A escrita de professoras nos memoriais de formação

Maria Couto Cunha, Marta Licia Teles Brito de Jesus, Regina Lucia dos Santos Portela

Resumo


Este artigo discute as produções textuais dos memoriais de formação escritos por professoras de escolas públicas que fizeram o curso de Licenciatura Especial em Pedagogia, na Faculdade de Educação da Universidade Federal da Bahia (FACED/UFBA), entre os anos de 2010 e 2013, no contexto do Plano Nacional de Formação de Professores da Educação Básica (PARFOR). Do ponto de vista teórico-metodológico, referencia-se nas ideias a respeito das narrativas etnográficas e traz uma pesquisa documental de cunho qualitativo, amparada nos pressupostos da Análise do Discurso e nos estudos sobre a (auto)biografia, a memória e a formação de professores. Foram analisados os memoriais de formação de 18 professoras, apresentados nos respectivos Trabalhos de Conclusão de Curso (TCC). Conclui-se a discussão com evidências sobre a apropriação, pelas professoras, desse espaço de valorização das narrativas, através de uma escrita autoral e prenhe de conteúdos considerados significativos, relacionados à identidade profissional e às suas histórias de vida. 


Palavras-chave


Formação de Professores. História de Vida. Narrativa

Texto completo:

PDF

Referências


ABRAHÃO, Maria Helena M. B. Memoriais de formação: a (re)significação das imagens-lembranças/recordações-referências para a pedagoga em formação. Educação, Porto Alegre, v. 34, n. 2, p. 165-172, mai./ago. 2011.

BENJAMIN, Walter. O narrador: considerações sobre a obra de Nikolai Leskov. In: _________. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. 7 edição, Tradução de Sérgio Paulo Rouanet. São Paulo: Brasiliense, 1994. p. 213-240.

BRASIL. DECRETO n. 6.755, que Institui a Política Nacional de Formação dos Profissionais da Educação Básica (PARFOR), Brasília, 29 de janeiro de 2009. Disponível em: http://www.capes.gov.br/images/stories/download/legislacao/Decreto-6755-2009.pdf Acesso em: 05 ago. 2017).

CARRILHO, Maria de Fátima Pinheiro. Tornar-se professor formador pela experiência formadora: vivências e escrita de si. 2007. 275 p. Tese (Doutorado em Educação Educação) – Programa de Pós-graduação em Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2007. Disponível em: . Acesso em: 24 jul. 2017.

JESUS, Marta Lícia Teles Brito. O valor simbólico do diploma de nível superior. 2014. 227 p. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-graduação em Educação, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2014.

JOSSO, Marie-Christine. Experiências de vida e formação. Lisboa: Editora Educa-Formação/Universidade de Lisboa, 2002.

_________. A transformação de si a partir da narração de histórias de vida. Educação, Porto Alegre, n. 3 (63), p. 413-438, set./dez. 2007.

KOFES, Suely. Narrativas biográficas: que tipo de antropologia isso pode ser? In: KOFES, Suely; MANICA, Daniela. (Orgs.). Vida & grafias: narrativas antropológicas entre biografia e etnografia. Rio de Janeiro: Editoras Lamparina: FAPERJ, 2015. p. 20-40.

LE GOFF, Jacques.‭ ‬ ‭História e memória: II volume‭. Tradução de Bernardo Leitão. Lisboa: Edições 70,‬‬‬‬‬‬‬‬‬‬‬‬‬‬‬‬‬ 2000.

LOBATO, Monteiro. Emília resolve escrever suas memórias. In: _________. Memórias de Emília. São Paulo: Brasiliense, 1995. cap. 10, p. 9-13.

ORLANDI, E. P. As formas de silêncio: nos movimentos dos sentidos. 5. ed. Campinas: Editora da UNICAMP, 2002.

________. Análise de discurso: princípios e procedimentos. 5. ed. Campinas, SP: Pontes, 2003.

_________. Interpretação: autoria, leitura e efeitos do trabalho simbólico. 4. ed. Campinas: Pontes, 2004.

PASSEGGI, Maria da Conceição. Memoriais auto-biográficos: a arte profissional de tecer uma figura pública de si. In: PASSEGGI, Maria da Conceição; BARBOSA, Tatyana Mabel Nobre. (Orgs.). Memórias, memoriais: pesquisa e formação docente. Natal: EDUFRN; São Paulo: Paulus, 2008. p. 27-42.

PÊCHEUX, Michel. Papel da memória. In: ACHARD, P et al. Papel da memória. Campinas, SP: Pontes, 1999. p. 49-57.

POLLAK, Michael. Memória e identidade social. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 5, n. 10, p. 200-212, 1992.

SARTORI, Adriane Terezinha. Os professores e sua escrita: o gênero discursivo “memorial de formação”. 2008. 219 p. Tese (Doutorado em Linguística Aplicada) – Programa de Pós Graduação do Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, 2008. Disponível em: . Acesso em: 25 jul. 2017.

______. O memorial de formação e a graduação de (futuros) professores. Revista SCRIPTA, v. 15, n. 28, p. 267-284, PUC Minas Gerais, 2011. Disponível em: . Acesso em: 25 jul. 2017.

SOUZA, E. C. (Auto)biografia, histórias de vida e práticas de formação. In: NASCIMENTO, Antonio Dias; HETKOWSKI, Tania Maria. (Orgs.). Memória e formação de professores. Salvador: EDUFBA, 2007. p. 137-156.

_____. Territórios das escritas do eu: pensar a profissão – narrar a vida. Educação, Porto Alegre, v. 34, n. 2, p. 213-220, mai./ago. 2011.




DOI: http://dx.doi.org/10.31892/rbpab2525-426X.2017.v2.n5.p483-500

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Indexadores: 

 

 

Portal SEER

Revista Brasileira de Pesquisa (Auto)Biográfica - RBPAB - Qualis B2 Educação

 A Revista Brasileira de Pesquisa (Auto)Biográfica é publicada sob a licença Creative Commons de  Atribuição-NãoComercial CC BY-NC