Etno(queer)hipergrafia

autorias trans no Instagram

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21879/faeeba2358-0194.2023.v32.n72.p235-249

Palavras-chave:

Cibercultura, LGBTQIA , Trans/Travestis, Autoria, Estudos Queer

Resumo

O presente artigo tem como objetivo compreender como as autorias de pesquisadoras trans/travestis foram forjadas no Instagram, a partir de uma etno(queer)hipergrafia online, noção derivada da dissertação de mestrado de um dos autores. O respectivo estudo, com suporte no referencial teórico dos Estudos Queer e abordagem a partir da cibercultura e da pesquisa-formação, dialoga com as questões sobre autoria e hiperescrita de si, analisando o “ser e estar” na rede. A experiência da etno(queer)hipergrafia permitiu a análise sobre uma múltipla linguagem proporcionada pela convergência das mídias no Instagram. Partimos do diálogo com as pesquisadoras trans, que habitam e não habitam o espaço acadêmico, visando a desbravar um vasto corpo de produções científicas que operam em rede e com autoria. Portanto, ao compreender a importância das autorias trans para o campo intelectual, avançamos para questões que adentram o campo da docência universitária, do fazer político e da efetivação da epistemologia trans como campo de produção do saber.

Palavras-chave: Cibercultura, LGBTQIA+, Trans/Travestis, Autoria, Estudos Queer

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ANGROSINO, Michael. Etnografia e observação participante. Porto Alegre: Artmed, 2009.

ANTRA. Relatório completo de assassinatos de travestis e transexuais da Antra, 2019 a 2023. Disponível em https://antrabrasil.org/assassinatos/

ARDOINO, Jacques. Abordagem multirreferencial (plural) das situações educativas e formativas. In: BARBOSA, Joaquim (org.). Multirreferencialidade nas ciências e na educação. São Carlos: EdUFSCar, 1998. p. 24-41.

BAKHTIN, Mikhail. Para uma filosofia do ato responsável. Tradução: Valdemir Miotello e Carlos Alberto Faraco. 2. ed. São Carlos: Pedro & João Editores, 2012. 160 p.

BENTO, Berenice. Política da diferença: feminismos e transexualidades. In: COLLING, L. (ed.). Stonewall 40 + o que no Brasil? Salvador: EDUFBA, 2011. p. 79-110.

BUTLER. Judith. Bodies that matter: On the Discursive Limits of “Sex”. New York: Routledge, 1993.

______, Corpos que importam: os limites discursivos do “sexo”. São Paulo: N. 1 Edições, 2019.

______. Conferência magna. In: SEMINÁRIO QUEER: CULTURA E SUBVERSÕES DA IDENTIDADE, 1., 2015. Anais [...]. Vila Mariana: Sesc Vila Mariana, 2015. Disponível em: https://youtu.be/TyIAeedhKgc. Acesso em: 10 mar. 2022.

______. Problemas de gênero: Feminismo e subversão de identidade. Tradução: Renato Aguiar. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010.

______. Relatar a si mesmo: Crítica da violência ética. Tradução: Regina Bettoni. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2015.

CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano 1: artes de fazer. 22. ed. Tradução: Ephraim Ferreira Alves. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014.

______. A invenção do cotidiano 1: artes de fazer. Petrópolis, RJ: Vozes, 1994.

COLACIQUE, Rachel. Visualidades surdas na cibercultura: aprendizagens em rede. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2018. 245 p.

COLLING, Leandro. O que temem os fundamentalistas. Revisa CultUOL, Editora Bregantini, SP, 2017.

DEMÉTRIOS, Fran. Pré-colóquio do LABTrans/UFRB/CNPq com o tema Interepistemologias: Teoria Queer of Colors e Direitos Humanos Epistêmicos. UFRB, 2019.

FAVERO, Sofia. Por uma ética pajubariana: a potência epistemológica das travestis intelectuais. Equatorial, Natal, v. 7, p. 1-22, jan/jun 2020.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade I: a vontade de saber. Tradução: Maria Thereza da Costa Albuquerque. 13. ed. Rio de Janeiro: Graal, 1988.

GPDOC/UFRRJ. Grupo Docência e Cibercultura.

HINE, C. Virtual ethnography. London: SAGE Publications, 1998.

______. Virtual methods: issues in social research on the internet. New York: Berg Publishers, 2005.

JESUS, J. G. de. As guerras de pensamento não ocorrerão nas universidades. In: COLLING, L. Dissidências sexuais e de gênero. Salvador: EDUFBA, 2016. p. 217-232.

JOSSO, Marie-Christiane. Experiências de vida e formação. São Paulo: Cortez, 2004.

KOZINETS, Robert V. Netnografia 2.0. In: BELK, Russell W. (ed.). Handbook of Qualitative Research Methods in Marketing. Cheltenham, ONU e Northampton, MA: Edward Elgar Publishing, 2006. p. 129-142.

______. On netnography: initial reflections on consumer research investigations of cyberculture. Advances in Consumer Research, New York, v. 25, p. 366-371, 2002.

LEMOS, André; LÉVY, Pierre. O futuro da internet: em direção a uma ciberdemocracia. São Paulo: Paulus, 2010.

MACEDO, Roberto Sidnei. A pesquisa e o acontecimento: compreender situações, experiências e saberes acontecimentais. Salvador: EDUFBA, 2016.

MADDALENA, Tania Lucia. A hiperescrita de si: memória, experiência e invenção digital na formação de professores. Revista Teias, [S.l.], v. 21, n. 60, p. 203-217, fev. 2020.

MORIN, Edgar. Os sete saberes necessários à educação do futuro. 6. ed. São Paulo: Cortez, 2002. p. 93-104.

NÓVOA, A. Carta a um jovem investigador em educação. Conferência de abertura do XII CONGRESSO DA SOCIEDADE PORTUGUESA DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO. Vila Real, Portugal, 2015.

OLIVEIRA, T. R. M.; SANTOS, C. Novos mapas de (trans)sexualidade e gênero: políticas trans e práticas pedagógicas. Revista Cronos, Natal, v. 11, n. 2, p. 97-117, 2010.

PROGRAMA DE TRAVESTI - Queer, Quare, Cuir, o tema da subversão: que povo é esse? Sara Wagner York, Eder van Pelt, Lea Cerezo e Abhiyana. Canal 247, exibido no Youtube em 16. Set. 2022. Disponível em: https://youtu.be/Fzw6iKQBH7o.

QUINALHA, Renan. Movimento LGBTI+: Uma breve história do século XIX aos nossos dias. Coleção Ensaios. Belo Horizonte: Autêntica, 2022.

RANNIERY, Thiago. No meio do mundo, aquendar a metodologia: notas para queerizar a pesquisa em currículo. Práxis Educativa, Ponta Grossa, v. 11, n. 2, p. 332-356, maio/ago. 2016. Disponível em: http://www.revistas2.uepg.br/index.php/praxiseducativa. Acesso em 04 dez. 2022.

SANTAELLA, Lúcia. Comunicação ubíqua: repercussões na cultura e na educação. São Paulo: Paulus, 2013.

______. Humanos hiper-híbridos: linguagens e cultura na segunda era da internet. São Paulo: Paulus, 2021.

SANTOS, Edméa. Pesquisa-formação na cibercultura. 1ª Edição. Teresina: EDUFPI, 2014.

______. Pesquisa-formação na cibercultura. 2ª reimpressão. Teresina: EDUFPI, 2019.

SANTOS, Edméa; FERNANDES, Teresinha; YORK, Sara Wagner. Ciberfeminismo em tempos de pandemia covid-19: lives (trans)feministas. Notícias, Revista Docência e Cibercultura, [on-line], ago. 2020. ISSN: 2594-9004.

SANTOS, Rosemary; SANTOS, Edméa O. Cibercultura: redes educativas e práticas cotidianas. Revista Eletrônica Pesquiseduca, Santos, SP, v. 4, n. 7, p. 159-183, jan./jul. 2012.

SILVA JUNIOR, Jonas Alves da; SILVA, T. D. da; HILARIO, R. A.; RIBEIRO, I. V. (orgs.). Educação, raça, gênero e sexualidades: perspectivas plurais. 1. Ed. Curitiba: CRV, 2021. V. 1.

VELOSO, Maristela Midlej Silva de Araújo. O professor e a autoria no contexto da cibercultura: redes de circulação no cotidiano da escola. Tese (doutorado) – Faculdade de Educação da Universidade Federal da Bahia. Departamento de Educação. Área de concentração: Educação. Salvador, 2014, 280p.

VERGUEIRO, Viviane. Por inflexões decoloniais de corpos e identidades de gênero inconformes: uma análise autoetnográfica da cisgeneridade como normatividade. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal da Bahia, Instituto de Humanidades, Artes e Ciências Professor Milton Santos, Salvador, 2015.

YORK, Sara Wagner/GONÇALVES JR., Sara Wagner Pimenta; OLIVEIRA, Megg Rayara Gomes; BENEVIDES, Bruna. Manifestações textuais (insubmissas) travesti. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 28, n. 3, e75614, 2020.

YORK, Sara Wagner. Tia, você é homem? Trans da/na educação: Des(a)fiando e ocupando os “cistemas” de Pós-Graduação. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2020. Disponível em: https://www.nuqueer.org/ bibliotecadigital. Acesso em: 12 mar. 2022.

Arquivos adicionais

Publicado

2023-11-17

Como Citar

DOS SANTOS CORADINI, F.; OLIVEIRA DOS SANTOS, E. Etno(queer)hipergrafia: autorias trans no Instagram. Revista da FAEEBA - Educação e Contemporaneidade, [S. l.], v. 32, n. 72, p. 235–249, 2023. DOI: 10.21879/faeeba2358-0194.2023.v32.n72.p235-249. Disponível em: https://www.revistas.uneb.br/index.php/faeeba/article/view/17448. Acesso em: 21 fev. 2024.

Edição

Seção

Dossiê Temático 72