Narrar e Descolonizar

memórias de mestras de capoeira e percursos educacionais formativos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21879/faeeba2358-0194.2023.v32.n72.p170-188

Palavras-chave:

Educação. Mulheres. Capoeira. Inclusão. Colonialidade.

Resumo

Este artigo é um recorte da pesquisa de doutorado em andamento “Educação com as mãos no chão: um princípio formativo a partir das memórias de mulheres mestras de capoeira no Estado de São Paulo”. Busca-se o reconhecimento e a visibilidade de memórias subalternizadas historicamente de mulheres na capoeira. Problematiza a ausência, o silêncio e/ou apagamento de memórias femininas no imaginário coletivo, discursivo e documental da capoeira. Vale-se de perspectivas educacionais inclusivas, feministas e decoloniais mobilizadas por narrativas de formação (auto)biográficas, produzidas em entrevistasconversas, Conclui que a capoeira é fortemente atravessada pelos efeitos da colonialidade de gênero, embora potencialmente, por sua ancestralidade afrobrasileira de luta e resistência aos processos de violação ontológica e de direitos humanos (ainda) preserva condições e possibilidades de se (re)inventar de modo a ensejar processos educativos/ formativos inclusivos e descolonizadores.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mayris de Paula Silva, Unicamp, Programa de Pós-graduação em Educação /PPGE, Doutoranda.

Mayris de Paula Silva - Pedagoga, licenciada pela Universidade Federal de São Carlos campus-
Sorocaba. Mestra em Educação pelo PPGEd/ UFSCar- e Doutoranda em Educação pelo
Programa de Pós- Graduação da Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas
(PPGE/ FE- UNICAMP). A pesquisa em andamento tem como referências as teorias e estudos
sobre feminismos, gênero, interseccionalidades, colonialidade de gênero, memórias, narrativas,
inclusão, estudos culturais, pós-coloniais e decoloniais. Como campo de pesquisa, tem se o foco
em Educação e (re)existências em práticas culturais afro- diaspóricas como a capoeira.
https://orcid.org/0009-0003-9259-8205

 

Norma Silvia Trindade de Lima, Unicamp, Faculdade de Educação, Docente.

Professora da Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas -
FE/UNICAMP; Departamento de Ensino e Práticas Culturais - DEPRAC, Linha de
pesquisa (8): Linguagem e Arte em Educação, Grupo de pesquisa Educação, Linguagem
e Práticas Culturais - PHALA/campo de pesquisa: Educação e (re)existências em
práticas culturais afro-diaspóricas. Integrante e graduada (professora) em capoeira pelo
Instituto Brasileiro de Esporte, Cultura e Arte, IBECA (2018). Principais temáticas de
estudos/publicação: educação, inclusão, diferença, capoeira, práticas culturais afro-
diaspóricas, (de)colonialidade. Psicóloga pela Universidade Santa Úrsula (1985),
Psicodramatista-Didata pelo Instituto de Psicodrama e Psicoterapia de Grupo de
Campinas (1997), Mestre em Educação pela Universidade Estadual de Campinas
(1998), Doutora em Educação pela Universidade Estadual de Campinas (2003) e Pós-
doutora pela UFRJ/PPGBIOS, linha de pesquisa Filosofia Popular Brasileira,
Laboratório Encruzilhadas Filosóficas (2023).

 

 

 

https://orcid.org/0000-0001-6728-4675
Endereço CV: https://lattes.cnpq.br/4999266005000077

Referências

ARAÚJO, Rosângela Costa. Ginga uma epistemologia feminista. In Seminário Internacional Fazendo Gênero 11& 13 Women’s Words Congress, Florianópolis, (Anais Eletrônicos) Florianópolis v. 11. n.13, n. p. 2017. Disponível em: http://www.wwc2017.eventos.dype.com.br/resources/anais/1499469814_ARQUIVO_Gingaepistemologiafeminista. Acesso em 31. mar. 2023.

BOSI, Ecléa. Memória e Sociedade: Lembranças dos velhos. 17ª. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2012. 484 p.

BRAGANÇA, Inês Ferreira de Souza. Pesquisaformação narrativa (auto)biográfica: trajetórias e tessituras teórico-metodológicas. In: ABRAHÃO, Maria Helena Menna Barreto et al. Pesquisa (auto)biográfica: diálogos epidêmico-metodológicos. Curitiba: CRV, 2018, v.1, p. 65-81.

GONÇALVES, Maria Alice Rezende; PEREIRA, Vinicius de Oliveira. Educação e patrimônio: notas sobre o diálogo entre a escola e a capoeira. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros. São Paulo, n.62, Dez. 2015. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rieb/a/K3yKrQpj8GCpKmVsKZ7X6my/?lang=pt. Acesso em 31.mar.2023.

INSTITUTO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO ARTÍSTICO NACIONAL (IPHAN). Disponível em: http://portal.iphan.gov.br/pagina/detalhes/66. 2008. Acesso em: 20 jan. 2020.

INSTITUTO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO E ARTÍSTICO NACIONAL (IPHAN). Dossiê - Inventário para Registro e Salvaguarda da Capoeira como Patrimônio Cultural do Brasil. Wallace de Deus Barbosa (Coord.). Brasília: 2007. Disponível em: <http://portal.iphan.gov.br/uploads/ckfinder/arquivos/Dossi%C3%AA_capoeira.pdf> Acesso em 15 set. 2021.

LIMA, Norma Silvia Trindade de. Capoeira em diáspora: capturas, insurgência e (re) existências por uma educação decolonial e inclusiva. Perspectiva: REVISTA DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO. Florianópolis, v. 39, n. 4, p. 1-17, out./ dez. 2021a. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/perspectiva/article/view/67913. Acesso em 5 de mai. 2023.

______. Capoeira: interfaces na educação e cultura. In SPIGOLON, Nima I. et al. Tambores, Urucuns e Enxadas: práticas e saberes contribuindo para a formação humana. Ituiutaba: Barlavento, 2019, p. 248- 261.

______. Inclusão escolar e pertencimento, cruzos a partir da experiência: capoeira e decolonialidade. In MANTOAN, Maria Teresa Egler e LANUTI, José Eduardo de Oliveira Evangelista (Orgs.). Todos pela inclusão – dos fundamentos às práticas. Curitiba: CRV, 2021b. p.121-130.

LUGONES, María. Colonialidad y Género. Tabula Rasa. Bogotá- Colombia, No 9: p. 73- 101, jul./ dic. 2008.

______. Rumo a um feminismo descolonial. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 22 n. (3), p.935- 952. set/ - dez. 2014.

MALDONADO- TORRES, Nelson. Analítica da colonialidade e da decolonialidade: algumas dimensões básicas. In BERNARDINO-COSTA, Joaze; MALDONADO- TORRES, Nelson; GROSFOGUEL, Ramón (orgs.). Decolonialidade e pensamento afrodiaspórico. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2019. p. 27-54.

MIGNOLO, Walter D. Colonialidade. O lado mais escuro da modernidade. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v.32, n. 94, p. 1- 18. jun/2017.

MIÑOSO, Yuderkys Espinosa. Fazendo uma genealogia da experiência: o método rumo a uma crítica da colonialidade da razão feminista a partir da experiência história na América Latina. In: HOLLANDA, Heloísa Buarque de; autoras VAREJÃO, Adriana (orgs.). Pensamento Feminista hoje: perspectivas decoloniais - 1. ed. – Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, 2020. n.p.

OYÈWÚMÍ, Oyèrónké. A invenção das mulheres: construindo um sentido africano para os discursos ocidentais de gênero. 1a. Ed. tradução Wanderson Flor do Nascimento. Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, 2021. 324 p.

QUIJANO, Aníbal. A Colonialidade do Saber: eurocentrismo e ciências sociais. In Edgardo Lander (org.). Perspectivas latino- americanas. CLACSO- Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales, Ciudad AutÛnoma de Buenos Aires, Argentina: ColecciÛn Sur Sur, CLACSO, p.117-142. set. 2005.

SCOTT, Joan. “Gênero: uma categoria útil para análise histórica”. Educação e realidade. Porto Alegre: vol. 20, no 2, p. 1-35, 1995.

Arquivos adicionais

Publicado

2023-11-17

Como Citar

DE PAULA SILVA , M. .; TRINDADE DE LIMA, N. S. Narrar e Descolonizar: memórias de mestras de capoeira e percursos educacionais formativos. Revista da FAEEBA - Educação e Contemporaneidade, [S. l.], v. 32, n. 72, p. 170–188, 2023. DOI: 10.21879/faeeba2358-0194.2023.v32.n72.p170-188. Disponível em: https://www.revistas.uneb.br/index.php/faeeba/article/view/17595. Acesso em: 21 fev. 2024.

Edição

Seção

Dossiê Temático 72