“Minha vida daria um filme?” – uma viagem entre as fronteiras da realidade e da ficção

Evanilson Gurgel, Marlécio Maknamara

Resumo


À primeira vista, realidade e ficção parecem ser termos imiscíveis, difíceis de serem colocadas lado a lado, principalmente no que diz respeito à ação de narrar nossas histórias de vida. Conduzimos a partir desse artigo uma viagem por entre as fronteiras da realidade e da ficção, identificando e diluindo essas barreiras. Para tanto, traçamos uma discussão sobre o lugar cativo das histórias de vida, o dispositivo da memória e a biografemática. A partir dessas frentes, o objetivo geral do texto é esboçar algumas possibilidades de reinvenção de nossas histórias de vida. A linguagem cinematográfica do diretor cearense Karim Aïnouz emerge no texto como possibilidade imagética de conexão entre o real e o ficcional. Como de fato trata-se de uma viagem, o texto é intercalado por diários de bordo de Major Tom, personagem criado através da fusão dos autores do texto, inspirados no processo de escrita a dois de Deleuze e Guattari (2012), e que traz alguns relatos autobiográficos concatenados ao que é discutido. Por fim, concluímos que é possível se situar entre realidade e ficcionalidade, em nossas histórias de vida, transubstanciando o rotineiro em fantástico.


Palavras-chave


realidade; ficção; memórias; biografemática; cinema.

Texto completo:

PDF

Referências


BARTHES, Roland. Análise estrutural da narrativa. Tradução de Maria Zélia Barbosa Pinto. Petrópolis, RJ: Vozes, 2011.

CHAVES, Silvia Nogueira. Reencantar a ciência, reinventar a docência. São Paulo: Editora da Física, 2013.

COSTA, Luciano Bedin da. Biografema como estratégia biográfica: escrever uma vida com Nietzsche, Deleuze, Barthes e Henry Miller. 2010. 179 f. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2010.

COUTO, Mia. Cada homem é uma raça. São Paulo: Companhia das Letras, 2013.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia. Tradução de Ana Lúcia de Oliveira, Aurélio Guerra Neto e Célia Pinto Costa. v. 1. São Paulo: Ed. 34, 2011.

DELEUZE, Gilles. Proust e os signos. Tradução de Antônio Piquet e Roberto Machado. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2003.

DELEUZE, Gilles. A imagem-tempo: cinema II. Tradução de Eloisa de Araújo Ribeiro. São Paulo: Brasiliense, 2007.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mil Platôs: capitalismo e esquizofrenia. Tradução de Suely Rolnik. v. 4. São Paulo: Ed. 34, 2012.

DINIZ, Felipe Xavier. O filme Jogo de cena e o corredor de espelhos. Revista Verso e Reverso, São Leopoldo, Universidade do Vale do Rio dos Sinos, v. 25, n. 59, p. 123-128, mai./ago. 2011. Disponível em: . Acesso em: 03 out. 2017

FELLINI, Federico. Entrevista sobre o cinema. Realizada por Giovanni Grazzini. Tradução de José Alberto de Lima Campos. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1986.

FOUCAULT, Michel. Sobre a genealogia da ética: uma revisão do trabalho. In: DREYFUS, H.; RABINOW, P. Michel Foucault, uma trajetória filosófica. Para além do estruturalismo e da hermenêutica. Tradução de Vera Porto Carrero. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1995. p. 253-278.

FOUCAULT, Michel. Do governo dos vivos. In: ______. Resumo dos cursos do Collège de France (1970-1982). Tradução de Andrea Daher. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1997. p. 99-106.

FOUCAULT, Michel. A vida dos homens infames. In: ______. Estratégia, poder-saber. Ditos e escritos IV. Tradução de Manoel Barros da Motta. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2003. p. 203-222.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade I: a vontade de saber. Tradução de Maria Thereza da Costa Albuquerque e J. A. Guilhon Albuquerque. Rio de Janeiro; São Paulo: Paz & Terra, 2017a.

FOUCAULT, Michel. Verdade e poder. In: ______. Microfísica do poder. Tradução de Roberto Machado. Rio de Janeiro: Paz & Terra, 2017b. p. 35-55.

GALVÃO, Cecília. Narrativas em Educação. Ciência & Educação, Bauru, Universidade Estadual Paulista, v. 11, n. 2, p. 327-345, mai./ago. 2005. Disponível em: . Acesso em: 03 out. 2017

GONÇALVES, Jadson Fernando Garcia. Biografemática e formação: fragmentos de escrita de uma vida. 2013. 132 f. Tese (Doutorado em Educação) – Instituto de Ciências da Educação, Universidade Federal do Pará, Belém, 2013.

KEROUAC, Jack. On the road (Pé na estrada). Tradução, introdução e posfácio de Eduardo Bueno. Porto Alegre: L&PM, 2011.

KOHAN, W. O. Imagens da infância para (re)pensar o currículo. Revista Sul-americana de filosofia e educação, Brasília, Universidade de Brasília, s/v., n. 1, p. 1-9, nov. 2003. Disponível em: . Acesso em: 03 out. 2017

LARROSA, Jorge; SKLIAR, Carlos. Habitantes de Babel: políticas e poéticas da diferença. Tradução de Semíramis Gorini da Veiga. Belo Horizonte: Autêntica, 2001.

LIMA, Maria Emília Caixeta de Castro; GERALDI, Corinta Maria Grisolia.; GERALDI, João Wanderley. O trabalho com narrativas na investigação em educação. Educação em Revista, Belo Horizonte, Universidade Federal de Minas Gerais, v. 31, n. 1, p. 17-44, jan./mar. 2015. Disponível em: . Acesso em: 03 out. 2017

LOURO, Guacira Lopes. Corpo, escola e identidade. Educação e Realidade, Porto Alegre, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, v. 25, n. 2, p. 59-75, jul./dez. 2000. Disponível em: . Acesso em: 03 out. 2017.

LOURO, Guacira Lopes. Sexualidade e gênero na escola. In: SCHMDIT, Saraí. (Org.). A educação em tempos de globalização. Rio de Janeiro: DP&A, 2001. p. 69-73.

LOURO, Guacira Lopes. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista. Petrópolis, RJ: Vozes. 2003.

LOURO, Guacira Lopes. Gênero, sexualidade e educação: das afinidades políticas às tensões teórico-metodológicas. Educação em Revista, Belo Horizonte, Universidade Federal de Minas Gerais, s/v., n. 46, p. 201-218, dez. 2007. Disponível em: . Acesso em: 03 out. 2017.

MAKNAMARA, Marlécio. Currículo, música e gênero: o que ensina o forró eletrônico? 2011. 152 f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2011.

MAKNAMARA, Marlécio. Narrativas (auto)biográficas e necessidades formativas de futuros docentes de ciências: reflexões preliminares para um objeto em construção. Tempos e Espaços em Educação, São Cristóvão, Universidade Federal de Sergipe, v. 8, n. 16, p. 99-107, mai./ago. 2015. Disponível em: . Acesso em: 03 out. 2017.

MAKNAMARA, Marlécio. Tornando-me um professor de biologia: memórias de vivências escolares. Educação em Foco, Juiz de Fora, Universidade Federal de Juiz de Fora, v. 21, n. 2, p. 495-522, mai./ago. 2016. Disponível em: . Acesso em: 03 out. 2017.

NORONHA, Luzia Machado Ribeiro. Entreretratos de Florbela Espanca: uma leitura biografemática. São Paulo: Annablume; FAPESP, 2001.

NÓVOA, Antônio. Desafios do trabalho do professor no mundo contemporâneo: palestra de Antônio Nóvoa. São Paulo: Sinpro, 2007. Disponível em: . Acesso em: 21 nov. 2017.

PARAÍSO, Marlucy A. Currículo e mídia: a produção de um discurso para e sobre a escola. Educação em Revista, Belo Horizonte, Universidade Federal de Minas Gerais, s/v., n. 34, p. 67-84, 2000.

PARAÍSO, Marlucy A. Currículo e mídia educativa brasileira: poder, saber e subjetivação. Chapecó: Argos, 2007.

PASSEGGI, Maria da Conceição. Narrar é humano! Autobiografar é um processo civilizatório. In: PASSEGGI, Maria da Conceição; SILVA, Vivian Batista. (Orgs.). Invenções de vida, compreensão de itinerários e alternativas de formação. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2010. p. 103-130.

PEREIRA, Marcos V. et al. Influências nos escritos sobre formação de professores. In: OLIVEIRA, Valeska Fortes. (Org.). Narrativas e saberes docentes. Ijuí: Unijuí, 2006. p. 67-92.

PROUST, Marcel. Em busca do tempo perdido: No caminho de Swann. Tradução de Mario Quintana. v. 1. São Paulo: Globo, 2006.

ROSE, Nikolas. Governando a alma: a formação do eu privado. In: SILVA, Tomaz Tadeu da. (Org.). Liberdades reguladas: a pedagogia construtivista e outras formas de governo do eu. Petrópolis, RJ: Vozes, 1998. p. 30-45.

ROSE, Nikolas. Inventando nossos eus. In: SILVA, Tomaz Tadeu da. (Org.). Nunca fomos humanos: nos rastros do sujeito. Belo Horizonte: Autêntica, 2001a. p. 137-204.

ROSE, Nikolas. Como se deve fazer a história do eu? Educação & Realidade, Porto Alegre, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, v. 26, n. 01, p. 33-57, jan./jul. 2001b. Disponível em: . Acesso em: 03 out. 2017.

SARAMAGO, José. Biografias. 2008. Disponível em: . Acesso em: 09 mai. 2017.

SILVA, Tomaz Tadeu da. Documentos de identidade: uma introdução às teorias do currículo. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2016.

TORRES, Fernanda. Sete anos: crônicas. São Paulo: Companhia das Letras, 2014.

VIART, Dominique. Genealogia y filiaciones. Cuadernos hispanoamericanos, Madrid, n. 625-626, p. 118-207, jul./ago. 2002. Disponível em: . Acesso em: 21 nov. 2017.

WILDE, Oscar. O retrato de Dorian Gray. Rio de Janeiro: L&PM, 2001.




DOI: http://dx.doi.org/10.31892/rbpab2525-426X.2017.v2.n6.p565-582

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Indexadores: 

 

 

Portal SEER

Revista Brasileira de Pesquisa (Auto)Biográfica - RBPAB - Qualis B2 Educação

 A Revista Brasileira de Pesquisa (Auto)Biográfica é publicada sob a licença Creative Commons de  Atribuição-NãoComercial CC BY-NC