PERFIL DE MORTALIDADE POR CAUSAS EXTERNAS NO ESTADO DA BAHIA DURANTE O PERÍODO DE 2010 A 2019

Palavras-chave: Causas Externas, Sistemas de Informação, Mortalidade

Resumo

Objetivo: Avaliar o perfil de mortalidade por causas externas na Bahia durante o período de 2010 a 2019. Metodologia: Estudo ecológico descritivo, com base na análise secundária de informações disponíveis no Sistema de Informação sobre Mortalidade no período correspondente de 2010 a 2019 no estado da Bahia. A análise dos dados foi realizada mediante utilização do software Microsoft Office Excel® onde os dados foram tabulados e, posteriormente, encaminhados para análise no software Statistical Package for the Social Sciences®. Resultados: Observou-se um total de 129036 óbitos decorrentes das causas externas, os anos de 2017, 2016 e 2012 foram os que mais notificaram óbitos. Salvador, Feira de Santana e Vitória da Conquista representaram os municípios com indicadores mais elevados de mortalidade dentro do período temporal avaliado. Analisando o perfil das vítimas, indivíduos do sexo masculino, de cor não branca, solteiros, com faixa etária de 20 a 29 anos e escolaridade entre 4 a 7 anos foram os principais acometidos. As principais causas de óbitos segundo o CID-10 foram as agressões e acidentes. A via pública, o ambiente hospitalar e o domicílio se configuraram como principais locais de mortes. Conclusão: Indivíduos do sexo masculino, de cor não branca, solteiros, com faixa etária de 20 a 29 anos, e escolaridade entre 4 a 7 anos foram os mais propensos a mortalidade por causas externas no estado da Bahia durante a última década. Esses resultados evidenciam a importância de políticas públicas voltadas especialmente para essa população vulnerável.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Flávia Souto Figueiredo Nepomuceno, Mestranda pelo Programa de Pós-Graduação em Farmácia da Universidade Federal da Bahia

Farmacêutica pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia.

Mariana Souto Figueiredo, Mestranda pelo Programa de Pós-graduação em Saúde Coletiva da Universidade Federal da Bahia

Cirurgiã-dentista pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia

Veríssimo Santos de Jesus, Mestrando em Educação Física pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia

Profissional de Educação Física pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia.

Referências

Gonsaga, R. A. T, Rimoli, C. F, Pires, E. A, Zogheib, F. S., Fujino, M. V. T, & Cunha, M. B. (2012). Avaliação da mortalidade por causas externas. Revista do Colégio Brasileiro de Cirurgiões, 39(4), 263-267. https://doi.org/10.1590/S0100-69912012000400004.

Cardoso, S, Gaertner, M. H. D. C. N, Haritsch, L, Henning, E, Kropiwiec, M. V, & Franco, S. C. (2020). Perfil e evolução da mortalidade por causas externas em Joinville (SC), 2003 a 2016. Cadernos Saúde Coletiva, 28(2), 189-200. https://doi.org/10.1590/1414-462x202028020115.

Marques, S. H, Souza, A. C, Vaz, A. A, Pelegrini, A. H. W, & Linch, G. F. C. Mortalidade por causas externas no brasil de 2004 a 2013. (2017). Revista Baiana de Saúde Pública, v. 41, n. 2. https://doi.org/10.22278/2318-2660.2017.v41.n2.a2368.

World Health Organization. Injuries and violence: the facts. (2014). [Internet]. Geneva: WHO; [acesso em 22 fev. 2021]. Disponível em: http://apps.who.int/iris/handle/10665/149798.

Brasil. Sistema Único de Saúde. Departamento de Informática. Estatísticas vitais: mortalidade por causas externas. (2017). [Internet]. Brasília; [acesso em 22 fev. 2021]. Disponível em: http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/tabcgi.exe?sih/cnv/niuf.def.

Freitas, E. D. et al. Evolução e distribuição espacial da mortalidade por causas externas em Salvador, Bahia, Brasil. (2000). Cadernos de Saúde Pública, v. 16, p. 1059-1070. https://doi.org/10.1590/S0102-311X2000000400024.

Silva R. A. et al. Mortalidade por causas externas em jovens no estado da Bahia. (2018). Rev Fund Care [Online]. jan./mar.; 10(1):46-51. http://dx.doi.org/10.9789/2175-5361.2018.v10i1.46-51.

Brasil. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. População no Último censo (2010). [Internet]. Brasília; [acesso em 29 jun 2021]. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/ba/panorama

Corassa, R. B, Falci, D. M, Gontijo, C. F, Machado, G. V. C, & Alves, P. A. B. (2017). Evolução da mortalidade por causas externas em Diamantina (MG), 2001 a 2012. Cadernos Saúde Coletiva, 25(3), 302-314. https://doi.org/10.1590/1414-462x201700030258.

Tavares, J, Lovate, T, & Andrade, Í. Transição epidemiológica e causas externas de mortalidade na região sudeste do Brasil. (2018). GOT, Revista de Geografia e Ordenamento do Território, n. 15, p. 453-479. http://dx.doi.org/10.17127/got/2018.15.019.

Mendes, J. D. V. Mortalidade por causas externas no Estado de São Paulo de 2000 a 2016. (2019). BEPA;16(185):11-24. edição Nº 25.

Gomes, F. B, & Silva, J. M. Necropolíticas espaciais e juventude masculina: a relação entre a violência homicida e a vitimização de jovens negros pobres do sexo masculino. (2017). GEOUSP Espaço e Tempo [online]. v. 21, n. 3, p. 703-717.

Oliveira, L, Duarte, A. C. S, Silva, L. F. E. S, & Sugita, D. Avaliação da mortalidade por causas externas segundo a classificação internacional das doenças (CID) em Goiás, no período de 2009 a 2013. (2018). 6(1):10-22. https://doi.org/10.29237/2358-9868.2018v6i1.p10-22.

Balieiro, P. C. D. S, Silva, L. C. F. D, Sampaio, V. D. S, Monte, E. X. D, Pereira, E. M. D. S, Queiroz, L. A. F. D, & Costa, A. J. L. (2019). Fatores associados à mortalidade por causas inespecíficas e mal definidas no estado do Amazonas, Brasil, de 2006 a 2012. Ciência & Saúde Coletiva, 25, 339-352. https://doi.org/10.1590/1413-81232020251.27182017.

Ferreira E. C S, & Oliveira, N. M. de. Evasão escolar no ensino médio: causas e consequências. (2020). Sci Gen [Internet].;1(2):39-8. http://scientiageneralis.com.br/index.php/SG/article/view/v1n2a4.

De Oliveira Leal, N. M. (2019). Evasão escolar: as causas e as consequências de uma negligência social. Criar Educação, 8(2), 211-220. http://dx.doi.org/10.18616/ce.v8i2.5179.

Leite, L. C, Botelho, A. P, & Lima, B. Evasão escolar, drogas, criminalidade: os descaminhos na adolescência e suas articulações com questões do sujeito. (2019). Revista Educação e Cultura Contemporânea, v. 5, n. 10, p. 45-59.

Preis, L. C, Lessa, G, Tourinho, F. S. V, & Santos, J. D. (2018). Epidemiologia da mortalidade por causas externas no período de 2004 a 2013. Rev. Enfermagem, 12(3), 716-728.

Assis, J. M. V., Souza, T. J., Atanaka, M., & Souza, R. A. G. (2018). Mortalidade por causas externas em indígenas de mato grosso, de 2010 a 2016. Connection Line n.19. ISSN 1980-7341.

Publicado
2021-08-10
Métricas
  • Visualizações do Artigo 293
  • PDF downloads: 405
Como Citar
Nepomuceno, A. F. S. F., Figueiredo, M. S., & Jesus, V. S. de. (2021). PERFIL DE MORTALIDADE POR CAUSAS EXTERNAS NO ESTADO DA BAHIA DURANTE O PERÍODO DE 2010 A 2019. Práticas E Cuidado: Revista De Saúde Coletiva, 2, e10975. Recuperado de https://www.revistas.uneb.br/index.php/saudecoletiva/article/view/10975
Seção
Artigos (FLUXO CONTíNUO)