Pedagogia da Casa: memória e diálogo de saberes – primeiras notas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.31892/rbpab2525-426X.2019.v4.n11.p612-625

Palavras-chave:

Mulheres negras, Pedagogia da casa, Decolonialidade, Interseccionalidade, Cotidiano

Resumo

Neste artigo, tomamos as memórias, experiências cotidianas e saberes ancestrais, aprendidos no interior de casas chefiadas por mulheres negras, pobres e de periferia, como ponto de partida para o exercício de constituição de uma escrita e prática decolonial. Nosso intuito é, de par com a teoria da complexidade e da interseccionalidade, promover um diálogo de saberes que evidencie a existência de uma pedagogia potente no interior destas casas. A partir da construção de uma epistemologia da prática, de uma atividade auto/otobiográfica, consideramos e reconhecemos esta pedagogia como uma herança ancestral, como um campo de força capaz de assegurar a vida de grupos vulneráveis frente às políticas genocidas, mas também de inspirar práticas docentes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Priscila de Oliveira Xavier Scudder, Universidade Federal de Mato Grosso

Doutora em Educação. Professora do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de Mato Grosso, Rondonópolis, MT – Brasil. Coordenadora do Grupo de Pesquisa – Observatório: Poder, Cultura e Contemporaneidade

Referências

BOFF, Leonardo. Saber Cuidar. Ética do humano – compaixão pela terra. Petrópolis, RJ: Vozes, 1999.

CASTRO-GOMEZ, Santiago; GROSFOGUEL, Ramon. (Comp.). El giro decolonial: reflexiones para una diversidad epistémica más allá del capitalismo global. Bogotá: Siglo del Hombre Editores; Universidad Central; Instituto de Estudios Sociales Contemporáneos; Pontificia Universidad Javeriana; Instituto Pensar, 2009.

CERTEAU, Michel. A invenção do cotidiano: 2. morar, cozinhar. Petrópolis, RJ: Vozes, 2013.

CORBIN, Alain. Saberes e odores: o olfato e o imaginário social nos séculos XVIII e XIX. São Paulo: Companhia das Letras, 1987.

COUTO, Mia. Um rio chamado tempo, uma casa chamada terra. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.

DAVIS, Angela Y. Mulheres, raça e classe. São Paulo: Boitempo, 2016.

EVARISTO, Conceição. Poemas da recordação e outros movimentos. Belo Horizonte: Nandyala, 2008.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade. 3. O cuidado de si. Rio de Janeiro: Edicões Graal, 1985.

GROSFOGUEL, RAMÓN. Los derechos humanos y el antisemitismo después de Gaza. Bogotá: Universitas Humanística 2009. (texto em pdf).

MONTEIRO, Silas Borges. Uivo otobiográfico. Revista Linha Mestra, n. 31, p. 17-20, jan./abr. 2011.

NIETZSCHE, Friedrich. Além do bem e do mal. Tradução de Paulo César Lima de Souza. São Paulo: Cia. das Letras, 2009.

SCUDDER, Priscila de Oliveira Xavier. Pomeri: Espaço de Reclusão – Máquina de Guerra. Rio de Janeiro: Câmara Brasileira de Jovens Escritores, 2011.

Downloads

Publicado

2019-06-20

Como Citar

SCUDDER, P. de O. X. Pedagogia da Casa: memória e diálogo de saberes – primeiras notas. Revista Brasileira de Pesquisa (Auto)biográfica, [S. l.], v. 4, n. 11, p. 612–625, 2019. DOI: 10.31892/rbpab2525-426X.2019.v4.n11.p612-625. Disponível em: https://www.revistas.uneb.br/index.php/rbpab/article/view/5781. Acesso em: 21 fev. 2024.