JUSTIÇA NA ESCOLA: CONFLITOS ESCOLARES NA INFÂNCIA ATRAVÉS DA EDUCAÇÃO INTERCULTURAL

Autores

  • Pâmela Suélli da Motta Esteves Universidade do Estado do Rio de Janeiro (FFP/UERJ).
  • Ingrid de Faria Bolsista da Capes
  • Julia Wassermann Guedes Colégio Pedro II

DOI:

https://doi.org/10.21879/faeeba2358-0194.2018.v27.n51.p179-191

Palavras-chave:

Interculturalidade, Conflitos escolares, Infância, Justiça restaurativa, Judicialização

Resumo

Este artigo tem por objetivo pensar, através das lentes da interculturalidade crítica,as potencialidades dos conflitos que são inerentes ao cotidiano escolar na infância.Em diálogo com Andrade (2011), Candau (2007, 2012, 2014), Tubino (2004), entre outros autores, apostamos na educação intercultural crítica como possibilidade de investigar os conflitos escolares nas perspectivas da justiça restaurativa e da escola justa (SCHILLING, 2014), em contraposição ao processo de judicialização desses conflitos, o que vem sendo amplamente realizado na educação básica brasileira. O artigo traz ainda um esforço teórico de compreender os conflitos que nascem no chão da escola através de uma prática pedagógica denominada “caixa de recados”, utilizada como mecanismo de administração e transformação dos conflitos em momentos de aprendizagens.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Pâmela Suélli da Motta Esteves, Universidade do Estado do Rio de Janeiro (FFP/UERJ).

Doutora em Ciências Humanas e Educação pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-RJ). Mestre em Ciências Jurídicas e Sociais pelo Programa de Pós-Graduação em Sociologia e Direito da Universidade Federal Fluminense (PPGSD/UFF-RJ). Mestre em Ciência Política pelo Programa de Pós-Graduação em Ciência Política da Universidade Federal Fluminense (PPGCP/UFF-RJ). Professora adjunta do Departamento de Educação da Faculdade de Formação de Professores da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (FFP/UERJ). Professora da Educação Básica no Colégio de Aplicação da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-RJ).

Ingrid de Faria, Bolsista da Capes

Mestranda em Educação pela Faculdade de Formação de Professores da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (FFP/UERJ). Bacharela e Licenciada em Ciências Sociais pelo Instituto de Ciências Humanas e Filosofia da Universidade Federal Fluminense (ICHF/UFF). Bolsista da Capes

Julia Wassermann Guedes, Colégio Pedro II

Mestranda em Educação pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-RJ). Especialista em Políticas Públicas e Cultura de Direitos pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Pedagoga na Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO). Professora dos Anos Iniciais do Ensino Fundamental do Colégio Pedro II. Membro do Grupo de Pesquisa sobre Cotidianos, Educação e Culturas (GECEC).

Referências

ANDRADE, Marcelo. Sobre pluralismo, verdade e tolerância: diálogos epistemológicos e éticos para uma educação intercultural. Educação e Sociedade, Campinas, SP, v. 32, n. 117, 2011. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/es/v32n117/v32n117a11.pdf>. Acesso em: 14 dez. 2017.

CANDAU, Vera Maria. Escola e cultura(s): as tensões entre universalismo e multiculturalismo. In: ENCONTRO DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO DA REGIÃO SUDESTE, 8., 2007. Anais... Vitória: Universidade Federal do Espírito Santo, 2007.

______. Educação intercultural: entre afirmações e desafios. In: MOREIRA, Antônio Flávio; CANDAU, Vera Maria. Currículo, disciplinas escolares e culturas. Rio de Janeiro: Vozes, 2014. p. 23-41.

______. Diferenças culturais, interculturalidade e educação em direitos humanos. Educação e Sociedade, Campinas, SP, v. 33, n. 118, p. 235-250, 2012. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/es/v33n118/v33n118a15.pdf>. Acesso em: 14 dez. 2017.

CANDAU, Vera Maria; LEITE, Miriam Soares. A didática na perspectiva multi/intercultural em ação: construindo uma proposta. Cadernos de Pesquisa, v. 37, n. 132, p. 731-758, 2007. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/cp/v37n132/a1137132.pdf>. Acesso em: 14 dez. 2017.

CUCHE, Denys. A noção de cultura nas ciências sociais. Florianópolis: EDUSC, 2002.

ESPEJO, J. C. Educación, interculturalidad y ciudadanía. Educar em Revista, Curitiba, n. 43, p. 239-254, 2012. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/er/n43/n43a16.pdf>. Acesso em: 14 dez. 2017.

ESTEVES, Pâmela Suélli da Motta. A escola não é um lugar fácil... não mesmo!: bullying, não-reconhecimento da diferença e banalidade do mal. 2015. 268 f. Tese (Doutorado em Educação) – Departamento de Educação da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-RJ), Rio de Janeiro, 2015.

GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: LTC, 2008.

GODOY, Elenilton Vieira; SANTOS, Vinício de Macedo. Um olhar sobre a cultura. Educação em Revista, Belo Horizonte, v. 30, n. 3, p. 15-41, 2014 Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/edur/v30n3/v30n3a02.pdf>. Acesso em: 14 dez. 2017.

HECKERT, Ana Lucia; ROCHA, Marisa Lopes. A maquinaria escolar e os processos de regulamentação da vida. Psicologia & Sociedade, n. 24, p. 85-93, 2012. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/psoc/v24nspe/13.pdf>. Acesso em: 02 nov. 2017.

LARRAIA, Roque de Barros. Cultura: um conceito antropológico. 20. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 2006.

LONGO, Monique Marques. “Professora, fala alguma coisa boa da educação pra gente, por favor!”: violência, assertividade e pressupostos arendtianos na formação docente. 2014. 227 f. Tese (Doutorado em Educação) – Departamento de Educação da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-RJ), Rio de Janeiro, 2014.

NASCIMENTO, Maria Lívia; SCHEINVAR, Estela. De como as práticas do conselho tutelar vêm se tornando jurisdicionais. Aletheia, Canoas, RS, n. 25, p. 152-162, 2007. Disponível em: <http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S141303942007000100012>. Acesso em: 27 out. 2017.

NUNES, Flaviana Gasparotti. Interculturalidade e o papel da escola na atualidade: reflexões a partir do filme “Entre os muros da escola”. Pro-Posições, Campinas, SP, v. 22, n. 3, p. 113-130, 2011. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/pp/v22n3/09.pdf>. Acesso em: 14 dez. 2017.

RODRIGUES, Simone Martins. Justiça restaurativa, dialogia e reconciliação social: tribunais internacionais e comissões de verdade na África. 2004. 268 f. Tese (Doutorado em Ciência Política) – Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro (IUPERJ), Universidade Cândido Mendes, Rio de Janeiro, 2004.

SANTOS, Boaventura de Sousa; CHAUÍ, Marilena. Direitos humanos, democracia e desenvolvimento. São Paulo: Cortez, 2013.

SCHILLING, Flávia. Educação e direitos humanos: percepções sobre a escola justa. Resultados de uma pesquisa. São Paulo: Cortez, 2014.

SCHILLING, Flávia; ANGELUCCI, Carla Biancha. Conflitos, violências, injustiças na escola? Caminhos possíveis para uma escola justa. Cadernos de Pesquisa, v. 46, n. 161, p. 694-715, 2016. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/cp/v46n161/1980-5314-cp-46-161-00694.pdf>. Acesso em: 14 dez. 2017.

TUBINO, Fidel. Del interculturalismo funcional al interculturalismo crítico. In: SAMANIEGO, M.; GARBARINI, C. (Comp.). Rostros y fronteras de la identidad. Temuco: UCT, 2004. p. 9-17. Disponível em: <http://red.pucp.edu.pe/wp-content/uploads/biblioteca/inter_funcional.pdf>. Acesso em: 14 dez. 2017.

Publicado

2018-04-27

Como Citar

ESTEVES, P. S. da M.; FARIA, I. de; GUEDES, J. W. JUSTIÇA NA ESCOLA: CONFLITOS ESCOLARES NA INFÂNCIA ATRAVÉS DA EDUCAÇÃO INTERCULTURAL. Revista da FAEEBA - Educação e Contemporaneidade, [S. l.], v. 27, n. 51, p. 179–191, 2018. DOI: 10.21879/faeeba2358-0194.2018.v27.n51.p179-191. Disponível em: https://www.revistas.uneb.br/index.php/faeeba/article/view/4974. Acesso em: 26 fev. 2024.