Mapeamento dos estudos sobre lésbicas: um olhar para a produção escrita de professoras lésbicas

Palavras-chave: Lésbica, Professora lésbica, Lesbianiadade

Resumo

Desde uma perspectiva feminista, este estudo de caráter quanti-qualitativo tem o propósito de mapear produção intelectual sobre lésbicas observando quem escreve e o que é escrito sobre professoras lésbicas. Também é propósito de estudo mapear a produção intelectual de professoras lésbicas. Para tanto, assume a cartografia como método, a pesquisa bibliográfica e bibliometria como dispositivo. As fontes do estudo são o Catálogo de Teses e Dissertações da Cape,  Nuvem Sapatão e  Catálogo de Lésbicas que Pesquisam. O resultado é um mapa em aberto que aponta a invisibilidade da professora lésbica e da sua produção intelectual.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

CLARKE, Cheryl. “Lesbianism: An Act of Resistance.” The Columbia Reader on Lesbians and Gay Men in Media, Society, and Politics. Columbia University Press, 1990.

FIGUEIREDO, N. M. de. Desenvolvimento e avaliação de coleções. 2. ed. rev. e atual. Brasília: Thesaurus, 1998.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa/Antônio.4. ed. - São Paulo : Atlas, 2002.

GROSSI, Pillar O pensamento de Monique Wittig. Revista Caderno de Gênero e Diversidade. Salvador, v. 04, n. 02 - Abr. - Jun., p. 84-90, 2018.

HALL, Stuart. Quem precisa de identidade? In: SILVA, Tomaz Tadeu da. (Org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos Estudos Culturais. Petrópolis, RJ: Vozes, 1999. p.103-133

HARAWAY, Donna. Saberes localizados. Cadernos Pagu, v. 5, p. 7-41, 1995. Disponível em: http://Saberes localizados: a questão da ciência para o feminismo e o privilégio da perspectiva parcial | Cadernos Pagu (unicamp.br). Acesso em: 29 nov.2021.

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA (INEP). Brasília: MEC, 2020. Disponível em: http://www.inep.gov.br. Acesso em: 18 nov. 2021.

LEMOS, Ana Carla. Construção do estado da arte sobre as lésbicas no nordeste: uma (geo)política necessária. V Seminário Internacional Enlaçando Sexualidades. 2017.

LIEBGOTT, Camila Bonin, WEISS Raquel. Marcas de uma cultura lesbofóbica em narrativas de docentes lésbicas. Revista Diversidade e Educação, v. 8, n. 1, p. 284-310, Jan./Jun. 2020.

MACIAS-CHAPULA, Cesar A. O papel da informetria e da cienciometria e sua perspectiva nacional e internacional. Ci. Inf., Brasília , v. 27, n. 2, p. nd, 1998. Disponível em http:// SciELO - Brasil - O papel da informetria e da cienciometria e sua perspectiva nacional e internacional O papel da informetria e da cienciometria e sua perspectiva nacional e internacional. Acesso em :29 nov. 2021.

MACIEL, Patrícia Daniela. Lésbicas e professoras: modos de viver o gênero na docência. 2014 178 f. Tese (Doutorado em Educação) - Programa de Pós-Graduação em Educação. Faculdade Educação. Universidade Federal de Pelotas, 2014.

MOURA, Mariluce. Universidades Públicas realizam mais de 95% da ciência no Brasil. Ciência na rua, 2019. Disponível em: http://Universidades públicas respondem por mais de 95% da produção científica do Brasil - Ciência na Rua (ciencianarua.net). Acesso em: 29 nov. 2021.

MOTT, Luiz. O Lesbianismo no Brasil. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1987.

NAVARRO-SWAIN, Tania. O que é lesbianismo. São Paulo: Brasiliense, 2001.

PASSOS, Eduardo; KASTRUP, Virgínia; ESCÓSSIA, Liliana. Pistas do método da cartografia: pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2009.

RIBEIRO, Djamila. Lugar de fala. São Paulo: Sueli Carneiro: Polén, 2019.

RICH, Adrienne. Heterossexualidade compulsória e a existência lésbica. Revista Bagoas, n.5, 2010. Disponível em http:// Heterossexualidade compulsória e existência lésbica | Bagoas - Estudos gays: gêneros e sexualidades (ufrn.br). Acesso em: 29 nov.2º21.

SANTO S, Ana Cristina; SOUZA, Simone; FARIA, Thaís. Sapatão é revolução! Existências e resistências das lesbianidades nas encruzilhadas subalternas. Periódicos, n. 7, v. 1 maio-out. 2017 p. 01-05. Disponível em http:// Sapatão é revolução! Existências e resistências das lesbianidades nas encruzilhadas subalternas | Revista Periódicus (ufba.br). Acesso em : 29 nov. 2021.

SILVA, Zuleide Paiva. Sapatão não é bagunça: estudo sobre as organizações lésbicas da Bahia. Tese [Doutorado em Difusão do Conhecimento], UFBA, IFBA,UNEB, UEFS, SENAI-CIMATEC, LNCC, Salvador, 2016.

SILVA, Zuleide Paiva; SANTOS, Jaqueline Souza; SANTOS, Eduarda Araújo Souza; VIEIRA,Lucília Maria Lima. Cartografia da comunicação escrita de autoras lésbicas publicadas nos periódicos eletrônicos periódicos cadernos de gênero e diversidade, período de 2014 a 2018. RevIU–Revista Informação & Universidade, v.2, n.1 2020. Disponível em http:// Cartografia da Comunicação escrita de autoras lésbicas publicadas nos periódicos eletrônicos Periodicus e Cadernos de Gênero e Diversidade, período de 2014 a 2018 | RevIU. Revista Informação & Universidade (febab.org.br). Acesso em: 29 nov. 2021.

WITTIG, Monique. El pensamiento heterosexual y otros ensayos. 2. ed. Barcelona: Egales, 2010.

Publicado
2021-12-18
Métricas
  • Visualizações do Artigo 207
  • PDF (PORTUGUÊS) downloads: 221
Como Citar
Santos, J., & Silva, Z. (2021). Mapeamento dos estudos sobre lésbicas: um olhar para a produção escrita de professoras lésbicas . Revista Multidisciplinar Do Núcleo De Pesquisa E Extensão (RevNUPE), 1(1), e202104. Recuperado de https://www.revistas.uneb.br/index.php/revnupe/article/view/12541
Seção
Dossiê: Produção e gestão do conhecimento em sexualidades, gênero e raça/etnias