Educação e as corporeidades

as resistências nas existências

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21879/faeeba2358-0194.2023.v32.n72.p351-369

Palavras-chave:

Corpo, Corporeidades, Filosofia da Diferença, Formação Docente.

Resumo

A pesquisa foca a ideia de corpo-corporeidades negras, indígenas e de diferentes orientações sexuais e suas resistências-existências na trajetória de formação acadêmica. Analisa posicionamentos políticos e religiosos com relação à política de inclusão das diversidades no ensino escolar, ao mesmo tempo busca conhecer os entendimentos de docentes em formação na graduação sobre essa temática. A análise foi realizada à luz da filosofia da diferença, que considera as existências em suas formas de sentir, pensar, existir e ser no mundo que não se modulam, tampouco se enquadram em modelos existentes e hegemônicos. Treze respostas não demonstraram compreensões sobre corporeidades; doze, afirmaram que o racismo, o preconceito, a violência são determinações da sociedade e nove reconhecem e os entendem como criações que podem ser transformadas. Os dados indicam a necessidade de investimentos na formação docente de maneira que possam expandir suas compreensões sobre essas temáticas diretamente ligadas aos direitos de existir.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vicente Aguiar, Universidade do Estado do Amazonas

Possui graduação em História pela Universidade Federal do Amazonas (1993), mestrado em Sociedade e Cultura na Amazônia pela mesma Universidade (2000), Especialização em Políticas Governamentais, Desenvolvimento Sustentável pela Universidade do Estado do Amazonas e doutorado em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Tem experiência na área de pesquisa e ensino de História. Desenvolve a partir do campo teórico fenomenológico com aproximações aos estudos da filosofia da diferença na área de Educação e Ensino de Ciências, com ênfase para as seguintes temáticas: escola e bens culturais; processos educativos em espaços escolares e não escolares com foco para as pedagogias culturais; saberes tradicionais; fundamentos epistêmicos do ensino de ciências; corporeidades negras, indígenas e das diferentes orientações sexuais.  Atualmente é professor da Universidade do Estado do Amazonas, encontra-se atuando na graduação de pedagogia e no Mestrado em Educação em Ensino de Ciências na Amazônia, no mestrado em Educação da UEA, no doutorado Rede Amazônica de Ensino de Ciências e Matemática- Reamec e no doutorado em Educação em Educação na Amazônia - EducaNorte

Kelly Almeida de Oliveira, Universidade Federal do Maranhão (UFMA)

Possui graduação em Pedagogia pela UFMA (2007), Especialização em Didática Universitária pela Faculdade Atenas Maranhense - FAMA (2008), Mestrado em Cultura e Sociedade pelo Programa de Pós-graduação Stricto Sensu em Cultura e Sociedade pela UFMA (2011) e Doutorado pelo Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e Matemática pela REAMEC/UFMT (2022). Atualmente é Professora Adjunta - Nível 2 da UFMA no Centro de Ciências de Codó; Coordenadora do Curso de Especialização em Ensino de Língua Portuguesa e Matemática no Ensino Fundamental (UFMA/Codó); Líder do Grupo de Estudos e Pesquisas sobre História e Educação de Mulheres (GEPHEM) da UFMA/Campus Codó. Associada do GT 08 - Formação de professores da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Educação (ANPED), afiliada à Associação Brasileira de Pesquisadores/as Negros/as (ABPN) e à Sociedade Brasileira de Educação Matemática (SBEM). Componente do Grupo de Estudos e Pesquisas em Saberes e Fazeres em Contextos Sociais e Educacionais (GEPEFAZE). Estuda e pesquisa as seguintes temáticas: Quebradeiras de coco babaçu; Educação Matemática e Etnomatemática; Decolonialidade, Fenomenologia e Hermenêutica; Histórias, memórias e narrativas de professoras em Codó/MA, Educação de Pessoas jovens, adultas e idosas (EJAI) e Educação Escolar Quilombola (EEQ).

Rossini Pereira Maduro, Secretaria Municipal de Educação de Manaus - SEMED/Am

Indígena do povo Borari. Possui formação em Licenciatura Plena em Pedagogia pela UFPA (2005), Mestrado em Ciências Humanas pela Universidade do Estado do Amazonas-UEA (2018) e atualmente é doutorando em Educação na Amazônia pela Rede Educanorte/Polo Manaus. Realiza pesquisas na área da educação escolar indígena e saberes tradicionais a partir de aproximações com campos teóricos da filosofia da diferença. Membro do Fórum de Educação Escolar Indígena do Estado do Amazonas-FOREEIA e do Fórum Nacional de Educação Escolar Indígena-FNEEI.  Assessor pedagógico da Gerência de Educação Escolar Indígena da Secretaria Municipal de Educação do Município de Manaus-AM.

Referências

AGASSIZ, Jean Louis Rodolph, 1807 – 1873. Viagem ao Brasil 1865 – 1866 / Luís Agassiz e Elizabeth Cary Agassiz. Brasília: Senado Federal, Conselho Editorial, 2000.

AGUIAR, José Vicente de Souza. Narrativas sobre povos indígenas na Amazônia. Manaus: Edua, 2012.

AGUIAR, J. V. S. OLIVEIRA, K. A. NASCIMENTO, I. O pensamento étnico-racial: o saber científico, as normas legais e a educação. Práxis Educativa, Ponta Grossa, v. 17, e2219318, p. 1-22, 2022 Disponível em: https://revistas.uepg.br/index.php/praxiseducativa/article/view/19318. Acesso em 13 de abr. 2022.

BALLOUSSIE, Anna Virginia. Pastor que 'reservou' inferno para LGBTQIA+ tem apoio de colegas no Brasil. Jornal Estado de Minas: Diversidade.

CENARIUM Amazônia, maio de 2021. Disponível em: https://revistacenarium.com.br/bancada-evangelica-revoga-resolucao-que-incluia-educacao-para-diversidade-sexual-em-escolas-de-manaus/. Acesso em 03 de fev. de 2023.

BRASIL. Constituição Federal. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal: Centro Gráfico, 1988.

BRASIL. Lei n. 9.394, de 20 de novembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília: MEC, 1996.

BRASIL. Lei n.º 11.645, de 11 de março de 2008. “Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da rede de ensino a obrigatoriedade da temática “História e Cultura Afro-Brasileira e Indígena”. Diário Oficial da União: Brasília, DF, Seção 1, p. 1, 11 mar. 2008. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2008/lei/l11645.htm. Acesso em 03 de fev. de 2023.

(CARTACAPITAL, nov. 2019). Disponível em: https://www.cartacapital.com.br/politica/escravidao-aqui-no-brasil-foi-porque-o-indio-nao-gosta-de-trabalhar. Acesso em 26 de mai. 2023.

CHAVES JR, José Inaldo. Os povos indígenas e a questão do trabalho no Brasil colonial (Artigo). In: Café História – história feita com cliques. Disponível em: https://www.cafehistoria.com.br/povos-indigenas-trabalho-brasil-colonial/. Acesso em 18 nov. 2019.

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO. RESOLUÇÃO Nº 054/CME/2021. Aprovada em 25/02/2021 Disponível em: https://cme.manaus.am.gov.br/wp-content/uploads/2021/03/RESOLUCAO_054_CME_2021.pdf. Acesso em 27 de mar. de 2023.

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO. RESOLUÇÃO Nº 091/CME/2020 APROVADA EM 29/12/2020. Disponível em: https://cme.manaus.am.gov.br/wp-content/uploads/2021/01/RESOLUCAO_091_CME_2020.pdf. Acesso em 27 de mar. de 2023.

CUNHA, Andreia Ribeiro. Corpos Indóceis: reflexões acerca da Corporeidade Negra na cidade do Rio de Janeiro. Revista Continentes (UFRRJ), ano 11, n. 21, 2022, p.230-250.

D'AGOSTINO, Rosanne. Supremo forma maioria para derrubar lei estadual que proíbe linguagem neutra em escolas. Disponível em: https://g1.globo.com/politica/noticia/2023/02/09/supremo-forma-maioria-para-derrubar-lei-estadual-que-proibe-linguagem-neutra-nas-escolas.ghtml. Acesso em fev. 2023

DELEUZE, Gilles, 1925-1995. Bergsonismo / Gilles Deleuze; tradução de Luiz B. L. Orlandi. - São Paulo: Ed. 34, 2012

IDA, Jacques. De que amanhã: diálogo/ Jacques Derrida; Elisabeth Roudinesco. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2004.

FREITAS PINTO, Renan. Viagem das ideias. – Manaus: Editora Valer / Prefeitura de Manaus. 2006

SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL. Julgadas inconstitucionais leis sobre Escola Livre e proibição de ensino de sexualidade. 2020. Disponível em: https://portal.stf.jus.br/noticias/verNoticiaDetalhe.asp?idConteudo=450392&ori=#:~:text=O%20Plen%C3%A1rio%20do%20Supremo%20Tribunal,e%20sexualidade%20na%20rede%20p%C3%BAblica. Acesso em 24 de mar. 2023.

LAPOUJADE, David. Potências do Tempo. Tradução de Hortência Santos Lencastre. – 2. Ed. São Paulo: n – 1 edições, 2017. (a)

___________. As existências Mínimas. Tradução de Hortência Santos Lencastre. – 2017. (b)

MAUSS, Marcel [1872-1950]. Sociologia e antropologia. Título original: Sociologie et anthropologie. Introdução: Claude Lévi-Strauss. Tradução: Paulo Neves. São Paulo: Cosac Naify, 2003.

MEDEIROS, Cley. Juiz derruba resolução que anulava ensino para a diversidade em Manaus. Disponível em: https://www.acritica.com/manaus/juiz-derruba-resoluc-o-que-anulava-ensino-para-diversidade-em-manaus-1.21007. Acesso em 13 de abr. 2021

NÉRI, Frederico José de Santana, Barão de Santana Néri, 1848 ou 9 – 1901 ou 2. País das Amazonas – 1884. Tradução Ana Mazur Spira. Belo Horizonte: Ed. Itatiaia; São Paulo: Ed. da Universidade de São Paulo, 1979.

POLATO, Amanda, (g1) (29/01/2023). Garoto de 14 anos fala sobre apoio da família e mudança de vida após se assumir transgênero: ‘sou muito orgulhoso’. Disponível em: https://g1.globo.com/pop-arte/diversidade/noticia/2023/01/29/garoto-de-14-anos-fala-sobre-apoio-da-familia-e-mudanca-de-vida-apos-se-assumir-transgenero-sou-muito-orgulhoso.ghtml. Acesso em 03 de fev. de 2023.

RAGO, Margareth. Rir das origens. In: Silveira, Rosa Maria Hessel (Org.) Cultura, poder e educação: um debate sobre estudos culturais em educação. Canoas: Ed. ULBRA, 2004.

SILVA, J. R. S. Homossexualidade, medicina e educação. São Leopoldo, RS: Oikos, 2022.

VARNHAGEN, Francisco Adolfo de 1854 [1959]. História geral do Brasil antes de sua separação e independência de Portugal. São Paulo: Melhoramentos, segunda edição, tomo primeiro.

VASCONCELOS. Caê. Pelo 14º ano, Brasil é país que mais mata pessoas trans; foram 131 em 2022. Disponível em: https://noticias.uol.com.br/cotidiano/ultimas-noticias/2023/01/26/mortes-pessoas-trans-brasil-2022.htm. Acesso em 03 de fev. 2023

VIEIRA, Antônio 1657 [1957]. “Sermão do Espírito Santo”, in Sermões. São Paulo: Editora das Américas, vol. 5, p. 205-55.

VIVEIROS DE CASTRO, E. A inconstância da alma selvagem e outros ensaios de antropologia. 5 ed. São Paulo: Cosac Naify, 2013.

WORMS, Frédéric. Bergson ou os dois sentidos da vida. Predobon, - São Paulo: Editora Unifesp, 2010.

Arquivos adicionais

Publicado

2023-11-17

Como Citar

AGUIAR, V.; ALMEIDA DE OLIVEIRA, K.; PEREIRA MADURO, R. Educação e as corporeidades: as resistências nas existências. Revista da FAEEBA - Educação e Contemporaneidade, [S. l.], v. 32, n. 72, p. 351–369, 2023. DOI: 10.21879/faeeba2358-0194.2023.v32.n72.p351-369. Disponível em: https://www.revistas.uneb.br/index.php/faeeba/article/view/17621. Acesso em: 21 fev. 2024.

Edição

Seção

Dossiê Temático 72