Selfie e a tessitura de imagens e currículos individuaiscoletivos nas/com as redes educativas

Maria da Conceição Silva Soares, Vanessa Maia Barbosa de Paiva, João Barreto da Fonseca

Resumo


Este artigo trabalha com o objetivo de pensar as propriedades de um campo especial de imagens conhecido como selfie, o qual, mais do que um registro fotográfico de si próprio, caracteriza-se pela busca de autoapresentação e conexão com o outro, em redes sociais digitais. Metodologicamente, a partir de pesquisas bibliográficas e iconográficas, analisa as mudanças que sua produção e distribuição provocam na percepção, de modo a produzir um sensorium que é acompanhado de novas configurações, éticas e estéticas, marcadas por uma forte exposição de si, bem como por um afrouxamento de tabus sobre a intimidade, inserindo o corpo no processo de comunicação e, dessa forma, na tessitura das narrativas do presente. As configurações atuais também desarticulam questões referentes à representação que, por muito tempo, dominaram os debates relativos à imagem. Para concluir, sugere que a prática de fazer, divulgar, compartilhar e comentar selfies é complexa e paradoxal, por não ser apenas individual, mas também fruto de modelizações, de memórias, de retóricas e de maneiras de narrar e constituir currículos individuaiscoletivos, em processos de permanente criação de si e de mundos.


Palavras-chave


Selfie; Percepção; Corpo; Conexão; Memória; Tessitura do presente.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, Nilda. Imagens das escolas: sobre redes de conhecimentos e currículos escolares. Educar em Revista, Curitiba, Editora da UFPR, n. 17, p. 53-62, jan./jun. 2001. Disponível em: . Acesso em: 20 abr. 2017.

ALVES, Nilda. A compreensão de políticas nas pesquisas com os cotidianos: para além dos processos de regulação. Educação & Sociedade, Campinas, v. 31, n. 113, p. 1195-1212, out./dez. 2010. Disponível em: . Acesso em: 10 mai. 2017.

BARTHES, Roland. A câmara clara: nota sobre a fotografia. Tradução de Júlio Castanõn. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1984.

BERGSON, Henri. Matéria e memória. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

BRUNO, Fernanda. Circuitos de vigilância: controle, libido e estética. In: LEAL, Bruno Souza; MENDONÇA, Carlos Camargos; GUIMARÃES, César. (Orgs.). Entre o sensível e o comunicacional. Belo Horizonte: Autêntica, 2010. p. 253-273.

CANCLINI, N. G. Fotografia e ideologia: seus pontos comuns. In: FUNARTE/INFOTO. Feito na América Latina – II Colóquio Latino-Americano de Fotografia (México, 1981). Rio de Janeiro/México, Ministério da Cultura/Conselho Mexicano de Fotografia, 1987.

CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano: 1. Artes de fazer. Petrópolis, RJ: Vozes, 1994.

DELEUZE, Gilles. Diferença e repetição. Rio de Janeiro: Graal, 1988.

DIDI-HUBERMAN, Georges. A sobrevivência dos vagalumes. Belo Horizonte, MG: Editora UFMG, 2011.

DIDI-HUBERMAN, Georges. “As imagens não são apenas coisas para representar”. Entrevista concedida a Verônica Engler. Disponível em: . Acesso em: 19 jun. 2017.

DUBOIS, Phillipe. O ato fotográfico e outros ensaios. São Paulo: Senac, 2010.

FRANCASTEL, Pierre. A realidade figurativa. São Paulo: Perspectiva, 1993.

FLUSSER, Vilém. A filosofia da caixa preta: ensaios para uma futura filosofia da fotografia. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 2002.

FRANÇA, Vera. Sujeito da comunicação, sujeitos em comunicação. In. GUIMARÃES, César; FRANÇA, Vera. (Orgs). Na mídia, na rua: narrativas do cotidiano. Belo Horizonte: Autêntica, 2006. p. 61-88.

GONÇALVES, Marco Antônio; HEAD, Scott. Devires imagéticos: a etnografia, o outro e suas imagens. Rio de Janeiro: 7Letras, 2009. p. 5-35.

GUIMARÃES, César. O que ainda podemos esperar da experiência estética. In: GUIMARÃES, César. (Org.). Comunicação e experiência estética. Belo Horizonte: UFMG, 2006. p. 13-26.

GUMBRECHT, Hans Ulrich. Produção de presença: o que o sentido não consegue transmitir. Tradução de Ana Isabel Soares. Rio de Janeiro: Contraponto; Ed. PUC-Rio, 2010.

JENKINS, Henry. Cultura da convergência. São Paulo: Aleph, 2009.

KOSSOY, Boris. Os tempos da fotografia: o efêmero e o perpétuo. Cotia, SP: Ateliê Editorial, 2007.

MARTINS, José de Souza. Sociologia da fotografia e da imagem. São Paulo: Contexto, 2008.

MINK, Janis. Duchamp. São Paulo: Taschen, 2000.

MISKOLCI, Richard. A gramática do armário: notas sobre segredos e mentiras em relações homoeróticas masculinas mediadas digitalmente. In: PELÚCIO, Larissa et al. (Orgs.). Olhares plurais para o cotidiano: gênero, sexualidade e mídia. Marília, SP: Oficina Universitária; São Paulo: Cultura Acadêmica, 2012. p. 32-52.

NICHOLS, Bill. La representacion de la realidad: cuestiones y conceptos sobre el documental. Barcelona: Paidós, 1997.

RANCIÈRE, Jacques. A partilha do sensível: estética e política. São Paulo: Editora 34, 2009. p. 07-13.

REZENDE, Luiz Augusto. Microfísica do documentário: ensaio sobre criação e ontologia do documentário. Rio de Janeiro: Beco do Azougue, 2013.

RODRIGUES, Nelson; CASTRO, Ruy. Flor de obsessão: as 1000 melhores frases de Nelson Rodrigues. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

ROSÁRIO, Nísia Martins do. O corpo eletrônico. Intexto, Porto Alegre, UFRGS, v. 1, n. 18, p. 1-13, jan./mai. 2008.

SOARES, Maria da Conceição Silva Soares. A comunicação praticada com o cotidiano da escola. Vitória: EspaçoLivros, 2009.

SONTAG, Susan. Sobre fotografia. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.

VILLAÇA, Nízia. A edição do corpo: tecnociência, artes e moda. Barueri, SP: Estação das Letras, 2007.

WULF, Christoph. Homo pictor: imaginação, ritual e aprendizado mimético no mundo globalizado. Tradução de Vinicius Spricigo. São Paulo: Hedra, 2013.




DOI: http://dx.doi.org/10.31892/rbpab2525-426X.2017.v2.n6.p549-564

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Indexadores: 

 

 

Portal SEER

Revista Brasileira de Pesquisa (Auto)Biográfica - RBPAB - Qualis B2 Educação

 A Revista Brasileira de Pesquisa (Auto)Biográfica é publicada sob a licença Creative Commons de  Atribuição-NãoComercial CC BY-NC