O Retrato de Dorian Gray sob a perspectiva Pós-colonial

Larissa Lacerda de Sousa

Resumo


A crítica pós-colonial oferece uma ótica de análise que permite refletir, também a partir da literatura, como são retratados diferentes povos e nações envolvidos pelo Colonialismo e sua prática imperialista. A partir disso, podemos observar tanto textos literários que subvertem a lógica imperial, como textos que a reproduzem, analisando os aspectos desse contexto, tais como a outremização. Como a Inglaterra foi durante o século XIX o maior império colonizador do mundo, a literatura inglesa, principalmente deste período, por conseguinte, possui muitos reflexos desse cenário e serviu tanto para criticá-lo como para propagar a suposta superioridade dos ingleses. Diante disso, esta pesquisa analisa, através do viés Pós-colonial, a representação das relações coloniais presentes na obra O retrato de Dorian Gray, escrita pelo irlandês Oscar Wilde (1854-1900) e publicada em 1891, no final da Era Vitoriana. O principal objetivo é demonstrar como o narrador e as personagens apresentam marcas da mentalidade imperial e como a outremização influencia a descrição das personagens e dos espaços.

 


Palavras-chave


Palavras-chave: Literatura; Pós-colonialismo; Outremização; Oscar Wilde.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.



BABEL: Revista Eletrônica de Línguas e Literaturas Estrangeiras - ISSN 2238-5754 | Departamento de Educação DEDC II - Universidade do Estado da Bahia