Etnomodelagem: compreendendo o contexto cultural de produtores de chocolate por meio da elaboração de etnomodelos

Palavras-chave: Etnomodelagem, Produção artesanal de chocolate, Conceito de função

Resumo

Este artigo apresenta um recorte de uma pesquisa de mestrado, e tem como objetivo analisar o desenvolvimento de uma proposta de ensino, fundamentada na Etnomodelagem, para a construção de etnomodelo para a produção artesanal de chocolate. Essa proposta foi aplicada em uma turma de 28 estudantes do 9o ano do Ensino Fundamental, em uma escola localizada no sul da Bahia. A pesquisa teve natureza qualitativa e a metodologia utilizada foi o Mapeamento na Pesquisa Educacional. Os dados foram produzidos a partir de uma visita com os estudantes a um assentamento de trabalhadores rurais sem-terra, onde obteve-se informações sobre a produção de chocolate. Os resultados foram analisados sob a ótica da Análise de Conteúdo. Os dados foram separados em unidades de registros e reagrupados por temas. Esses temas deram origem aos eixos temáticos, os quais foram sintetizados em quatro categorias. Neste recorte será explicitada a análise descritiva e interpretativa da categoria “Para além do conceito de função”. Como resultado, observou-se que os conhecimentos êmicos provenientes da visita à fábrica de chocolate possibilitaram aos estudantes a criação de hipóteses; a fomentação de discussões; a sistematização da produção de chocolate para uma determinada quantidade de cacau; e os possíveis lucros dos assentados. Por meios dos conhecimentos êmicos, os participantes conseguiram criar etnomodelos gráficos e algébricos (éticos e/ou dialógicos), utilizando elementos trabalhados durante a construção do conceito de função, para representar a produção de chocolate artesanal da fábrica. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Zulma Elizabete de Freitas Madruga, Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB)

Doutora em Educação em Ciências e Matemática pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), com período de estágio doutoral realizado na Universidade de Salamanca (USAL), Espanha. Possui Mestrado em Educação em Ciências e Matemática pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), Especialização em Educação Matemática pela Universidade Luterana do Brasil (ULBRA), Especialização em Educação - Ênfase em Gestão de Polos pela Universidade Federal de Pelotas (UFPEL). Licenciatura em Matemática pela Universidade da Região da Campanha (URCAMP) e Licenciatura em Pedagogia pelo Centro Universitário Internacional (UNINTER). Possui experiência na Educação Básica, Ensino Fundamental e Médio. Atualmente é professora adjunta da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB) - Centro de Formação de Professores, Amargosa, Bahia. Também atua como docente permanente do Programa de Pós-graduação em Educação em Ciências e Matemática (PPGECM_UESC). É líder do Grupo de Pesquisa em Educação Matemática do Recôncavo da Bahia (GPEMAR), membro do Grupo de Pesquisa Educação Matemática e Diversidade Cultural (GPEMDiC) e faz parte dos Grupod de Trabalho sobre Currículo e Educação Matemática (GT3) e História da Matemática e Cultura (GT5) da Sociedade Brasileira de Educação Matemática (SBEM). 
Linha de Investigação: Aprendizagem e Formação de Professores; Tendências da Educação Matemática, em especial Modelagem na Educação e Etnomatemática.

Referências

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Tradução Luís Antero Reto, Augusto Pinheiro. 70.ed. São Paulo: Almedina Brasil, 2016.

BOGDAN, R. C.; BIKLEN, S. K. Investigação qualitativa em educação. Tradução Maria João Alvarez, Sara Bahia dos Santos, Telmo Mourinho Baptista. Porto: Porto Editora, 1994.

BIEMBENGUT, M. S. Mapeamento na pesquisa educacional. Rio de Janeiro:
Editora Ciência Moderna, 2008.

BIEMBENGUT, M. S. Modelagem matemática na educação e na ciência. São Paulo:
Editora da Física, 2016.

BRASIL. Base nacional comum curricular. 3. versão. Brasília: MEC, 2017.

MORAES, R. Análise de conteúdo. Revista Educação. Porto Alegre, v. 22, n. 37, 1999.

ROCHA, L. B. A região cacaueira da Bahia– dos coronéis à vassoura-de-bruxa:
saga, percepção, representação. Ilhéus: Editus, 2014.

ROSA, M.; OREY, D. C. O campo de pesquisa em etnomodelagem: as abordagens êmica, ética e dialética. Educ. Pesquisa. São Paulo, v. 38, n. 04, p. 865-879, out./dez. 2012.

ROSA, M.; OREY, D. C. Etnomodelagem: arte de traduzir prática matemática locais. São Paulo: Editora Livraria da Física, 2017.
Publicado
2020-11-10
Métricas
  • Visualizações do Artigo 247
  • PDF (PORTUGUÊS) downloads: 167
Como Citar
dos Santos, J., & Madruga, Z. E. de F. (2020). Etnomodelagem: compreendendo o contexto cultural de produtores de chocolate por meio da elaboração de etnomodelos. Revista Baiana De Educação Matemática, 1, e202011. https://doi.org/10.47207/rbem.v1i.9659