“Lugar de Indígena é Onde Ela Quiser!”

um estudo com mulheres indígenas universitárias.

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21879/faeeba2358-0194.2023.v32.n72.p130-147

Palavras-chave:

mulher indígena, universidade, ações afirmativas

Resumo

Este artigo tem por objetivo problematizar a presença das mulheres indígenas em uma universidade federal do sul do Brasil. Por meio de uma investigação narrativa, entendida como o estudo da experiência, entrevistamos[1] cinco acadêmicas indígenas de diferentes cursos da IFES. Propomos uma discussão acerca do papel que a educação superior tem desempenhado, enquanto aliada na luta pela visibilidade das mulheres indígenas, sujeitas marginalizadas da aldeia à academia. Para além da possibilidade de igualdade de oportunidades, as ações afirmativas resultam na qualificação universitária não apenas para a causa indígena, mas também para o retorno às aldeias. Ao mesmo tempo, estar na universidade implica às acadêmicas indígenas resistirem não apenas a sua realidade nas comunidades, mas na universidade também.

 

[1] As entrevistas começaram após aprovação do projeto pelo Comitê de Ética em Pesquisa da Universidade e pela Comissão Nacional de Ética em Pesquisa, por meio do parecer nº 4.274.905, Certificado de Apresentação de Apreciação Ética (CAAE) 34247320.6.0000.5324.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Karina Molina, Universidade Federal do Rio Grande - FURG

Doutora em Educação em Ciências pela Universidade Federal do Rio Grande – FURG. Técnica Administrativa em Educação na Universidade Federal do Rio Grande – FURG. Pesquisadora no Grupo de Pesquisa Sexualidade e Escola (Gese).

Paula Regina Costa Ribeiro, Universidade Federal do Rio Grande – FURG

Pós-Doutora pela Escola Superior de Educação de Coimbra/Instituto Politécnico de Coimbra. Professora do Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências da Universidade Federal do Rio Grande – FURG. Líder do Grupo de Pesquisa Sexualidade e Escola (Gese). Pesquisadora do Grupo de Investigación en Educación y Sociedad (Gies).

Referências

AMANTE, Vandreza. 43 Mulheres indígenas do Brasil e da América Latina para se inspirar. Catarinas. 22 de junho de 2019. Disponível em: <https://catarinas.info/43-mulheres-indigenas-do-brasil-e-da-america-latina-para-se-inspirar/>. Acesso em: 5 jun. 2021.

ATHAYDE, Fernando Luís; BRAND, Antônio Jacó. A Inserção De Indígenas No Ensino Superior Público: O Que Dizem Esses Sujeitos? III Seminário Povos Indígenas e Sustentabilidade, 2009. Disponível em: <http://flacso.org.br/?publication-type=artigos&paged=63>. Acesso em: 20 abr. 2018.

BANIWA, Gersem dos Santos Luciano. O índio brasileiro: o que você precisa saber sobre os povos indígenas no Brasil de hoje. Ministério da Educação. Brasília, 2006. Disponível em: <http://unesdoc.unesco.org/images/0015/001545/154565por.pdf>. Acesso em: abr. 2017.

BERGAMASCHI, Maria Aparecida; KURROSCHI, Andreia Rosa. Estudantes Indígenas no Ensino Superior: o Programa de Acesso e Permanência na UFRGS. Políticas Educativas, 2013. Disponível em: <http://seer.ufrgs.br/index.php/Poled/article/viewFile/-45654/28834>. Acesso em 10 abr. 2018.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Gráfica do Senado, 1988.

BRUM, Ceres; JESUS, Suzana. Mito, diversidade cultural e educação: notas sobre a invisibilidade Guarani no Rio Grande do Sul e algumas estratégias nativas de superação. Horizontes Antropológicos (Online), v. 21, p. 201-227, 2015. Disponível em: <https://www.scielo.br/j/ha/a/JNCg4MjRwrKFtZxCfRmjwNC/?lang=pt&format=pdf>. Acesso em: 28 jun. 2021.

CLANDININ, Jean; CONNELLY, Michael. Pesquisa Narrativa: experiência e história de pesquisa qualitativa. Tradução: Grupo de Pesquisa Narrativa e Educação de Professores ILEEL/UFU. Uberlândia: Editora UFU, 2015.

COLLING, Ana Maria; TEDESCHI Losandro Antonio (Orgs). Mulheres Kaiowá e Guarani: expressões. Dourados: Ed. UFGD, 2018. Disponível em: <https://files.ufgd.-edu.br/arquivos/arquivos/78/CONTRATACOES/Ag%C3%AAncia%20de%20Publicidade/PAG%202970%20%205.0.Mulheres%20Kaiowa.L.T.06.08.18.Triunfal.colofon.pdf. Acesso em: 30 jun. 2021.

DOMÍNGUEZ, Daniel; LOZANO, Consuelo. Género, sexualidad y cuerpo. Campo juvenil y jóvenes universitarios indígenas de San Luis Potosí, México. Cuicuilco Revista de Ciencias Antropológicas, v. 22, n. 62, p. 121–148. 2015. Disponível em: <https://revistas.inah.gob.mx/index.php/cuicuilco/article/view/6206>. Acesso em: 30 abr. 2019.

FAUSTINO, Rosângela; NOVAK, Simone; LANÇA, Vanessa. Educação, trabalho e gênero na sociedade indígena: estudo sobre os Kaingang de Faxinal no Paraná. Revista Emancipação, 2010. Disponível em: <http://www.revistas2.uepg.br/index.-php/emancipacao/article/view/Emancipacao.v.10i1.341350>. Acesso em: 15 mai. 2019.

GUALA, Lourdes. Género y sustentabilidad: nuevos conceptos para el movimiento indígena. Polis – Revista Latinoamericana, p. 1-13, 2004. Disponível em: <http://journals.openedition.org/polis/7284>. Acesso em: 30 abr. 2019.

HALL, Stuart. Quem precisa de identidade? In: SILVA, Tomaz (Org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos Estudos Culturais. Petrópolis: Vozes, 2000.

______. A identidade cultural na pós-modernidade. 7a ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2002.

JESUS, Suzana; TASSINARI, Antonella; ALMEIDA, José; IORIS, Edwiges. Presença de estudantes indígenas na Universidade Federal de Santa Catarina: um panorama a partir do Programa de Ações Afirmativas - PAA/UFSC. Século XXI - Revista de Ciências Sociais, v. 3, p. 213-236, 2013. Disponível em: <https://periodicos.-ufsm.br/seculoxxi/article/viewFile/11226/pdf>. Acesso em: 11 mai. 2021.

JESUS, Suzana. As crianças, as culturas e a universidade: notas sobre infância e maternagem no ensino superior. In: SILVA, Fabiane; BONETTI, Aline (Orgs). Gênero, diferença e direitos humanos: é preciso esperançar em tempos hostis. Florianópolis: Tribo da Ilha, 2020.

LARROSA, Jorge. Experiência e alteridade em educação. Revista Reflexão e Ação, Santa Cruz do Sul, v. 19, n. 2, p. 04-27,jul./dez. 2011. Disponível em: <https://online.unisc.br/seer/index.php/reflex/article/view/2444>. Acesso em: 14 jun. 2022.

MELO, Clarissa; ANTUNES, Eunice Kerexu Yxapyry. Ser mulher e acadêmica Guarani: corporalidade e espaços de circulação. In: SILVEIRA, Nádia Heusi; MELO, Clarissa Rocha de; JESUS, Suzana Cavalheiro de (Orgs.) Diálogos com os Guarani: articulando compreensões antropológicas e indígenas. Florianópolis: Editora da UFSC, 2016.

MELLO, Dilma; MURPHY, Shaun; CLANDININ, Jean. Introduzindo a investigação narrativa nos contextos de nossas vidas: uma conversa sobre nosso trabalho como investigadores narrativos. Revista Brasileira de Pesquisa (Auto)Biográfica, Salvador, v. 01, n. 03, p. 565-583, set/dez. 2016. Disponível em: <https://www.revistas.uneb.br/index.php/rbpab/article/view/3006>. Acesso em: 14 jun. 2022.

OLIVEN, Arabela. Ações afirmativas, relações raciais e política de cotas nas universidades: Uma comparação entre os Estados Unidos e o Brasil os Estados Unidos e o Brasil. Educação. Porto Alegre/RS, ano XXX, n. 1, v. 61, p. 29-51, jan./abr. 2007. Disponível em: <http://redeacaoafirmativa.ceao.ufba.br/uploads/pucrs_artigo_2007_ACOliven.pdf>. Acesso em: 11 mai. 2020.

SANTOS, Augusto. Políticas afirmativas no ensino superior: estudo etnográfico de experiências indígenas em universidades do Mato Grosso do Sul (Terena e Kaiowá-Guarani). 2015. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2015. Disponível em: <https://www.academia.edu/16961130/GEA_Rede_de_Saberes_Politicas-_de_Acao_Afirmativa?email_work_card=view-paper>. Acesso em: 5 jun. 2021.

SCOTT, Joan W. A Invisibilidade da Experiência. Projeto História: Revista Do Programa de Estudos Pós-Graduados de História, São Paulo, v. 16, p. 297-325, jan-fev. 1998. Disponível em: <https://revistas.pucsp.br/index.php/revph/article/view/11183/8194>. Acesso em: 15 ago. 2022.

SEGATO, Rita Laura. Gênero e colonialidade: em busca de chaves de leitura e de um vocabulário estratégico descolonial. e-cadernos CES, Epistemologias feministas: ao encontro da crítica radical, n. 18, p. 106-131, dezembro 2012. Disponível em: <https://journals.openedition.org/eces/1533>. Acesso em: 15 ago. 2022.

SIMÕES, Rodrigo. Participação indígena no Ensino Superior aumenta mais de 500% em seis anos; mulheres são a maioria. Quero bolsa, 2019. Disponível em: <https://www.fundacred.org.br/site/2019/12/20/ingresso-de-mulheres-indigenas-nas-universidades-cresce-620-desde-2009/>. Acesso em: 21 mai. 2020.

TASSINARI, Antonella. Diálogos com os Guarani: articulando compreensões antropológicas e indígenas. Florianópolis: Editora da UFSC, 2016.

Arquivos adicionais

Publicado

2023-11-17

Como Citar

MOLINA, K.; COSTA RIBEIRO, P. R. “Lugar de Indígena é Onde Ela Quiser!”: um estudo com mulheres indígenas universitárias. Revista da FAEEBA - Educação e Contemporaneidade, [S. l.], v. 32, n. 72, p. 130–147, 2023. DOI: 10.21879/faeeba2358-0194.2023.v32.n72.p130-147. Disponível em: https://www.revistas.uneb.br/index.php/faeeba/article/view/17549. Acesso em: 21 fev. 2024.

Edição

Seção

Dossiê Temático 72