A literatura cigana e as tecnologias de si: uma interpretação possível

A possible interpretation

Resumo

RESUMO: Este artigo se propõe a fazer uma breve análise do livro “El aliento negro de los romaníes”, de Jorge Nedich (2005), a partir das reflexões de autores que discutem o retorno do autor e a virada etnográfica. O que levou ao desenvolvimento desta produção foram as discussões em torno dos fundamentos da linguagem na tradição metafísica ocidental, considerando a problematização dos paradigmas da interpretação e das tecnologias de si, tendo o sujeito como o início da produção discursiva. O objetivo geral deste estudo é levantar na aludida obra literária os traços do povo rom (cigano) a partir da escrita de Jorge Nedich e da interpretação das pesquisadoras com base em estudiosos que discutem o tema. Dentre os autores que influenciaram e deram suporte teórico para realização deste estudo, destacam-se Foucault (1992), Klinger (2012) e Sória (2015). Os resultados apontaram para o fato de que é impossível se despir completamente de seus valores para se olhar o objeto de estudo, neste caso, o romance de Jorge Nedich, e que não há uma receita ou fórmula que assegure uma interpretação ideal, esperada pelo autor da obra; chegando-se a uma interpretação real, que é feita pelo leitor.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lorena Tavares, Universidade do Estado da Bahia

Mestranda em Estudo de Linguagens (UNEB - PPGEL), Mestre em Educação na Universidade Europeia no Brasil (UNIEUBRA), Especialista em Ciências da Educação pela Faculdade de Ensino Regional Alternativa (FERA), Especialista em Língua Espanhola pela Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS), Licenciada em Letras com Espanhol pela UEFS. Professora efetiva do quadro da Universidade do Estado da Bahia - UNEB. Coordenadora do Curso de Extensão em Língua Espanhola Avançada do Núcleo de Pesquisa e Extensão (NUPE-PROEX-UNEB).

Luciana Moreno, Universidade do Estado da Bahia - UNEB

Doujtora em Letras pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul / PUC-RS. Professora da Universidade do Estado da Bahia - UNEB. Desenvolve ações de extensão e pesquisa nas áreas de leitura literária, literatura e periferia e formação de leitores.

Referências

ARFUCH, Leonor. El espacio biográfico. Buenos Aires: Fondo de Cultura Económica, 2005.

CABALLERO, J.; JOSEPHS, A. Poema del Cante Jondo y Romancero Gitano. 16. ed. Madrid: Catedra, 1995.

CAPELLA, Mikka (pseud.). Romani dromá: caminhos ciganos. 1ª ed. Rio de Janeiro, RJ: Edição do autor, 2017, Edição Kindle.

COMPAGNON, Antoine. O Leitor. In: O demônio da teoria: literatura e senso comum. Tradução de Cleonice Paes Barreto Mourão e Consuelo Fortes Santiago. Belo Horizonte: UFMG, 2001.

FONSECA, Isabel. Enterrem-me em pé: os ciganos e a sua jornada. Tradução. José Rubens Siqueira, - São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

FOUCAULT, Michel. A escrita de si. In.: O que é o autor? FOUCAULT, Michel. Lisboa: Passagens, 1992, pp.129-160.

_________________. Sexualidade e solidão. In: MOTTA, M.B. (Org.). Ética, sexualidade, política. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2004a. p.92-103.

FREIRE, Marcelino. Rasif: Mar que arrebenta. Rio de Janeiro: Record, 2008.

GAMELLA, Juan Francisco. La inmigración ignorada: Romá / gitanos de Europa oriental en España, 1991-2006. In: Gazeta de Antropología, Granada, n°23, 2007.

KLINGER, Diana. Escritas de si, escritas do outro: o retorno e a virada etnográfica. 3ª ed. Rio de Janeiro: 7Letras, 2012.

NEDICH, Jorge. El aliento negro de los romaníes. 1ª ed. Buenos Aires: Planeta, 2005.

LÓPEZ OCÓN, Mónica. Nedich: "Los gitanos aún no somos sujetos de derecho". Periódico tiempo argentino, Argentina, 15 jul. 2018. Disponível em: https://www.tiempoar.com.ar/nota/jorge-nedich-los-gitanos-aun-no-somos-sujetos-de-derecho. Acesso em 13 set. 2019.

SANTIAGO, Silviano. Nas malhas da letra. Rio de Janeiro: Rocco, 2002 [1988].

SCHØLLHAMMER, Karl Erik. Ficção brasileira contemporânea. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2009.

SORIA, Ana Paula Castello Branco. “Juncos ao vento”: literatura e identidade romani (cigana): El alma de los parias, de Jorge Nedich. 2015. 331 f., il. Tese (Doutorado em Literatura) —Universidade de Brasília, Brasília, 2015. Disponível em: http://www.amsk.org.br/estudosepesquisa.html. Acesso em: 19 jul. 2019.

Publicado
2020-12-14
Métricas
  • Visualizações do Artigo 48
  • PDF downloads: 39
Seção
ARTIGOS