Porto Alegre, nº 22, dezembro, p. 23-32, 2003.

SANTOS, Rosemary; SANTOS, Edméa. Cibercultura: redes educativas e práticas cotidianas. Pesquisaeduca, v. 4, n. 7, 2012.

SCHWARTZ, Gisele M. O conteúdo virtual do lazer: Contemporizando Dumazedier. Licere, v. 6, n. 2, Belo Horizonte, p. 23-31, 2003.

Downloads

Publicado

2021-07-14

Como Citar

ROCHA, C. G.; SILVA, A. F. e. A virtualização do museu do futebol como espaço de aprendizagem: diálogos com a cibercultura e cultura da convergência. Plurais - Revista Multidisciplinar, Salvador, v. 6, n. 2, p. 161–178, 2021. DOI: 10.29378/plurais.2447-9373.2021.v6.n1.11831. Disponível em: https://www.revistas.uneb.br/index.php/plurais/article/view/11831. Acesso em: 2 mar. 2024.

Edição

Seção

Artigos