Escolarização de Mulheres Trans e Travestis

violências e efeitos de vínculos de amizade

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21879/faeeba2358-0194.2023.v32.n72.p50-69

Palavras-chave:

Travestis e mulheres trans, Trajetória escolar, Vínculos de amizade

Resumo

As disputas em torno de quem pode estabelecer sobre o gênero uma verdade estão presentes nos variados espaços sociais, e a escola é um deles. Para travestis e mulheres trans, ela é um ambiente de difícil permanência, com muitos e variados episódios de violência por parte de colegas e pela condescendência de docentes e gestores(as). Entretanto, é lá também que muitas conhecem pares e começam a compreender sobre si, a partir, sobretudo, dos vínculos de amizade construídos. Neste artigo, baseado nas experiências de seis travestis e mulheres trans, discutimos as violências enfrentadas, a influência do apoio de profissionais da escola e, principalmente, os efeitos dos vínculos desenvolvidos na escola na escolarização desse grupo. Esses vínculos fornecem reconhecimento e proteção, com efeitos no presente e no futuro escolar. Não garantem trajetórias lineares e eliminam violências, mas as amenizam, diminuem a solidão e ampliam as estratégias de enfrentamento, tornando a escola menos hostil.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Helena Altmann, Universidade Estadual de Campinas

É professora associada (livre docente) da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Possui graduação em Educação Física pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1995), mestrado em Educação pela Universidade Federal de Minas Gerais (1998) e doutorado em Educação pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (2005). Na Unicamp, é professora na Faculdade de Educação Física e no Programa de Pós-graduação em Educação. Foi coordenadora do Serviço de Apoio ao Estudante (SAE) (2017-2021) e coordenadora do GTT Gênero do Colégio Brasileiro de Ciências do Esporte (2015-2017). Tutora do Programa de Educação Tutorial (PET) - Educação Física. Tem experiência na área de educação, educação física e esporte, com ênfase em gênero e sexualidade. Integra o Grupo de Pesquisa Corpo e Educação, vinculado à Faculdade de Educação Física, e o Grupo de Pesquisa Focus, da Faculdade de Educação

Referências

ACOSTA, Tássio. Evasão ou expulsão escolar de gays efeminados e travestis das instituições de ensino e as vidas que não podem ser vividas. Bagoas, Natal, v. 13, n. 20, p. 66-93, jan./jun, 2019. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/bagoas/article/view/16898. Acesso em: 30 out. 2019.

ACOSTA, Tássio. Morrer para nascer travesti: performatividades, escolaridades e a pedagogia da intolerância. 2016. Dissertação (Mestrado em Educação). Centro de Ciências Humanas e Biológicas, Universidade Federal de São Carlos, Sorocaba, 2016.

AFROREGGAE. InfoReggae: Projeto Além do Arco-íris, Rio de Janeiro, n. 01, jun. 2013a, p.1-5. Disponível em: http://www.afroreggae.org/wp-content/uploads/2014/06/InfoReggae01-Al%C3%A9m-Arco-%C3%8Dris.pdf. Acesso em: 21 jul. 2021.

AFROREGGAE. InfoReggae: Projeto Além do Arco-íris, Rio de Janeiro, n. 104, 2015, p.1-5. Disponível em: http://www.afroreggae.org/wp-content/uploads/2015/12/inforeggae-104.pdf. Acesso em: 21 jul. 2021.

ALEXANDRE, Bruno. Memórias escolares de travestis: narrativas de um “não lugar”. Curitiba: Appris, 2020.

ANDRADE, Luma de. Travestis na escola: assujeitamento e resistência à ordem normativa. Metanoia: Rio de Janeiro, 2015.

ANTRA. ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE TRAVESTIS E TRANSEXUAIS. Dossiê: assassinatos e violência contra travestis e transexuais no Brasil em 2021. Brasília: Distrito Drag, 2022. Disponível em: https://antrabrasil.files.wordpress.com/2022/01/dossieantra2022-web.pdf. Acesso em 11 de abr. de 2022.

ANTRA. ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE TRAVESTIS E TRANSEXUAIS. Mapa dos assassinatos de travestis e transexuais no Brasil em 2017. Brasil: ANTRA, 2018. Disponível em: https://antrabrasil.files.wordpress.com/2018/02/relatc3b3rio-mapa-dosassassinatos-2017-antra.pdf. Acesso em 16 de jan. de 2018.

BARROS, Daniela. A experiência travesti na escola: entre nós e estratégias de resistências. 2014. Dissertação (Mestrado em Psicologia). Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2014.

BENEDETTI, Marcos. Toda Feita: o corpo e o gênero das travestis. Rio de Janeiro: Garamond, 2005.

BENTO, Berenice. Na escola se aprende que a diferença faz a diferença. Rev. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 19, n. 2, p. 549-559, mai/ago, 2011. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ref /a/DMNhmpzNbKWgH8zbgQhLQks/?format=pdf&lang=pt . Acesso em: 12 abr. 2019.

BRITZMAN, Deborah. O que é esta coisa chamada amor: identidade homossexual, educação e currículo. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 21, n. 1, jan./ jun. 1996, p. 71-96. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/index.php/educacaoerealidade/article/view/71644/40637. Acesso em: 02 out. 2017.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010.

BUTLER, Judith. Corpos que pesam: sobre os limites discursos do sexo. LOURO, G. (Org.). O corpo educado. 4 ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2019, p. 191-219.

CRUZ, Elizabete. Banheiros, travestis, relações de gênero e diferenças no cotidiano da escola. Rev. psicol. polít., São Paulo, v. 11, n. 21, p. 73-90, jun. 2011. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1519- 549X2011000100007&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 02 mai. 2020.

FERRARI, Anderson. “Monalisa” e homossexualidades: jogos discursivos e de poder na construção das identidades no contexto escolar. In COSTA, H. [et al.] (Org.). Retratos do Brasil homossexual: fronteiras, subjetividades e desejos. São Paulo: EdUSP/ Imp. oficial, 2010.

FOUCAULT, Michel. A história da sexualidade 1: a vontade de saber. 5 ed. Rio de Janeiro: Paz e terra, 2017.

JUNQUEIRA, Rogério. Homofobia nas Escolas: um problema de todos. In JUNQUEIRA, R. (Org.). Diversidade Sexual na Educação: problematizações sobre a homofobia nas escolas. Brasília: MEC/SECADI/UNESCO, 2009, p. 13-51.

LIMA, Mª Lúcia. O uso do nome social como estratégia de inclusão escolar de transexuais e travestis. 2013. Tese (Doutorado em Psicologia Social). Faculdade de Psicologia, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP). São Paulo, 2013.

PAUGAM, Serge. O homem socialmente desqualificado. In BÓGUS, L.; YAZBEK, Mª C.; BELFIORE-WANDERLEY, M. (Orgs.). Desigualdade e a questão social. 4. ed. São Paulo: EDUC, 2019, p. 313-347.

PEDRA, Caio. Cidadania Trans: o acesso à cidadania por travestis e transexuais no Brasil. Curitiba: Appris, 2020.

PEREIRA, Marlyson. Mulheres trans universitárias: a emergência de políticas públicas para a inserção e permanência de travestis e transexuais no universo acadêmico. 2020. Tese (Doutorado em Ciências Sociais). Faculdade de Filosofia e Ciências, Universidade Estadual Paulista (Unesp), Marília, 2020.

PEREIRA, Marlyson; PELÚCIO, Larissa. Táticas de autoproteção ou trapaças na ordem normativa: narrativas de mulheres trans sobre a educação básica e suas famílias. Sul-Sul, Barreiras, v. 2, n. 3, p. 91–109, fev. 2022. Disponível em: https://doi.org/10.53282/sulsul.v2i03.912. Acesso em: 02 abr. 2022.

PERES, William. Cenas de exclusões anunciadas: travestis, transexuais, transgêneros e a escola brasileira. In JUNQUEIRA, R. Diversidade sexual na educação: problematizações sobre a homofobia nas escolas. Brasília: MEC/SECADI/UNESCO, 2009. p. 235-264.

RECIIS. Assujeitamentos e disrupção de um corpo que permanece e resiste: possibilidades de existência de uma travesti no ambiente escolar. RECIIS, Rio de Janeiro, v. 13, n. 2, 2019, abr./jun. 2019, p. 330-9. Disponível em: https://www.reciis.icict.fiocruz.br/index.php/reciis/article/view/1822. Acesso em: 22 abr. 2020.

SALES, Adriana. Travestilidades e escola nas narrativas de alunas travestis. 2012. Dissertação (Mestrado em Educação), Instituto de Ciências Humanas e Sociais, Universidade Federal de Mato Grosso, Rondonópolis, 2012.

SALES, Adriana. Travestis brasileiras e escolas (da vida): cartografias do movimento social organizado aos gêneros nômades. 2018. Tese (Doutorado em Psicologia). Faculdade de Ciências e Letras, Universidade Estadual Paulista (UNESP), Assis, 2018.

SANTOS, Dayana dos. Cartografias da transexualidade: a experiência escolar e outras tramas. 2010. Dissertação (Mestrado em Educação). Faculdade de Educação, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2010.

SILVA, Jerry. Educação de Jovens e Adultos, diversidade sexual, LGBTs e processos de socialização. Anais do Seminário Nacional. Campinas, 2015. Disponível: http://sistemas3.sead.ufscar.br/snfee/index.php/snfee/article/viewFile/193 /74. Acesso: 30 jun. 2017.

SOUZA, Heloísa de; BERNARDO, Márcia. Transexualidade: as consequências do preconceito escolar para a vida profissional. Bagoas, Natal, v. 8, n. 11, p. 157-175, 2014. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/bagoas/article/view/6548. Acesso em: 10 dez. 2021.

SOUZA, Martha de et al. Violência e sofrimento social no itinerário de travestis de Santa Maria, Rio Grande do Sul, Brasil. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 31, n. 4, p. 767-776, abr. 2015. Disponível em: https://www.scielo.br/j/csp/a/vZHsPktsBHYt cLMKQMg44tQ/format=pdf&lang=pt. Acesso em: 22 mar. 2022.

VARTABEDIAN, Julieta. Travestis brasileiras trabalhadoras do sexo algumas notas além da heteronormatividade. Bagoas, Natal, v. 11, n. 17, 2018. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/bagoas/article/view/13521. Acesso em: 20 jan. 2022.

Arquivos adicionais

Publicado

2023-11-17

Como Citar

AZEVEDO CARVALHO, M.; ALTMANN, H. Escolarização de Mulheres Trans e Travestis: violências e efeitos de vínculos de amizade. Revista da FAEEBA - Educação e Contemporaneidade, [S. l.], v. 32, n. 72, p. 50–69, 2023. DOI: 10.21879/faeeba2358-0194.2023.v32.n72.p50-69. Disponível em: https://www.revistas.uneb.br/index.php/faeeba/article/view/17601. Acesso em: 21 fev. 2024.

Edição

Seção

Dossiê Temático 72