DISCURSOS SOBRE O BILINGUISMO EM CONTEXTO INTERCULTURAL DE ENSINO NA UNILA: DOIS PESOS E OUTRAS MEDIDAS

Palavras-chave: Análise do discurso, discurso sobre as línguas, bilinguismo, plurilinguismo, UNILA.

Resumo

A educação bilíngue em um espaço de enunciação (GUIMARÃES, 2006) plurilíngue sempre foi um desafio, uma vez que as disputas discursivas põem em jogo questões complexas envolvendo identidade, interculturalidade, direitos linguísticos e discriminação. Em que medida os discursos sobre bilinguismo se apresentam como regime de verdade institucionalizada? O objetivo da pesquisa foi entender como se apresenta a noção de bilinguismo na UNILA a partir de documentos oficiais. Diante disso, este trabalho teve como objetivo apresentar uma análise de documentos oficiais da UNILA cotejados com outras materialidades discursivas a partir das quais analisamos os termos “bilinguismo” e “bilíngue”. Este estudo teve como pressuposto teórico-metodológico os referenciais do campo da análise do discurso, ponto de partida para entender os discursos sobre as línguas na UNILA, os saberes formais e não formais sobre o modo como são tratadas e funcionam nos diferentes espaços de enunciação. Nossa hipótese é a de que, apesar de declarar uma proposta de ensino bilíngue, na prática, a UNILA não apresenta um desejável equilíbrio entre o ensino das línguas à comunidade, ainda que reconheça a necessidade de valorização da diversidade linguística e do plurilinguismo como política integrada à educação intercultural.

Palavras-Chave: Análise do discurso; discurso sobre as línguas; bilinguismo; plurilinguismo; UNILA.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jocenilson Ribeiro, Docente na Universidade Federal de Sergipe.

Doutor e Mestre em Linguística. Graduado em Letras. Membro do Laboratório de Estudos do Discurso (LABOR).

Nathália Nunes, Universidade Federal da Integração Latino-Americana
Graduada em Letras - Português e Espanhol.

Referências

ARNOUX, E. N. de. La Glotopolítica: transformaciones de un campo disciplinario. Rev. Lenguajes: teorías y prácticas, Buenos Aires: Gobierno de la Ciudad de Buenos Aires, Secretaría de Educación, p. 95-109, 2000.

ARNOUX, E. N. de; VALLE, J. Las representaciones ideológicas del lenguaje: discurso glotopolítico y panhispanismo. Spanish in Context. Ámsterdam/Filadelfia: John Benjamins Publishing Company, n. VII, v. 1, p. 1-24, 2010.

BOURDIEU, P. A economia das trocas simbólicas. São Paulo: Perspectiva, 2007. (Col. Estudos).

DEGACHE, C. Didactique du plurilinguisme. Travaux sur l’intercompréhension et l’utilisation des technologies pour l’apprentissage des langues. 2006. Dossier présenté pour l’Habilitation à Diriger des Recherches. Grenoble, Université StendhalGrenoble III, LIDILEM. Disponível em http://www.galanet.eu/publication/ fichiers/hdr2006_DegacheC.pdf (acedido em 16.09.2008).

DICIONÁRIO Michaelis. São Paulo: Melhoramentos Ltda, 2019. Disponível em: www.Michaelis.uol.com.br Acesso em: 13 de maio,2019.

FORTES, L. Entre o silêncio e o dizível: um estudo discursivo de sentidos de bilinguismo, educação bilingue e currículo em escolas bilingues português-inglês. 2016. 444 f. Tese (Doutorado em estudos linguísticos e literários em inglês) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo (USP), São Paulo-SP, 2016.

FOUCAULT, M. A Ordem do Discurso. São Paulo: Loyola, 1996.

GREGOLIN, M. R. V. A análise do discurso: conceitos e aplicações. In: Alfa, São Paulo, 39: 13-21, 1995.

GUIMARÃES, E. Políticas de línguas na América Latina. In: Relatos. Junho, número Projeto História das idéias lingüísticas. Ética e política das línguas. DL – IEL - Unicamp/ DL - FFLCH –USP, 2001.

GUIMARÃES, E. Semântica do Acontecimento. Campinas, Pontes, 2002.

GUIMARÃES, E. Enunciação e política de línguas no Brasil. Revista Letras – Espaços de Circulação da Linguagem, n. 27, jul./dez., p. 47-53, 2006.

HAMEL, R. E. Derechos lingüísticos como derechos humanos: debates y perspectivas. Alteridades, 5 (10), p.11-23, 1995. Disponível em: <http://www.hamel.com.mx/Archivos-Publicaciones/1995d%20Derechos%20linguisticos%20como%20derechos%20humanos%20-%20Debates%20y%20perspectivas.pdf>. Acesso em: 19 abr.2013.

HARMERS, J; BLANC, M. Bilinguality and Bilingualism. Cambridge: Cambridge University Press, 2000.

MEGALE, A. H. Bilingüismo e educação bilíngüe – discutindo conceitos”. ReVEL - Revista Virtual de Estudos da Linguagem. V. 3, n. 5, agosto de 2005. Disponível em:< http://www.revel.inf.br/files/artigos/revel_5_bilinguismo_e_educacao_bilingue.pdf>. Acesso: 25 maio 2019.

MARCELLESI, J.-B.; GUESPIN, L. Pour la Glottopolitique. Rev. Langage : monográfico La Glottpolitique, n. 83, París: Larousse, p.5-34, 1986.

MENDES, E. formar professores de português LE/L2 na universidade: desafios e projeções. In: KANEOYA, Marta Lúcia Cabrera Kfouri (Org.). Português Língua Estrangeira em contextos universitários: experiências de ensino e de formação docente. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2018, p.65-94.

MUÑOZ, A. M. E. L’intercompréhension dans le contexte plurilingue de l’Université Fédérale de l’intégration Latino-Américaine (UNILA): expériences, contact et interaction plurilingue. Diretor: Dégache, Christian ; Fogaça, Francisco Carlos. 2016 271 p. Thèse de Doctorat. Université de Grenoble 3. LIDILEM - Linguistique et Didactique des Langues Étrangères et Maternelles. 2016.

MUSSALIM, F. Análise do discurso In: MUSSALIM, F.; BENTES, A. C. (Org.). Introdução à linguística: domínios e fronteiras “. v. 2. São Paulo: Cortez, 13-52, 2001.

ORLANDI, E. P. Análise de Discurso: Princípios e Procedimentos. São Paulo: Pontes, 2001.

PINHEIRO-CÔRREA, Paulo. LAGARES, Xóan. Confluencia. São Paulo: Editora Moderna, 2016.

POLLAK, M. Memória, esquecimento, silêncio. In: Rev. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, vol. 2, n. 3, 1989, p. 3-15.

SAUSSURE, F. Curso de linguística geral. 26. ed. São Paulo: Cultrix, 2004.

SCHLATTER, Margarete; GARCEZ, Pedro. Línguas adicionais na escola: aprendizagens colaborativas em Inglês. Erechim: Edelbra, 2012.

SOARES, I. V. P. Direito à diversidade linguística no Brasil e sua proteção jurídica. 5 Anais do Seminário Ibero-americano de Diversidade Linguística, 17 a 20 de novembro de 2014 Foz do Iguaçu, Paraná. Disponível em: <http://portal.iphan.gov.br/uploads/publicacao/Anais5_Seminario_Iberoamericano_de_Diversidade_Linguistica_.pdf>. Acesso em: 10 nov. 2018.

STURZA, E. R. Fronteiras e práticas lingüísticas: um olhar sobre o portunhol. In: Revista Internacional de Lingüística Iberoamericana. RILI, volume I (3) Madri: editorial Vervuert, p. 151-160, 2004.

STURZA, E. R. Línguas de fronteira: o desconhecido território das práticas lingüísticas nas fronteiras brasileiras. In: Línguas do Brasil/Artigo. (s.d.)

UNIVERSIDADE Federal da Integração Latino-Americana. Regimento geral. Foz do Iguaçu-PR, 2013. Disponível em: www.unila.edu.br. Acesso em; 13 de maio, 2019.

VALLE, J. Del. Glotopolítica, ideología y discurso: categorías para el estudio del estatus simbólico del español. La lengua, ¿patria común? Ideas e ideologías del español, Madrid/Fráncfort del Meno: Vervuert/Iberoamericana, p. 14-29, 2005.

Publicado
2020-05-10
Métricas
  • Visualizações do Artigo 218
  • ♪Áudio♪ downloads: 12
Como Citar
RIBEIRO, J.; NUNES, N. DISCURSOS SOBRE O BILINGUISMO EM CONTEXTO INTERCULTURAL DE ENSINO NA UNILA: DOIS PESOS E OUTRAS MEDIDAS. Cenas Educacionais, v. 3, p. e7481, 10 maio 2020.
Seção
Dossiê Temático - Ensino e Discurso