TENDÊNCIA DE MORTALIDADE POR DOENÇAS ISQUÊMICAS CARDÍACAS NO DISTRITO FEDERAL DE 2010 A 2018

Palavras-chave: Doenças Cardiovasculares, Indicador de Mortalidade, Classificação Internacional de Doenças, Epidemiologia

Resumo

Esse estudo avaliou a tendência de mortalidade por Doenças Isquêmicas Cardíacas no Distrito Federal, conforme as variáveis faixa etária, sexo e distribuição geográfica por Região Administrativa do estado. Foi realizado estudo ecológico do tipo séries temporais, entre 2010 e 2018. No período estudado, foram contabilizados 7.645 óbitos para o desfecho, uma média de idade de 70,3 anos (±14,1 anos), com mediana de 72 anos. A maioria dos indivíduos encontrava-se na faixa etária maior ou igual a 60 anos (77,3%), era sexo masculino (57,9%), possuía de um a três anos de estudo (30,8%), era solteiro, viúvo ou divorciado (55%) e de raça/cor branca (53,2%). Em suma, identificou-se a tendência crescente de mortalidade geral e para pessoas do sexo masculino devido a Doenças Isquêmicas Cardíacas e estacionária para as faixas etárias investigadas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carolina Leite Ossege, Residente em Gestão de Políticas Públicas para a Saúde pela Escola Superior de Ciências da Saúde do Distrito Federal.

Consultora Técnica na Secretaria de Atenção Primária à Saúde do Ministério da Saúde.

Elaine Ramos de Moraes Rego, Especialista em Acupuntura pelo Centro Universitário Cidade Verde. Servidora na Secretaria Estadual de Saúde do Distrito Federal.

Servidora na Secretaria Estadual de Saúde do Distrito Federal

Delmason Soares Barbosa de Carvalho, Especialista em Saúde Coletiva pela Universidade de Brasília.

Servidor na Secretaria de Estado de Saúde do Distrito Federal.

Larissa Oliveira Proence, Mestre em ciências da saúde e biológicas pela Universidade Federal do Vale do São Francisco

Professora no Centro Universitário Uninassau

Priscilla Perez da Silva Pereira, Doutora em Ciências da Saúde pela Universidade de Brasília.

Professora na Universidade Federal de Rondônia.

Simone Seixas da Cruz, Doutora em Epidemiologia pela Universidade Federal da Bahia.

Professora na Universidade Federal do Recôncavo da Bahia.

Ana Cristina Machado, Especialista em Acupuntura pela Sociedade Médica Brasileira de Acupuntura.

Médica sanitarista na Secretaria de Saúde do Distrito Federal.

Ana Claudia Morais Godoy Figueiredo, Pós-Doutora em Saúde Coletiva e Doutora em Ciências da Saúde pela Universidade de Brasília

Servidora na Secretaria de Estado de Saúde do Distrito Federal

Referências

Organização Pan-Americana de Saúde. Doenças cardiovasculares - OPAS/OMS | Organização Pan-Americana da Saúde. Published 2017. Accessed June 13, 2020. https://www.paho.org/pt/topicos/doencas-cardiovasculares

Oliveira Jr. M, Canesin M, Marcolino M, et al. Diretriz de Telecardiologia no Cuidado de Pacientes com Síndrome Coronariana Aguda e Outras Doenças Cardíacas. Arq Bras Cardiol. 2015;104(5). doi:10.5935/abc.20150057

Mansur A de P, Favarato D. Trends in Mortality Rate from Cardiovascular Disease in Brazil, 1980-2012. Arq Bras Cardiol. Published online 2016. doi:10.5935/abc.20160077

Brant LCC, Nascimento BR, Passos VMA, et al. Variações e diferenciais da mortalidade por doença cardiovascular no Brasil e em seus estados, em 1990 e 2015: estimativas do Estudo Carga Global de Doença. Rev Bras Epidemiol. 2017;20(suppl 1):116-128. doi:10.1590/1980-5497201700050010

Silva FACC da, Bragança MLBM, Bettiol H, Cardoso VC, Barbieri MA, Silva AAM da. Socioeconomic status and cardiovascular risk factors in young adults: a cross-sectional analysis of a Brazilian birth cohort. Rev Bras Epidemiol. 2020;23:e200001. doi:10.1590/1980-549720200001

Brasil, Ministério da Saúde. Saúde Brasil Estados 2018: Uma Análise de Situação de Saúde Segundo o Perfil de Mortalidade Dos Estados Brasileiros e Do Distrito Federal. Ministério da Saúde; 2018.

DATASUS Departamento de Informática do SUS. TabNet Win32 3.0: Mortalidade - Brasil. Published 2020. Accessed May 20, 2020. http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/tabcgi.exe?sim/cnv/obt10uf.def

Brasil, Ministério da Saúde. Plano de Ações Estratégicas para o Enfrentamento das Doenças Crônicas Não Transmissíveis no Brasil - 2011 - 2022. Published online 2011.

IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. IBGE | Cidades@ | Distrito Federal | Brasília | Panorama. Published 2017. Accessed June 26, 2020. https://cidades.ibge.gov.br/brasil/df/brasilia/panorama

Baena CP, Chowdhury R, Schio NA, et al. Ischaemic heart disease deaths in Brazil: current trends, regional disparities and future projections. Heart. 2013;99(18):1359-1364. doi:10.1136/heartjnl-2013-303617

Neumann JT, Goßling A, Sörensen NA, Blankenberg S, Magnussen C, Westermann D. Temporal trends in incidence and outcome of acute coronary syndrome. Clin Res Cardiol Off J Ger Card Soc. 2020;109(9):1186-1192. doi:10.1007/s00392-020-01612-1

Ben Ayed H, Ben Jemaa M, Trigui M, et al. Cardiovascular diseases in Southern Tunisia: current trends and future projections. Tunis Med. 2019;97(5):659-666.

Soares GP, Klein CH, Silva NA de S e, Oliveira GMM de. Evolution of Mortality from Diseases of the Circulatory System and of Gross Domestic Product per Capita in the Rio de Janeiro State Municipalities. Int J Cardiovasc Sci. Published online 2018. doi:10.5935/2359-4802.20180003

BRASIL, Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde. Vigitel Brasil 2018: Vigilância de Fatores de Risco e Proteção Para Doenças Crônicas Por Inquérito Telefônico : Estimativas Sobre Frequência e Distribuição Sociodemográfica de Fatores de Risco e Proteção Para Doenças Crônicas Nas Capitais Dos 26 Estados Brasileiros e No Distrito Federal Em 2018.; 2019.

Nowbar AN, Gitto M, Howard JP, Francis DP, Al-Lamee R. Mortality From Ischemic Heart Disease. Circ Cardiovasc Qual Outcomes. 2019;12(6):e005375. doi:10.1161/CIRCOUTCOMES.118.005375

Mussi F, Teixeira J. Ischemic heart disease and masculinity as cardiovascular risk factors. Rev Cuba Enferm. 2018;34.

Parkinson J, Minton J, Bouttell J, Lewsey J, Shah A, McCartney G. Do age, period or cohort effects explain circulatory disease mortality trends, Scotland 1974-2015? Heart Br Card Soc. 2020;106(8):584-589. doi:10.1136/heartjnl-2019-315029

Gaui EN, Klein CH, Oliveira GMM de. Proportional mortality due to Heart Failure and Ischemic Heart Diseases in the Brazilian Regions from 2004 to 2011. Arq Bras Cardiol. Published online 2016. doi:10.5935/abc.20160119

Brazil. Plano de Ações Estratégicas Para o Enfrentamento Das Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNT) No Brasil: 2011-2022. 1a edição. Ministério da Saúde; 2011.

Cesse EÂP, Carvalho EF de, Souza WV de, Luna CF. Tendência da mortalidade por doenças do aparelho circulatório no Brasil: 1950 a 2000. Arq Bras Cardiol. 2009;93(5):490-497. doi:10.1590/S0066-782X2009001100009

Publicado
2021-07-24
Métricas
  • Visualizações do Artigo 258
  • PDF downloads: 173
Como Citar
Leite Ossege, C., Cristina Franco, A., Ramos de Moraes Rego, E., Soares Barbosa de Carvalho, D., Oliveira Proence, L., Estrela Tuy Batista, J., Perez da Silva Pereira, P., Silva Souza, E., Seixas da Cruz, S., Cristina Machado, A., & Figueiredo, A. C. M. G. (2021). TENDÊNCIA DE MORTALIDADE POR DOENÇAS ISQUÊMICAS CARDÍACAS NO DISTRITO FEDERAL DE 2010 A 2018. Práticas E Cuidado: Revista De Saúde Coletiva, 2, e11762. Recuperado de https://www.revistas.uneb.br/index.php/saudecoletiva/article/view/11762
Seção
Artigos (FLUXO CONTíNUO)