FORMAÇÃO DE PRECEPTORES: UM INVESTIMENTO FUNDAMENTAL PARA O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO DE RESIDENTES EM SAÚDE

Palavras-chave: Metodologias ativas, Preceptoria, Residência em saúde, Saúde Mental

Resumo

Objetivo: descrever a experiência de realização de um curso de formação de preceptores em um programa de residência em enfermagem em saúde mental. Método: estudo descritivo do tipo relato de experiência realizado por profissionais de saúde especialistas em enfermagem em saúde mental. O presente estudo, descreve a estruturação, elaboração, implantação/adaptação e avaliação de um curso de formação em preceptoria. Destaca-se que o curso teve 120 horas de duração, e foi baseado em metodologias ativas (Design Thinking; Gamificação; Mapa Mental; Panorama sobe e desce; Portfólio; PBL; TBL), garantindo o protagonismo dos alunos envolvidos no processo formativo. Resultados: os resultados foram positivos sob o olhar dos envolvidos, alunos e facilitadores. As metodologias utilizadas foram efetivas e bem avaliadas. E o objetivo do curso foi alcançado, sendo o curo descrito, uma boa estratégia para instrumentalização de profissionais para atuarem como preceptores. Conclusão: demarca-se a boa aceitação dos participantes e as boas avaliações que o curso recebeu. Assim,  o  presente  relato,  ao  descrever  a construção/implementação de um curso de formação em preceptoria, com base em metodologias ativas, potencializa a divulgação e conhecimento sobre a temática, além de estimular novas pesquisas sobre a temática.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rafaela Sales Medeiros, Mestranda em Ciências da Saúde pela Universidade de São Paulo - Brasil

Residência em Enfermagem na Saúde Mental e Psiquiatria pela Universidade de São Paulo. Membro do Núcleo de Estudos e Pesquisa em Enfermagem em Adições - Álcool e outras Drogas

José Gilberto Prates, Professor na Universidade de São Paulo - Brasil

Doutor em Ciências da Saúde pela Universidade de São Paulo. Membro do Grupo de Estudo em Álcool e outras Drogas

Karine Generoso Hohl, Enfermeira psiquiátrica no Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas - Brasil

Residência em Enfermagem na Saúde Mental e Psiquiatria pela Universidade de São Paulo.

Zulmira Maria Lobato, Professora na Universidade de São Paulo - Brasil

Mestra em Educação pela Universidade Bandeirante de São Paulo. Diretora Técnico do Serviço de Nutrição e Dietética do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas.

João Vitor Andrade, Residente em Enfermagem na Saúde Mental e Psiquiatria pela Universidade de São Paulo - Brasil

Bacharel em Enfermagem pela Universidade Federal de Viçosa.

Referências

Haubrich PL, Silva CT, Kruse MH, Rocha CM. Intenções entre tensões: as residências multiprofissionais em saúde como lócus privilegiado da educação permanente em saúde. Saúde em Redes. 2015;1(1):47-56.

Antunes JM, Daher DV, Ferrari MF. Preceptoria como lócus de aprendizagem e de coprodução de conhecimento. Revista de Enfermagem UFPE on line. 2017;11(10):3741-8.

Silva CA, Dalbello-Araujo M. Programa de Residência Multiprofissional em Saúde: o que mostram as publicações. Saúde em Debate. 2020;43:1240-58.

Autonomo FR, Hortale VA, Santos GB, Botti SH. A Preceptoria na formação médica e multiprofissional com ênfase na atenção primária–Análise das Publicações Brasileiras. Revista Brasileira de Educação Médica. 2015;39:316-27.

Medeiros RS, José Gilberto JG, Hohl KG, Andrade JV. Aprendizagem significativa: júri simulado como proposta de abordagem de tratamentos em dependência química. Prát. Cuid. Rev. Saude Colet., 2021;2:e13158.

Universidade de São Paulo. Projeto Político Pedagógico: Programa de Enfermagem em Saúde Mental e Psiquiátrica da Faculdade de Medicina de São Paulo, 2020.

Ribeiro KR, PRADO ML. The educational practice of preceptors in healthcare residencies: a study on reflective practice. Revista gaucha de enfermagem. 2014;35:161-5.

Peixoto LS, Tavares CM, Queiroz PP. Research about the knowledge and teaching practice of the preceptor: a test pilot. Revista de Enfermagem UFPE on line, 2014:2038-46.

Campos GW. Saúde pública e saúde coletiva: campo e núcleo de saberes e práticas. Ciência & Saúde Coletiva. 2000;5:219-30.

Buregio RMVF. Elaboração de um plano de ação como estratégia integradora do ensino-serviço dentro do contexto da preceptoria. 2020. p. 13. Trabalho de conclusão de curso (especialização de preceptoria em saúde) – Universidade Federal do Rio Grande do Norte, 2020.

Andrade JV, Moraes RC. O que o Coronavírus tem nos tirado? Anos potenciais de vida perdidos em Minas Gerais. Journal of Nursing and Health. 2020;10(4):e20104014.

Feferbaum M, Radomysler CN, Costa ECS. Ensino Participativo Online: fundamentos, métodos e ferramentas. São Paulo: CEPI FGV Direito SP, 2021.

Paiva ED, Zanchetta MS, Londoño C. Inovando no pensar e no agir científico: o método de Design Thinking para a enfermagem. Escola Anna Nery. 2020, 6;24.

Pereira DC, Takenami IO, Quintanilha LF. Gamificação como ferramenta de avaliação no aprendizado em disciplinas de ciências da saúde. Atas de Ciências da Saúde, 2020;10(4):121-30.

González JM, Gea EM, Ariza MD. El aprendizaje del mapa mental grupal mediante las TIC en Educación Superior. Educação & Sociedade. 2020;41.

Cotta RM et al. Panorama Sobe-Desce e Varal do SUS: o que motiva e o que desmotiva a utilização do Sistema Único de Saúde? Journal of Management & Primary Health Care. 2018, 19;9.

Cotta RM, Costa GD. Portfólio Reflexivo: Método de Ensino, Aprendizagem e Avaliação. Viçosa: Editoras UFV/ABRASCO, 2016.

Biello S, Yoss S, Walker ER, Druss B, Lang DL. Addressing Public Mental Health Challenges: A Mixed-Methods Evaluation of Problem-Based Learning. Pedagogy in Health Promotion. 2020:2373379920944963.

Burgess A, Kalman E, Haq I, Leaver A, Roberts C, Bleasel J. Interprofessional team-based learning (TBL): how do students engage?. BMC medical education. 2020;20(1):1-1.

Maia TC, Andrade JV, Silva IM, Júnior BR. Oficina crítico-reflexiva “Desenvolvimento e Saneamento Rural”: extensão universitária por meio do Projeto Rondon. Revista Caminho Aberto, 2019;6(11).

Brasil. Conselho Nacional de Saúde, Ministério da Saúde. Resolução Nº 510, de 07 de abril de 2016.

Pretto NL, Riccio NCR. A formação continuada de professores universitários e as tecnologias digitais. Educar. 2010;26(37):153-169.

Agra G, Formiga NS, Oliveira PS, Costa MM, Fernandes MD, Nóbrega MM. Análise do conceito de Aprendizagem Significativa à luz da Teoria de Ausubel. Revista Brasileira de Enfermagem. 2019;72:248-55.

Lara EM, Lima VV, Mendes JD, Ribeiro EC, Padilha RD. O professor nas metodologias ativas e as nuances entre ensinar e aprender: desafios e possibilidades. Interface-Comunicação, Saúde, Educação. 2019; 10;23.

Rodrigues EM, Silva KK. Tecnologias educacionais digitais na formação de preceptores para residências multiprofissionais no SUS. Rev. Saúde Digital Tec. Educ., 2020;5(1):112-123.

Andrade JV, Araújo DC. O uso da terapia comunitária como estratégia para apoiar estudantes. Vivencias, 2019;15(28):165-70.

Publicado
2021-12-21
Métricas
  • Visualizações do Artigo 210
  • PDF (English) downloads: 24
Como Citar
Medeiros, R. S., Prates, J. G., Hohl, K. G., Lobato, Z. M., & Andrade, J. V. (2021). FORMAÇÃO DE PRECEPTORES: UM INVESTIMENTO FUNDAMENTAL PARA O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO DE RESIDENTES EM SAÚDE. Práticas E Cuidado: Revista De Saúde Coletiva, 2, e13174. Recuperado de https://www.revistas.uneb.br/index.php/saudecoletiva/article/view/13174
Seção
Dossiê Temático PESQUISA EM SERVIÇO: PRODUÇÕES NOS PROGRAMAS DE RESIDÊNCIA EM SA