Trajetória de uma professora de inglês em meio a orientações e políticas contraditórias

Autores

DOI:

https://doi.org/10.31892/rbpab2525-426X.2022.v7.n21.p371-388

Palavras-chave:

Ensino de inglês. Políticas Educacionais. Formação Docente. Narrativas Autobiográficas.

Resumo

O presente estudo abarca o ensino de Língua Inglesa na escola pública pautado pelas políticas educacionais e, de certo modo, acerca dos aspectos que envolvem a formação docente por meio da reflexão sobre a ação. A pesquisa teve como objetivo analisar o percurso e os desafios docentes enfrentados mediante a proposição das políticas educacionais referentes ao ensino de inglês na escola pública estadual em uma perspectiva autobiográfica. Dada a relevância da pesquisa, selecionamos: o estado do conhecimento; a análise documental; a escrita de narrativas pela própria pesquisadora. Como forma de ancorar este estudo, foi delineada uma análise crítico-reflexiva das instabilidades e contrariedades apresentadas pelas políticas educacionais vigentes e anteriores no que diz respeito ao ensino de língua inglesa no contexto da escola pública estadual. Ademais, foram apresentados exemplos práticos nas narrativas a fim de comprovar que o ensino e aprendizagem da língua inglesa na escola pública pode e deve ocorrer, se respeitadas as singularidades de cada estudante a partir do protagonismo estudantil pautado na afetividade e na empatia. A partir daí, tornou-se evidente a necessidade de o professor ter vez e voz no ambiente escolar, não somente mediante as intervenções pedagógicas em sala de aula.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Érica Gois Nicochelli, Universidade do Oeste Paulista

Mestra em Educação pela Universidade do Oeste Paulista (Unoeste). Professora de Língua Inglesa da Educação Básica nas redes estadual e municipal. Membro do Grupo de Estudo e Pesquisa em “Políticas e práticas de formação de professores: uma investigação em torno de sua capacidade de responder aos novos desafios docentes”.

Cristiano Amaral Garboggini Di giorgi, Universidade do Oeste Paulista

Doutor em Educação pela Universidade de São Paulo (USP). Professor Titular pela Universidade Estadual Paulista (Unesp); docente do Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE) na Universidade do Oeste Paulista (Unoeste). Membro do Grupo de Estudo e Pesquisa em “Políticas e práticas de formação de professores: uma investigação em torno de sua capacidade de responder aos novos desafios docentes”. 

Referências

ABRAHÃO, M. H. M. B.; FRISON, L. M. B.; Narrativas (auto)biográficas de formação e o entrelaçamento com a autorregulação da aprendizagem. In: ABRAHÃO, M. H. M. B. (Org.). (Auto)biografia e formação humana. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2010. p. 191-216.

ALMEIDA FILHO, J. C. P. Dimensões comunicativas no ensino de línguas. Campinas: Pontes, 1993.

BRASIL. Presidência da República. Lei n. 5.692, de 11 de agosto de 1971. Fixa Diretrizes e Bases para o ensino de 1º e 2º graus, e dá outras providências. Ensino de 1º e 2º grau. Brasília: MEC, 1971.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de novembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 23 dez. 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L9394.htm Acesso em: ago. 2019.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais: terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental: Língua estrangeira. Brasília: Secretaria de Educação Fundamental, 1998.

BRASIL. Ministério da Educação e Secretaria de Educação. Parâmetros Curriculares Nacionais: Ensino Médio. Brasília: MEC; SEMTEC, 2002.

CHARLOT, B. Da relação com o saber: elementos para uma teoria. Porto Alegre: Artmed, 2000.

DENZIN, N. K.; LINCOLN, Y. S. Introdução: a disciplina e a prática da pesquisa qualitativa. In: DENZIN, N. K.; LINCOLN, Y. S. (orgs.). O planejamento da pesquisa qualitativa: teorias e abordagens. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 2006.

DOMINICÉ, P. A biografia educativa: instrumento de investigação para a educação de adultos. In: NÒVOA, A.; FINGER, M. O método (auto)biográfico e a Formação. Natal, EDUFRN; São Paulo: Paulus, 2010.

DONNINI, L.; PLATERO, L.; WEIGEL, A. Ensino de língua inglesa. São Paulo: Cengage Learning, 2010.

FÉLIX, A. Crenças de duas professoras de uma escola pública sobre o processo de aprender língua estrangeira. In: ALMEIDA FILHO, J. C. P (org.), O professor de língua estrangeira em formação. Campinas: Pontes, p. 93-110, 1999.

FRANÇA, S. S. A. Políticas para formação de professores: reflexões sobre o estágio supervisionado- do legal ao real. 135 f. 2012. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade Estadual Paulista, Presidente Prudente, 2012.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

GUERREIRO, M. M. Abordagem neurológica na síndrome do X-frágil [Tese de Doutorado]. Campinas: Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Estadual de Campinas, 1993.

HAYDT, R. C. C. Avaliação do processo ensino-aprendizagem. 6. ed. São Paulo: Ática, 1997.

JOSSO, M. C. A transformação de si a partir da narração de histórias de vida. Revista Educação, ano XXX, p. 413-438, 2007.

JOSSO, M. C. Experiência e vida e formação. 2. ed. Natal: EDUFRN; São Paulo, Paulus, 2010.

LEFFA, V. J. O ensino de línguas estrangeiras no contexto nacional. Contexturas. São Paulo: APLIESP, 1999. n. 4, p. 13-24. Disponível em: http://www.leffa.pro.br/textos/trabalhos/oensle.pdf Acesso em: maio 2020.

MOITA LOPES, L. P. Oficina de Lingüística Aplicada: a natureza social e educacional dos processos de ensino/aprendizagem de línguas. 2. ed. Campinas: Mercado de Letras, 1996.

NÓVOA, A; FINGER, M (org.). O método (auto)biográfico e a formação. Natal, RN: EDUFRN; São Paulo: Paulus, 2010.

PAIVA, V. L. M. O. A identidade do professor de Inglês. Apliemge: ensino e pesquisa. Uberlândia: Apliemge/Fapemig, n.1, p.9-17, 1997.

SCHLÜNZEN, E. T. M.; SCHLÜNZEN JUNIOR, K.; SANTOS, D. A. N.; REZENDE, A. M. S. S.; LIMA, A. V. I. Abordagem Construcionista, Contextualizada e Significativa: formação, extensão e pesquisa no processo de inclusão. 1. ed. Curitiba: Appris, 2020.

SOUZA, E. C. O conhecimento de si: estágio e narrativas de formação de professores. Rio de Janeiro: DP&A; Salvador: UNEB, 2006.

SOUZA, D. B. Os dilemas do professor iniciante: Reflexões sobre os cursos de formação inicial. Revista Multidisciplinar da UNIESP, Presidente Prudente, n. 08, dez. 2009. Disponível em: http://uniesp.edu.br/sites/_biblioteca/revistas/20180403122844.pdf. Acesso em: 01 ago. 2020.

STAKE, R. E. The art of case study research. Thousand Oaks: SAGE Publications, 1995.

Downloads

Publicado

2022-11-04

Como Citar

NICOCHELLI, Érica G.; DI GIORGI, C. A. G. Trajetória de uma professora de inglês em meio a orientações e políticas contraditórias. Revista Brasileira de Pesquisa (Auto)biográfica, [S. l.], v. 7, n. 21, p. 371–388, 2022. DOI: 10.31892/rbpab2525-426X.2022.v7.n21.p371-388. Disponível em: https://www.revistas.uneb.br/index.php/rbpab/article/view/10988. Acesso em: 1 mar. 2024.