Urbanização e imaginário sobre o “maior povoado do mundo”, Eunápolis 1970 a 1988

Palavras-chave: representação, urbanização, Eunápolis.

Resumo

O presente artigo pretende discutir as representações sobre Eunápolis, entre os anos de 1970 e 1988. Nessas quase duas décadas foram disseminados enunciados em mídias impressas sobre o crescimento do povoado, difundindo representações como a de “maior povoado do mundo”. Analisando narrativas de fontes como periódicos, revistas e publicações de memorialistas, acreditamos na hipótese tanto de uma impulsão no processo de urbanização a partir do discurso de progresso do povoado, quanto na vinculação de grupos políticos locais a essa narrativa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Levi Sena Cunha, Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS)
Graduação em História pela UNEB campus XVIII, Mestrando em História pela UEFS. Realizo estudos na área História da cidade e do campo, representação, memória

Referências

ALVES, Leonardo do Amaral. Experiências forjadas a ferro e fogo: Religiosidade, organicidade e luta pela terra no extremo sul da Bahia no contexto da ditadura civil-militar (1978-1985). 2017. Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Estadual de Feira de Santana, Feira de Santana, 2017.

ARRAIS, Raimundo. O Pântano e o Riacho: A formação do espaço público no Recife do século XIX. São Paulo: Humanitas/FFLCH/USP, 2004.

A Voz dos Municípios. Eunápolis (O maior povoado do mundo). Revista A Voz dos municípios, Belo Horizonte, 1984.

BRASILEIRO, Sheila. Comunidade Tupinambá no Vale do Jequitinhonha, Município de Itapebi, Bahia. p. 223-242. In: CARVALHO, Maria Rosário de; CARVALHO, Ana Magda (org.) et al. Índios e caboclos: A história recontada. Salvador: EDUFBA, 2012. 269 p. ISBN 978-85-232-1208-7

CAR(BA), Companhia de Desenvolvimento e Ação Regional. Política de desenvolvimento para o extremo sul da Bahia. Série cadernos CAR, 3. Salvador, 1994.

CARNEIRO, Ana; CIOCCARI, Marta. Retrato da Repressão Política no Campo – Camponeses torturados, mortos e desaparecidos. Brasília: MDA, 2010.

CARVALHO NETO, Sidrach. Santa Cruz Cabrália: cinco séculos de história. Salvador: Secretaria de Cultura e Turismo, 2004, p. 61.

CUNHA, Rejane Cristine Santana. O Fogo de 51 – reminiscências pataxó. 2010. Dissertação (Mestrado em História Regional e Local) – Universidade do Estado da Bahia, DCH – Campus V, Santo Antônio de Jesus, 2010.

CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano: 1. Artes de fazer. 21. Ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014.

CHARTIER, Roger. A história cultural: entre práticas e representações. 2. Ed. São Paulo: Memória e Sociedade: Difel, 2002.

CUNHA, Levi Sena. Cidade e memória: urbanização e conflitos em Eunápolis dos anos de 1970 a 1988. Monografia (Graduação em História) da Universidade do Estado da Bahia – UNEB campus XVIII, Eunápolis, 2015.

DEELEN, Godofredo J. Diocese de Caravelas, Bahia. Parte I: estudo sócio- religioso. Mim. Estudos Sócio- Religiosos, n° 4, 1966.

D‘ICARAHY, Leonardo Dantas. O Sonho da Terra: Trabalhadores Rurais e o Surgimento do MST na Bahia (1975-1989). 2018. Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2018

HOBSBAWN, Eric. A Era dos Extremos: o breve século XX: 1914-1990. São Paulo: Companhia das letras, 1995.

KOOPMANS, José. Além do eucalipto: o papel do extremo sul. 2. ed. Teixeira de Freitas: DDH – Centro de Defesa dos Direitos Humanos, 2005.

LACERDA, Alcides. O fundador de Eunápolis, Sessenta e Quatro, as 13 Marias e os Anjos da Traição. Feira de Santana: Radami, 2003.

LEFEBVRE, Henri. O direito a cidade. Tradução Rubens Eduardo Frias, São Paulo: Centauro, 2001.

MENDONÇA, Sonia Regina; FONTES, Virginia Maria. História do Brasil Recente 1964-1980. 2 Ed. Série Princípios. São Paulo: Ática, 1991.

OLIVEIRA, Clovis Ramaiana Moraes. Canções da cidade amanheceste: urbanização, memórias e silenciamentos em Feira de Santana, 1920-1960. Salvador: EDUFBA, 2016.

PEDREIRA, Márcia da Silva. O complexo florestal e o extremo sul da Bahia: Inserção competitiva e transformações socioeconômicas na região. Tese (Doutorado em Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade) – Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2008.

PESAVENTO, Sandra Jatahy. Cidades visíveis, cidades sensíveis, cidades imaginárias. Revista Brasileira de História, vol. 27, núm. 53, janeiro-junho, 2007, pp. 11-23. Associação Nacional de História São Paulo, Brasil. ISSN: 0102-0188.

PESAVENTO, Sandra Jatahy. Uma outra cidade: o mundo dos excluídos no i final do século XIX. São Paulo: Companhia Editora Nacional, I, 2001.

PESAVENTO, Sandra Jathay. O imaginário da cidade: visões literárias do urbano – Paris, Rio de Janeiro, Porto Alegre. 2. Ed., Porto Alegre: Ed. Universidade: UFRG, 2002

SANTIAGO, Luís. O vale dos Boqueirões: História do Vale do Jequitinhonha. v. 1. Edição Boca das Caatingas, Almenara, 1999.

SANTOS, Milton. A urbanização Brasileira. 5° ed., 3. Reimpr. – São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2013.

Publicado
2020-08-04
Métricas
  • Visualizações do Artigo 15
  • PDF downloads: 14