Amparo e sentidos de vida nas narrativas sobre mortos por COVID-19

Palavras-chave: narrativas, memória comunicativa, memória cultural, mídia, COVID-19

Resumo

Este artigo é parte da pesquisa em andamento intitulada “Biografias das vítimas do COVID-19” e se propõe comunicar as primeiras análises desenvolvidas. Trata-se de uma pesquisa interdisciplinar e seu objetivo é analisar os sentidos de vida das narrativas biográficas das vítimas do novo COVID-19 no Brasil, apresentadas no programa Fantástico, da rede Globo de televisão, a partir do portal Memorial Inumeráveis. Para dar conta deste recorte inicial, em diálogo com o campo da Psicanálise e do Patrimônio Cultural, desenvolve-se a noção de memória cultural em Eleida Assmann (2011) e Jan Assmann (2016) para pensar a função do Memorial Inumeráveis ao acolher os sentidos de vida comunicados nas narrativas dos entes queridos das vítimas e, posteriormente, disseminados na revista semanal. Esse acolhimento funciona como um amparo, na perspectiva freudiana, quando conecta sentidos de humanidade. Esses sentidos de vida foram capturados a partir da análise de conteúdo das narrativas e são reveladores de memórias comunicativas sobre aspectos banais da vida ordinária que ganham estafe de notícia diante do trauma humano de desamparo que a pandemia instala.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Raquel Alvarenga Sena Venera, Universidade da Região de Joinville, Univille

Professora do Programa de Pós-graduação em Patrimônio Cultural e Sociedade e do Curso de História, ambos da Univille

 

José Isaías Venera, Universidade da Região de Joinville, Univille
Professor e pesquisador dos Cursos de Comunicação da Univille (Publicidade e Propaganda e Design)
Gustavo Henrique Cardoso Nart, Universidade da Região de Joinville, Univille

Acadêmico do Curso de História da Univille. 

Bolsista de Iniciação Científica do Grupo de Pesquisa Subjetividades e (auto)biografias desde 2017

Referências

ASSMANN, Aleida. Espaços da recordação. Formas e transformações da memória cultural. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2011

ASSMANN, Jan. Memória Comunicativa e Memória Cultural. Revista História Oral, v. 19, n. 1, p. 115-127, jan-jun, 2016.

DUARTE, Rafael. Edson Pavoni: “A função do Inumeráveis é não deixar nenhuma dessas histórias virar número”. Disponível em https://www.saibamais.jor.br/edson-pavoni-a-funcao-do-inumeraveis-e-nao-deixar-nenhuma-dessas-historias-virar-numero/ Acesso em 15/04/2020

FREUD, Sigmund. Além do princípio do prazer. In: ______. Obras psicológicas de Sigmund Freud: escritos sobre a psicologia do inconsciente. Rio de Janeiro: Imago, 2006. v. 2. p. 123-198.

______. O mal-estar na civilização. Rio de Janeiro: Imago, 1997.

GROYS, Boris. Über des Neue. Versuch einer Kulturökonomie. Munique, 1992.

LACAN, Jacques. O seminário, livro 7: a ética da psicanálise. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1997.

MEMORIAL INUMERÁVEIS. Manual para Escritores Voluntários. Disponível em https://inumeraveis.s3.amazonaws.com/escritor_inumeraveis.pdf Acesso em 16/05/2020

MINAYO, M. C. S. (Org.). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Rio de Janeiro: Vozes, 2001.

SAFATLE, Vladimir. O circuito dos afetos. Corpos políticos, desamparo e fim do indivíduo. Belo Horizonte: Autêntica, 2016.

VALLE, Eduardo. Conheça a história do memorial online que relembra vítimas da pandemia. Disponível em https://gq.globo.com/Noticias/noticia/2020/05/conheca-historia-do-memorial-online-que-relembra-vitimas-da-pandemia.html. Acesso em 16/05/2020

VENERA, José Isaías. Da cólera ao acontecimento junho de 2013: do que escapa à representação em Deleuze e Lacan. 2017. 226f. (Doutorado em Ciências da Linguagem). Universidade do Sul de Santa Catarina, Palhoça, 2017.

Publicado
2021-05-31
Métricas
  • Visualizações do Artigo 169
  • pdf downloads: 227
Como Citar
VENERA, R. A. S.; VENERA, J. I.; NART, G. H. C. Amparo e sentidos de vida nas narrativas sobre mortos por COVID-19. Revista Brasileira de Pesquisa (Auto)biográfica, v. 6, n. 17, p. 235-250, 31 maio 2021.