“DESENHE UM CIENTISTA”: AS CONCEPÇÕES DOS ESTUDANTES DO CENTRO JUVENIL DE CIÊNCIA E CULTURA SOBRE OS CIENTISTAS

Palavras-chave: Alfabetização científica, Ensino de Ciências, Imagem do cientista

Resumo

A alfabetização científica ultrapassa o ensino de conceitos e códigos da ciência. Ela vai além dessa instrumentalização, sendo compreendida como uma atividade social, histórica e ideologicamente construída para atender uma diversidade de interesses da sociedade. Consequentemente, a reflexão sobre os conhecimentos prévios e as concepções que os estudantes possuem a respeito do profissional em ciência são necessárias tanto para reflexão dessas relações sociais e suas consequências para sociedade, quanto para conduzir o trabalho do letramento científico com os estudantes da Educação Básica. Portanto, o objetivo desse trabalho foi verificar as visões e percepções que os estudantes possuem sobre a profissão cientista. A pesquisa foi realizada através da aplicação de uma sequência didática (SD) com estudantes do Centro Juvenil de Ciência e Cultura matriculados em cursos da área de Ciências Naturais. A atividade foi aplicada com 67 estudantes, os quais realizaram todos os passos da SD apresentada, inclusive nas discussões conduzidas. Alguns estereótipos sobre profissionais da ciência se mantiveram como relatados ao longo da história da ciência, como uso de óculos, jaleco, e maioria homem branco de meia idade, mas, destaca-se nesse trabalho, o aumento da presença do gênero feminino, bem como, professores do Ensino Médio visto como pesquisadores, em comparação aos trabalhos anteriores. A análise do conhecimento prévio dos alunos a respeito dos cientistas auxiliou no planejamento das atividades realizadas durante o curso, a fim de desmistificar os estereótipos a respeito dessa profissão, bem como validou a Sequência Didática aplicada.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Karine Brandão Nunes Brasil, Professora na rede Estadual de Educação do Estado da Bahia.

Mestra em Genética, Biodiversidade e Conservação pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB/BA).

Referências

BAHIA (Estado). DECRETO nº 12.829, de 04 de maio de 2011. Dispõe sobre a criação, organização e funcionamento dos Centros Juvenis de Ciência e Cultura - CJCC, Unidades Escolares, no âmbito do Sistema Público Estadual de Ensino do Estado da Bahia. Salvador, BA. Disponível em: http://www.educacao.ba.gov.br/sites/default/files/private/midiateca/documentos/2013/decreto -12829.pdf. Acesso em: 14 jan. 2018.

BRASIL. Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações. Instituições, grupos, pesquisadores e pesquisadores doutores, cadastrados no diretório dos grupos de pesquisa do CNPq, 1993/2016. Brasília, DF: Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, 2017.

BRASIL. Ministério da Ciência e Tecnologia. 2017. A Ciência e a tecnologia no olhar dos brasileiros. Percepção pública da C & T no Brasil: 2015. CGEE, Centro de Gestão e Estudos Estratégicos. Brasília, DF. Disponível em: https://www.cgee.org.br/documents/10182/734063/percepcao_web.pdf. Acesso em: 20 fev. 2020.

CAVALLI, M. B.; MEGLHIORATTI, F. A. A participação da mulher na ciência: um estudo da visão de estudantes por meio do teste DAST. ACTIO: Docência em Ciências, Curitiba, v. 3, n. 3, p. 86-107, 2018.

CHAMBERS, D. W. Imagens estereotipadas do cientista: o teste para desenhar um cientista. Educação em Ciências, v. 67, n. 2, p. 255-265. DOI: 10.1002 / sce.3730670213.

ETIENNE-MANNEVILLE, S. Having it all, a scientifc career and a family. Nature Cell Biology, v. 20, p. 1000-1012, 2018.

FERREIRA, I. Desequilíbrio de gênero afeta mulheres cientistas no Brasil. Jornal da USP, Campinas, 17/01/2018. Disponível em: https://jornal.usp.br/ciencias/ciencias-humanas/desequilibrio-de-genero-afeta-mulheres-cientistas-no-brasil/. Acesso em: 18 fev. 2020.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2001.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Perfil dos municípios brasileiros: 2018. Coordenação de população e indicadores sociais. Rio de Janeiro: IBGE, 2019.

JAKUBASZKO, D. Quebrando estereótipos e rompendo preconceitos na sala de aula. Revista Espaço Acadêmico, Maringá, v. 14, n. 168, 2015.

MARTINS, C. et al. A figura do cientista na visão de estudantes do ensino fundamental. V Enebio e II Erebio Regional. Revista da SBEnBio, n. 7, 2014.

MASSARANI, L.; CASTELFRANCHI, Y.; PEDREIRA, A. E. Cientistas na TV: como homens e mulheres da ciência são representados no Jornal Nacional e no Fantástico. Cadernos Pagu, Campinas, n. 56, 2019.

NJAINE, K.; MINAYO, M. C. S. Violence in schools: identifying clues for prevention. Interface – Comunic., Saúde, Educ., v. 7, n. 13, p. 119-34, 2003.

RESNICK, M. Lifelong Kindergarten: Cultivating Creativity through Projects, Passion, Peers, and Play. MIT Media Lab. Publicado pela MIT Press, 2017.

SOARES, G. S. M.; SCALFI, G. A. M. Adolescentes e o imaginário sobre cientistas: análise do teste “Desenhe um cientista” (DAST) aplicado com alunos do 2º ano do Ensino Médio. In: CONGRESO IBEROAMERICANO DE CIENCIA, TECNOLOGÍA, INNOVACIÓN Y EDUCACIÓN, 2014. Buenos Aires, Argentina. Anais [...]. Buenos Aires, Argentina, 2014.

SOUZA, E. P.; RUBIM, I. O. As dobras e os movimentos de aprendizagem criativa nos centros juvenis de ciência e cultura. Tecnologias, Sociedade e Conhecimento, Campinas: UNICAMP, v. 6, n. 2, p. 61-80, 2019.

ZATZ, M. Helping our country women scientists. Nature Cell Biology, v. 20, n. 9, p. 1000-1012, September, 2018.

Publicado
2020-05-25
Métricas
  • Visualizações do Artigo 147
  • ♪Áudio♪ downloads: 10
Como Citar
BRASIL, K. B. N. “DESENHE UM CIENTISTA”: AS CONCEPÇÕES DOS ESTUDANTES DO CENTRO JUVENIL DE CIÊNCIA E CULTURA SOBRE OS CIENTISTAS. Cenas Educacionais, v. 3, p. e8670, 25 maio 2020.
Seção
Dossiê Temático - Ensino de Ciências e Educação Matemática