Gaiolas discursivas, educação e subjetividade

Palavras-chave: Gênero, Educação, Discurso, Subjetividades

Resumo

Este artigo tem como objetivo discutir a força da linguagem e o papel da educação na construção das subjetividades e das identidades de Gênero. Sendo a palavra marcadamente androcêntrica e fonte de renovados conflitos sociais, reveste-se de importância uma discussão sobre os sentidos dos discursos que permeiam a relação entre os sexos em seus processos de educação e disciplinamento, e sobre o papel da educação e da universidade na formação docente, na pesquisa e na transformação da realidade social, especialmente no que diz respeito à equidade de gênero. Defendendo a proposta de uma educação que abrace a subjetividade, esta reflexão é particularmente interessante por provocar discussões acerca das representações de gênero que têm se perpetuado através da educação e contribuído para a determinação de assimetrias, que inibem e coíbem nos sujeitos, o pleno exercício de suas identidades.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

APPLE, Michael W. Ideologia e Currículo. Porto Editora: Portugal, 1999.

BADINTER, Elisabeth. Um é o Outro. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1986.

BEAUVOIR, Simone. O segundo sexo. V.2. São Paulo: Nova Fronteira, 1980.

BOURDIEU. Pierre. A Dominação Masculina. In: Educação e Realidade.

Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Faculdade de Educação 20(2) jul./dez 1995.

BOURDIEU, Pierre.; BOLTANSKI, L. O Diploma e o cargo: relações entre o sistema de produção e o sistema de reprodução. In: NOGUEIRA, Maria Alice. Afrânio CATANI. (Org..). Pierre Bourdieu. Escritos de educação. Petrópolis: Vozes, 1998. p. 127-144.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais: pluralidade cultural, orientação sexual. Brasília: MEC/SEF, 1997.

BUENO, Silveira. Minidicionário da Língua Portuguesa. São Paulo: FTD, 2000.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: Feminismo e subversão da identidade. Tradução de Renato Aguiar. 3. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010.

CHIZZOTTI, Antônio. Pesquisa em Ciências Humanas e Sociais. São Paulo: Cortez, 1998. CONAE 2014. Disponível em: http://fne.mec.gov.br/images/doc_referencia_conae2014.pdf

FOUCAULT, Michel. Vigiar e Punir. Petrópolis: Vozes, 1977.

FOUCAULT, Michel. História da Sexualidade I: a vontade de saber. Rio de Janeiro, Edições Graal, 1988.

HARAWAY, Donna. O manifesto Ciborgue: a ciência, a tecnologia e o feminismo socialista nos finais do século XX. In: MACEDO, Ana Gabriela (org.). Gênero, Identidade e desejo: antologia crítica do feminismo contemporâneo. Lisboa: Cotovia, 1991.

HARDING, Sandra. A Instabilidade das Categorias Analíticas na Teoria Feminista. Revista Estudos Feministas, n. 1, 1993.

JAGGAR, Alison. Amor e conhecimento: a emoção na epistemologia feminista. In: JAGGAR, Alison; BORDO, Susan (Orgs.). Gênero, corpo e conhecimento. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 1997. p. 157–185.

LIMA E SOUZA, Ângela Freire de. Sexo e Identidade: Biologia não é o destino. In:

FAGUNDES, Tereza Cristina Pereira Carvalho (Org.). Ensaios sobre educação sexualidade e gênero. Salvador: Helvécia, 2005. p. 21-35.

LOURO, Guacira Lopes. Gênero, Sexualidade e Educação: uma perspectiva pós estruturalista. Petrópolis: Vozes, 1997.

LOURO, Guacira Lopes. Currículo, gênero e sexualidade – O “normal”, o “diferente” e o “excêntrico”. In: LOURO, Guacira Lopes; NECKEL, Jane Felipe; GOELLNER, Silvana Vilodre (Orgs.). Corpo, gênero e sexualidade: um debate contemporâneo na educação. Petrópolis, RJ: Vozes, 2003.

PERROT, Michele. Minha História das Mulheres. São Paulo: Contexto, 2008.

SARDA, Amparo Moreno. Em torno al androcentrismo em “la Historia”. In: El arquétipo viril protagonista de la história. Ejercicios de lectura no androcéntrica. Cuadernos Inacabados. Barcelona: La Sal, 1987. pp. 17-68 e 97-111.

SCOTT, Joan. Gênero: uma categoria útil para análise histórica. Recife: SOS Corpo, 1991.

SOIHET, Rachel; Soares, Rosana e Costa, Suely (trad.). A História das Mulheres. Cultura e poder das mulheres. Ensaio de historiografia. Revista Gênero. NUTEG. –Vol.2, no. 1. Niterói: Eduff, 2000. pp 7-30.

Publicado
2021-12-18
Métricas
  • Visualizações do Artigo 125
  • PDF (PORTUGUÊS) downloads: 41
Como Citar
Moreira, R. de C. C. (2021). Gaiolas discursivas, educação e subjetividade. Revista Multidisciplinar Do Núcleo De Pesquisa E Extensão (RevNUPE), 1(1), e202109. Recuperado de https://www.revistas.uneb.br/index.php/revnupe/article/view/13162
Seção
Dossiê: Produção e gestão do conhecimento em sexualidades, gênero e raça/etnias