Tornar-se outro de si mesmo em narrativas (auto) biográficas de pessoas com Esclerose Múltipla

Raquel Alvarenga Sena Venera

Resumo


Este artigo é parte de uma pesquisa de pós-doutoramento intitulada “(Auto)biografias e subjetividades: o outro de si mesmo na Esclerose Múltipla”, que buscou analisar os processos de subjetivação nas histórias de vidas de pessoas acometidas pela Esclerose Múltipla, organizadas em acervos em rede de Histórias de Vida do Museu da Pessoa, SP. Neste artigo busco entender, a partir de uma narrativa (auto)biográfica e da mobilização do conceito de tempo, como o sujeito se reconstrói após os sintomas e o diagnóstico da doença. A partir de Koselleck (2014), destaco os fatores sincrônicos e diacrônicos do condicionamento da consciência e percebo como as narrativas apresentam as mudanças do sujeito tornando-se outro de si mesmo. Quanto aos fatores sincrônicos, as narrativas dão conta do momento dos sintomas e diagnóstico até uma digressão para a acomodação da doença na vida. Quanto aos fatores diacrônicos, as eclusas da memória são alargadas, considerando também a narrativa anterior à doença, as identificações, os valores, a religião, o gênero, as escolhas preferenciais.  Entendo que os fatores que formam a consciência, e que se mostram na narrativa, apresentam extratos múltiplos do tempo anterior à experiência com a doença, mas também dos efeitos desta, que continuam a transformar as subjetividades. 


Palavras-chave


Narrativas. (Auto)biografias. subjetividades. Esclerose Múltipla

Texto completo:

PDF

Referências


AGAMBEN, Giorgio. Infância e história. Destruição da experiência e origem da história. Tradução de Henrique Burigo. Belo Horizonte: UFMG, 2005.

BAUMAN, Zygmunt. Vida para consumo: a transformação das pessoas em mercadorias. Tradução de Carlos Alberto Medeiros. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2008.

CANGUILHEM, Georges. O normal e o patológico. Tradução de Maria Thereza Redig de Carvalho Barrocas. 6. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2009.

DELORY-MOMBERGER, Christine. A pesquisa biográfica ou a construção partilhada de um saber do singular. Revista Brasileira de Pesquisa (Auto)Biográfica, Salvador, v. 01, n. 01, p. 133-147, jan./abr. 2016. Disponível em: . Acesso em: 20 dez. 2016.

GUATTARI, Félix; ROLNIK, Sueli. Micropolítica. Cartografias do desejo. 5. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 1999.

KOSELLECK, Reinhart. Estratos do tempo. Estudos sobre História. Tradução de Markus Hediger. Rio de Janeiro: Contratempo, 2014.

LE BLANC, Guillaume. Canglilhem et les normes. Paris: Presses Universitaires de France, 2007.

MUSEU DA PESSOA. Tecnologia social da memória. São Paulo: Fundação Banco do Brasil, 2009.

SAFATLE, Vladimir. O circuito dos afetos. Corpos políticos, desamparo e o fim do indivíduo. Belo Horizonte: Autêntica, 2016.

RICOEUR, Paul. La lectura del tiempo pasado: memória y olvido. Tradução de Gabriel Aranzueque, Madrid: Arrecife, 1999.




DOI: http://dx.doi.org/10.31892/rbpab2525-426X.2017.v2.n6.p698-718

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Indexadores: 

 

 

Portal SEER

Revista Brasileira de Pesquisa (Auto)Biográfica - RBPAB - Qualis B2 Educação

 A Revista Brasileira de Pesquisa (Auto)Biográfica é publicada sob a licença Creative Commons de  Atribuição-NãoComercial CC BY-NC