Práticas da imagem e produção de vidas: insurgências curriculares visuais, estéticas e culturais nas redes

Autores

DOI:

https://doi.org/10.31892/rbpab2525-426X.2017.v2.n6.p535-548

Palavras-chave:

Chave, Cultura Visual, Selfies, Juventudes, escolas, currículos, visualidades

Resumo

Abordando aspectos teóricos da imagem e sua relevância na formação de indivíduos e coletivos, esse artigo pretende contribuir com os estudos da Cultura Visual & Educação, refletindo sobre criações, trânsito e efeitos de imagens caras a parte da juventude brasileira, nas redes sociais, autoimagem, selfies e de outras ordens. Apoiados em dois populares ídolos juvenis – Inês Brasil e o grupo de funk Bonde das Bonecas, criadores de suas imagens e detentores de notoriedade em meio à precariedade material, contraestética e de insurgência contra padrões imagéticos dominantes –, tomamos a circulação de suas imagens como notável militância visual, visto catalisarem e agregarem a simpatia de muitos jovens que, ao se sentirem representados, reproduzem imagens, falas e performances como afirmação identitária. Modos de ser e de aprender a ser que desafiam a atualização da educação escolar face às produções curriculares confrontadas e contaminadas pelas redes e visualidades.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Aldo Victorio Filho, UERJ

Graduado em Gravura pela Escola de Belas Artes UFRJ e Licenciado em Educação Artística. Mestre e Doutor em Educação pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro - UERJ. Professor visitante da Facultad de Belles Arts da Universitat de Barcelona Professor associado, Coordenador do curso de Licenciatura em Artes Visuais Docente do Programa de pós-graduação em Artes - PPGARTES e do Programa de pós-graduação em Educação - PROPED ambos da UERJ Líder do Grupo de Pesquisa Estudos Culturais em Educação e Arte: Linha de Pesquisa Juventude Líquida: estética/educação/acontecimento - UERJ/UFRRJ; Coordenador da Unidade de Desenvolvimento Tecnológico : Laboratório de Ensino da Arte (Instituto de Artes da UERJ) e Projeto Saúde e Arte (Unidade de Psiquiatria do Hospital Universitário Pedro Ernesto- UERJ) Pesquisador do Grupo de Pesquisa Cotidiano Escolar e Currículo - UERJ, Linha de Pesquisa Práticas curriculares cotidianas e emancipação social e do Grupo de Pesquisa Cultura Visual e Educação - UFG. Bolsista "Jovem cientista do nosso estado" FAPERJ e Procientista UERJ.

Rodrigo Torres do Nascimento, UERJ

Bacharel e licenciado em Artes Visuais pelo Instituto de Artes da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), especialista em Gênero e Sexualidade pelo Instituto de Medicina Social da Uerj em parceria com o Centro Latino-Americano em Sexualidade e Direitos Humanos e Mestre em Artes e Cultura Contemporânea pelo Programa de Pós-graduação em Artes da Uerj. Atua no Laboratório de Ensino da Arte da Uerj, no SubProjeto PIBID/UERJ Artes Visuais: Cidade e Arte, cidade em imagens, cidade e gente, cidade da gente e é professor de Artes Visuais da Educação Fundamental ao Ensino Médio no Instituto Marcos Richardson. 

Referências

AGGER, Ben. Oversharing: presentations of self in the internet age. Londres: Routledge, 2012.

BAUMAN, Zygmunt. Modernidade líquida. Tradução de Plínio Dentzien. Rio de Janeiro: Zahar, 2001.

BONDE DAS BONECAS. Facebook do Bonde das Bonecas. Disponível em: <https://www.facebook.com/Bonde-Das-Bonecas-395215143918871/ >. Acesso em: 13 jul. 2017.

BOURRIAUD, Nicolas. Estética relacional. Tradução de Denise Bottmann. Buenos Aires: Adriana Hidalgo, 2006.

CONNEL, Robert W. Políticas da masculinidade. Tradução de Tomaz Tadeu da Silva. Educação & Realidade, n. 20, v. 2, p. 185-206, 1995. Disponível em: <http://seer.ufrgs.br/index.php/educacaoerealidade/article/view/71725>. Acesso em: 01 abr. 2017.

DAWKINS, Richard. The selfish gene. Oxford: Oxford University Press, 1976.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Tradução de Tomaz Tadeu da Silva e Guacira Lopes Louro. Rio de Janeiro: DP&A, 2005.

HERNÁNDEZ, Fernando. A cultura visual como um convite à deslocalização do olhar e ao reposicionamento do sujeito. In: MARTINS, Raimundo; TOURINHO, Irene. (Orgs). Educação da cultura visual: conceitos e contextos. Santa Maria: Editora UFSM, 2011. p. 31-50.

INÊS BRASIL. Facebook da Inês Brasil. Disponível em: <https://www.facebook.com/OficialInesBrasil >. Acesso em: 13 jul. 2017.

LARROSA BONDÍA, Jorge. Notas sobre a experiência e o saber de experiência. Revista Brasileira de Educação, n. 19, p. 20-28, 2002. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rbedu/n19/n19a02.pdf>. Acesso em: 13 jul. 2017.

LOURO, Guacira Lopes. Teoria queer: uma política pós-identitária para a educação. Revista de Estudos Feministas, Florianópolis, v. 9, n. 2, p. 541-553, 2001. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/ref/v9n2/8639.pdf>. Acesso em: 13 jul. 2017.

MAFFESOLI, Michel. O tempo das tribos: o declínio do individualismo. Tradução de Maria de Lourdes Menezes. Rio de Janeiro: Forense, 2006.

MARCHE, Stephen. Sorry, your selfie isn’t Art. Esquire, 2013. Disponível em: <http://www.esquire.com/entertainment/a23557/selfies-arent-art/>. Acesso em: 13 jul. 2017.

MIRZOEFF, Nicholas. How to see the world: an introduction to images, from self-portraits to selfies, maps to movies, and more. Nova Iorque: Basic Books, 2015.

OLIVEIRA, Inês Barbosa de. Currículos praticados entre a regulação e a emancipação. Rio de Janeiro: DP&A, 2003.

PAIS, José Machado. Culturas juvenis. Lisboa: INCM, Imprensa Nacional Casa da Moeda, 1993.

VICTORIO FILHO, Aldo. Pesquisar o cotidiano é criar metodologias. Educação e sociedade, Campinas, v. 28, n. 98, p. 97-110, 2007. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/es/v28n98/a06v2898.pdf>. Acesso em: 13 jul. 2017.

Downloads

Publicado

2017-12-15

Como Citar

VICTORIO FILHO, A.; DO NASCIMENTO, R. T. Práticas da imagem e produção de vidas: insurgências curriculares visuais, estéticas e culturais nas redes. Revista Brasileira de Pesquisa (Auto)biográfica, [S. l.], v. 2, n. 6, p. 535–548, 2017. DOI: 10.31892/rbpab2525-426X.2017.v2.n6.p535-548. Disponível em: https://www.revistas.uneb.br/index.php/rbpab/article/view/3869. Acesso em: 4 mar. 2024.