O professor indígena Parkatêjê

Protagonismo a serviço de sua língua-cultura

Resumo

Este artigo apresenta considerações referentes aos professores indígenas Parkatêjê que atuam na Escola Estadual Indígena de Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Pẽptykre Parkatêjê, situada na Reserva Indígena Mãe Maria, no município de Bom Jesus do Tocantins, sudeste do Pará. Nosso objetivo consiste em evidenciar que esse profissional da educação escolar indígena tem se apresentado como agente colaborador de seu povo, protagonizando ações não somente no que se refere à valorização de sua língua-cultura tradicional ensinada na instituição escolar, mas também no que compete ao fortalecimento da identidade indígena do povo. A Língua Parkatêjê encontra-se atualmente ameaçada de extinção e sua cultura ancestral concorre fortemente com os valores da sociedade circundante. Nesse sentido, os professores indígenas da referida escola, grupo formado não somente por docentes com formação em Ensino Superior, mas também por indígenas da primeira geração que contribuem com seus saberes ancestrais, por meio de suas práticas pedagógicas, trabalham em favor da retomada do idioma, mesmo que suas ações ainda sejam incipientes, colocando a escola como um lugar de transmissão dos saberes tradicionais do povo. As considerações aqui apresentadas baseiam-se em informações contidas na literatura Linguística e Educacional e resultam de observações e dados coletados via entrevistas e formulários, em trabalho de campo realizado junto à comunidade escolar Parkatêjê no mês de fevereiro de 2020. Os resultados, de cunho qualitativo, apontam para o protagonismo dos professores Parkatêjê na constituição da escola que se tem em sua aldeia. 

Palavras-chave: Língua-cultura Parkatêjê; Professor indígena; Educação escolar; Saberes tradicionais;  Protagonismo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Francinete de Jesus Pantoja Quaresma, Secretaria de Estado de Educação do Pará (SEDUC-PA)

Doutoranda em Linguística, vinculada ao Programa de Pós-graduação em Letras da Universidade Federal do Pará, com atividade de pesquisa em ensino-aprendizagem e produção de material didático em Língua Indígena Parkatêjê. Mestre em Linguística pela mesma Universidade. Professora de Língua Portuguesa e Língua Francesa vinculada à Secretaria de Educação do Pará (SEDUC/PA) e à Faculdade Teológica Batista Equatorial (FATEBE).

Marília de Nazaré de Oliveira Ferreira, Universidade Federal do Pará (UFPA)

Professora Titular vinculada ao Instituto de Letras e Comunicação, com atividades de docência e de orientação junto ao Programa de Pós-graduação em Letras e à Faculdade de Letras da Universidade Federal do Pará. Bolsista de Produtividade do CNPq.

Referências

ALVAREZ, A.; CUNHA, J.; COSTA, E.; DAVID, M.; JULIÃO, R. A construção da Escola pelos Parkatêjê. In: ASSIS, E. C. (Orgs.). Educação Indígena na Amazônia: experiências e perspectivas. Belém: UFPA, 1996.

ARAÚJO, L. M. S. Parkatêjê x português: caminhos de resistência. IX Congresso Internacional da Brazilian Studies Association. Louisiana, Estados Unidos, 2008. Disponível em: http://www.brasa.org/wordpress/Documents/BRASA_IX/Leopoldina-Araujo.pdf. Acesso em: 08 mar. 2020.

BRASIL. Resolução nº 5/2012, de 22 de Junho de 2012. Define diretrizes curriculares nacionais para a educação escolar indígena na educação básica. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 2012.

______. Educação escolar indígena: diversidade sociocultural indígena ressignificando a escola – Caderno SECAD 3. Brasília: MEC, 2007, 133 p.

______. Referenciais para a formação de professores indígenas. Brasília, DF: MEC, 2002. 84 p.

______. Plano Nacional de Educação. Brasília: Senado Federal, UNESCO, 2001, 186 p.

______. Referencial Curricular Nacional para as Escolas Indígenas. Brasília: MEC/SEF, 1998, 339 p.

______. Lei nº 9394/96, de 20 de Dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 1996.

CUQ, J. P. Dictionnaire de didactique du français – Langue étrangère et seconde. Paris: CLÉ International, 2003, 303p.

D’ANGELIS, W. R. Como nasce e por onde se desenvolve uma tradição escrita em sociedades de tradição oral? Campinas, SP: Curt Nimuendajú, 2007, 48 p.

FERRAZ, I. Lições da escola Parkatêjê. In: SILVA, A. L.; FERREIRA, M. K. L. (Orgs.). Antropologia, história e educação: a questão indígena e a escola. 2. ed. São Paulo: Global, 2001.

FERREIRA, M. N. O. Pê, kãm, mã e outras posposições da Língua Parkatêjê. Revista do GELNE, v. 14, 2012. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/gelne/article/view/9394. Acesso em: 20 jun. 2020.

______. Análise de uma narrativa tradicional oral do povo Parkatêjê: Pyt me Kaxêr. Espaço Ameríndico, Porto alegre, v. 4, n. 2, p. 191-205, jul./dez. 2010. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/EspacoAmerindio/article/view/13468. Acesso em: 20 jun. 2020.

______. Estudo morfossintático da língua Parkatêjê. Orientadora: Lucy Seki. 2003. 276 f. Tese (Doutorado em Linguística). Programa de Pós-Graduação do Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas-SP, 2003.

MAHER, T. M. Formação de Professores Indígenas: uma discussão introdutória. In: ______. (Org.) Formação de professores indígenas: repensando a trajetória. Brasília: MEC, 2006, p. 39-68. Disponível em: http://unesdoc.unesco.org/images/0014/001463/146327por.pdf. Acesso em: 15 fev. 2020.

MANDULÃO, F. S. Educação na visão do professor indígena. In: MEC. Diversidade na Educação: reflexões e experiências. Brasília: Secretaria de Educação Média e Tecnológica, 2003, p. 131-137.

PARKATÊJÊ, J. R. J. Jõprãmre Rãrâkre Jõkūmti Parkatêjê. [Entrevista cedida à] xxxxxxxx do Programa de Pós-Graduação em Letras-Linguística, da Universidade xxxxxxxxxx. Cidade, 2020. 1 Formulário de pesquisa de campo.

QUARESMA, F. J. P. Análise de livros didáticos do povo indígena Mẽbêngôkre. Orientadora: Marília de Nazaré de Oliveira Ferreira. 2012. 189 f. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Programa de Pós-Graduação em Letras, Universidade Federal do Pará, Belém, 2012.

Publicado
2020-12-16
Métricas
  • Visualizações do Artigo 39
  • PDF downloads: 46
Como Citar
Quaresma, F. de J. P., & Ferreira, M. de N. de O. (2020). O professor indígena Parkatêjê: Protagonismo a serviço de sua língua-cultura. Abatirá - Revista De Ciências Humanas E Linguagens, 1(2), 53 - 72. Recuperado de https://www.revistas.uneb.br/index.php/abatira/article/view/9017