Gênero correspondência

Recados da natureza na comunicação com seres não escutados

Resumo

Neste artigo, discutimos sobre o gênero correspondência da natureza, de acordo com a concepção cosmopolítica de abordagem à linguagem, para a qual todos os seres da natureza são capazes de interagir comunicativamente. Nessa concepção, desconsiderar a comunicação entre os seres da natureza desequilibra o cosmo e causa adoecimentos. As interações não são exclusivamente humanas, são também não humanas, e o gênero correspondência da natureza estabelece a interação entre todos os seres da natureza. Nesta discussão, abordamos o recado ou aviso que as aves, em interação, transmitem aos seres humanos. Essas mensagens podem ser tristes ou alegres, mas tratamos somente das tristes, que fazem com que as aves mensageiras sejam julgadas ‘de mau agouro’. O subsídio empírico é uma situação comunicativa de sala de aula na instituição dos autores, ocorrida em 2016. A base teórica adotada são os pressupostos sobre gênero discursivo de Bakhtin (2016), sob uma interpretação cosmolinguística. Nessa interpretação, os recados das matas, transmitidos pelas aves mensageiras, formam o gênero correspondência da natureza e ampliam a noção bakhtiniana de gêneros do discurso oral, além de propor uma nomenclatura para esses gêneros, uma dificuldade apontada pela teoria dos gêneros discursivos. Com esta discussão, pretendemos contribuir com os estudos sobre cosmopolítica e sobre os gêneros discursivos.

Palavras-chave: Comunicação cosmopolítica; Cosmolinguística; Gêneros discursivos; Correspondências da natureza.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Tânia Ferreira Rezende, Universidade Federal de Goiás

Doutora em Linguística pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Professora de Linguística e Língua Portuguesa na Faculdade de Letras da Universidade Federal de Goiás (UFG), com atuação na graduação e na pós-graduação, na linha de pesquisa Linguagem, Sociedade e Cultura, no campo da Sociolinguística, com ênfase em Cosmolinguística e Letramento Intercultural Decolonial. É líder do Obiah Grupo de Estudos Interculturais Decoloniais da Linguagem, vinculado ao Laboratório de Políticas de Promoção da Diversidade Linguística e Cultural da Faculdade de Letras da UFG.  

Jacinto Tsororawe, Fundação Nacional do Índio (Funai), Educação Intercultural, Núcleo Takinahaky de Formação Superior de Professores Indígenas/UFG.

Servidor na Fundação Nacional do Índio (Funai), professor em formação no curso de Educação Intercultural do Núcleo Takinahaky de Formação Superior de Professores Indígenas, professor na terra indígena A'uwe, município de Barra do Garças-MT

Referências

ANZALDÚA, Glória. Falando em línguas: carta para as mulheres escritoras do terceiro mundo. Estudos Feministas, 2000, pp. 229-236.

ANZALDÚA, Glória. Bordelands/La frontera – the new mestiza. San Francisco: Aunt Lute Books, 2012.

BÁEZ, F. A história da destruição cultural da América Latina: da conquista à globalização. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2010.

BAKHTIN, Mikhail. (Org. Trad. Paulo Bezerra). Os gêneros do discurso. São Paulo: Editora 34, 2017.

HANKS, William F. Língua como prática social – das relações entre língua, cultura e sociedade a partir de Bourdieu e Bakhtin. (Org. Anna Christina Bentes, Renato C. Rezende, Marco Antônio R. Machado). São Paulo: Cortez, 2008.

KILOMBA, Grada. (Trad. Jess Oliveira). Memórias da plantação – episódios de racismo cotidiano. Rio de Janeiro: Cobogó, 2019.

LUCIANO, Gersem José dos Santos [Baniwa]. As línguas e as cosmologias indígenas. IX Simpósio Linguagens e Identidades da/na Amazônia Sul-Ocidental - Línguas e Literaturas Indígenas, 2015. Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=xJ0OT7kLVZo>. Acesso em: 20 jan. 2017.

LUCIANO, Gersem José dos Santos. Língua, educação e interculturalidade na perspectiva indígena. Revista de Educação Pública. Universidade Federal do Mato Grosso. V. 26, N. 62/1, 2017, pp. 295-310. Disponível em: <http://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/educacaopublica/article/view/4996>. Acesso em: 10 nov. 2018.

MIGNOLO, Walter. Histórias locais/projetos globais. (Trad. Solange Ribeiro de Oliveira). Colonialidade, saberes subalternos e pensamento liminar. Belo Horizonte - MG: Ed. UFMG, 2003.

MIGNOLO, W. Epistemic Disobediense, independent thought and de-colonial freedom. Theory, culture & society. Vol. 26, N. 7 - 8, pp. 1 - 23, 2009.

MUNDURUKU, Daniel. Coisas de onça. São Paulo: Mercuryo Novo Tempo, 2011.

NEUMANN, Eduardo. Letra de índio – cultura escrita, comunicação e memória indígena nas Reduções do Paraguai. São Bernardo do Campo-SP: Nhanduti Editora, 2015.

ARTIGO DA AUTORA, 2015.

ARTIGO DA AUTORA, 2017.

ARTIGO DA AUTORA, 2019.

RODRIGUES, Eunice Moraes da Rocha. Português Tapuia: um signo de resistência indígena. Revista Porto das Letras, V. 4, N. 1, 2018. Disponível em: <https://sistemas.uft.edu.br/periodicos/index.php/portodasletras/article/view/5532/13267>. Acesso em: mar. 2018.

SANTOS, Boaventura de Sousa. A gramática do tempo: para uma nova cultura política, para um novo senso comum. Porto: Afrontamentos, 2006.

TSÕRÕPRÉ, Cristóvão Tserero’odi. Comunicação oral. Conferência Regional de Educação Escolar Indígena – Aruanã-GO. Dez. 2016.

VIEIRA, L. A. Instituição dos autores.

Publicado
2020-12-16
Métricas
  • Visualizações do Artigo 168
  • PDF downloads: 93
Como Citar
Rezende, T. F., & Tsororawe, J. (2020). Gênero correspondência: Recados da natureza na comunicação com seres não escutados. Abatirá - Revista De Ciências Humanas E Linguagens, 1(2), 268 - 290. Recuperado de https://www.revistas.uneb.br/index.php/abatira/article/view/9344