Educação profissional e economia solidária

Um olhar a partir dos institutos federais de educação, ciência e tecnologia

Resumo

Ao longo da construção e organização da economia solidária no Brasil, a qualificação sociotécnica e profissional passa a ser uma demanda necessária a esse movimento social, tanto em sua dimensão econômica quanto para a estruturação política. O presente trabalho analisa as relações entre essa questão e a oferta de educação profissional dos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia (IFs), por meio de entrevistas com lideranças de cinco organizações localizadas na Região Metropolitana de São Paulo e da observação de informações obtidas a partir da Plataforma Nilo Peçanha (PNP), banco de dados oficiais da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica. Conclui que a concepção de educação politécnica dos IFs, fundada na formação integral do ser humano e no trabalho como princípio educativo, guarda semelhanças significativas com o projeto de sociedade reivindicado pelo movimento de economia solidária. Evidencia, no entanto, que ainda são frágeis as experiências de projetos político-pedagógicos concebidos a partir do trabalho associado e dos empreendimentos econômicos solidários, de modo que as vivências formativas desses trabalhadores se dão, prioritariamente, em instituições não públicas.

Palavras-chave: Educação Profissional; Economia Solidária; Institutos Federais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lucas Barbosa Pelissari, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Paraná (IFPR)

Graduado em Licenciatura em Matemática (PUCPR) e em Engenharia Civil (UFPR). Mestre em Educação (UFPR). Doutor em Políticas Públicas e Formação Humana (UERJ). Atua como professor e pesquisador no IFPR, sendo credenciado ao Programa de Pós-Graduação em Ciência, Tecnologia e Sociedade (PPGCTS) da mesma instituição.

Maria Luiza Freitas Marques do Nascimento, Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP)

Graduada em Gestão Ambiental (USP). Mestra em Educação (UFRJ).

Referências

ADAMS, Telmo; SANTOS, Aline Mendonça dos. Economia Solidária: um espaço peculiar de educação popular. In: STRECK, Danilo R.; ESTEBAN, M. T. (Orgs). Educação Popular: lugar de construção social coletiva. São Paulo: Vozes, 2013.

ARAUJO, Ronaldo Marcos de Lima; FRIGOTTO, Gaudêncio. Práticas pedagógicas e ensino integrado. Revista Educação em Questão, Natal, v. 52, n. 38, p. 61-80, maio/ago. 2015.

BERTUCCI, Ademar; KIRSCH, Rosana. Economia Solidária: documentos, trajetórias e organização do movimento. Brasília: Ideograf, 2012.

BRASIL. Ministério da Educação (MEC). Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica (Setec). Educação profissional técnica de nível médio integrado ao ensino médio: documento base. Brasília, 2007a. Disponível em: http:bit.ly/2N6vp0p. Acesso em: 07 mai. 2020.

BRASIL. Ministério da Educação (MEC). Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica (Setec). Programa Nacional de Integração da Educação Profissional com a Educação Básica na Modalidade de Educação de Jovens e Adultos: documento base. Brasília, 2007b. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/setec/arquivos/pdf2/proeja_medio.pdf. Acesso em: 09 de mai. 2020.

BRASIL. Lei nº 11.892, de 29 de dezembro de 2008. Institui a Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica, cria os Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia, e dá outras providencias. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 29 dez. 2008.

BRASIL. Ministério do Trabalho e Emprego (MTE). Centro Nacional de Formação em Economia Solidária é inaugurado. Brasília, DF, 2009. Disponível em: https://mte.jusbrasil.com.br/noticias/1061812/centro-nacional-de-formacao-emeconomia-solidaria-e-inaugurado. Acesso em: 07 de mai. 2020.

BRASIL. Ministério da Educação (MEC). Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica (Setec). Um novo modelo em educação profissional e tecnológica: concepção e diretrizes. Brasília, DF, 2010.

CALDART, Roseli Salete. Educação do Campo: notas para uma análise de percurso. Trab. Educ. Saúde, Rio de Janeiro, v. 7 n. 1, p. 35-64, mar./jun. 2009.

DUARTE, Newton. O debate contemporâneo das teorias pedagógicas. In: MARTINS, L. M.; DUARTE, N. (orgs.). Formação de professores: limites contemporâneos e alternativas necessárias. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2010.

FIGUEIREDO FILHO, Carolina; OLIVEIRA, Nathalia C. Contribuições das teses marxistas da marginalidade para a análise das classes trabalhadoras e dos movimentos sociais. Anais do VII Colóquio Internacional Marx e Engels. Campinas, SP: Unicamp, 2012.

FRIGOTTO, Gaudêncio. A ideologia que embala a galinha dos ovos de ouro. In: GUIMARÃES, G. Sindicalismo e Cooperativismo: a economia solidária em debate, transformações no mundo do trabalho. São Paulo, Rede Unitrabalho, 1999.

FRIGOTTO, Gaudêncio; CIAVATTA, Maria; RAMOS, Marise. (orgs.) Ensino médio integrado: concepção e contradições. São Paulo: Cortez, 2005.

FRIGOTTO, Gaudêncio. Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia: relação com o ensino médio integrado e o projeto societário de desenvolvimento. Rio de Janeiro: UERJ, LPP, 2018.

GADOTTI, Moacir. Economia solidária como práxis pedagógica. São Paulo: Editora e Livraria Instituto Paulo Freire, 2009.

GONTIJO, Felipe Marques Carabetti. Qual economia solidária?: os sentidos da emancipação em um curso de formação. Dissertação (Mestrado em Administração) – Faculdade de Ciências Econômicas, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2012.

KOWARICK, Lúcio. Capitalismo e marginalidade na América Latina. 2ª edição. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1977.

LAKATOS, Eva Maria; MARCONI, Maria de Andrade. Fundamentos da metodologia científica. São Paulo, Atlas, 1985.

NETO, Otávio Cruz. O trabalho de campo como descoberta e criação. In: MINAYO, M. C. S. (Org.) Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis, RJ: Vozes, 1994.

OLIVEIRA, Ramon de. Empresariado industrial e a educação profissional brasileira. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 29, n. 2, p. 249-263, jul./dez. 2003.

PELISSARI, Lucas Barbosa. Educação profissional e neodesenvolvimentismo: políticas públicas e contradições. Jundiaí, SP: Paco, 2019.

PISTRAK, Moisey Mikhaylovick. Fundamentos da escola do trabalho. São Paulo: Expressão Popular, 2018.

SAES, Décio Azevedo Marques de. Cidadania e capitalismo: uma crítica à concepção liberal de cidadania. Crítica Marxista, São Paulo, Boitempo, v.1, n.16, 2003, p. 9-38.

SAVIANI, Dermeval. Sobre a concepção de politecnia. Rio de Janeiro: EPSJV/Fiocruz, 1989.

SAVIANI, Dermeval. História das ideias pedagógicas no Brasil. 4. ed. – Campinas, SP: Autores Associados, 2013.

SECRETARIA NACIONAL DE ECONOMIA SOLIDÁRIA (SENAES). Dados do Segundo Mapeamento Nacional de Empreendimentos Econômicos Solidários (EES). São Leopoldo: Projeto SIES - Grupo de Pesquisa em Economia Solidária e Cooperativa da Unisinos, 2013. Disponível em: http://sies.ecosol.org.br/atlas. Acesso em 15 mai. 2020.

SINGER, Paul. Economia Solidária: um modo de produção e distribuição. In: SINGER, P.; SOUZA, A. R. de. (Orgs.) A economia solidária no Brasil: a autogestão como resposta ao desemprego. São Paulo: Contexto, 2000.

SINGER, Paul. A Economia Solidária como ato pedagógico. In: KRUPPA, S. M. P. (ORG.). Economia Solidária e educação de jovens e adultos. Brasília: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), 2005.

SINGER, Paul. Prefácio. In: GADOTTI, M. Economia solidária como práxis pedagógica. São Paulo: Editora e Livraria Instituto Paulo Freire, 2009.

Publicado
2020-12-16
Métricas
  • Visualizações do Artigo 37
  • PDF downloads: 36
Como Citar
Pelissari, L. B., & Nascimento, M. L. F. M. do. (2020). Educação profissional e economia solidária: Um olhar a partir dos institutos federais de educação, ciência e tecnologia. Abatirá - Revista De Ciências Humanas E Linguagens, 1(2), 442 - 472. Recuperado de https://www.revistas.uneb.br/index.php/abatira/article/view/8644