Palavras-imagens, escrita biográfica e os fantasmas de Derrida

Resumo

O impulso da presente escrita foi um olhar de Derrida, que parecia ver sem ser visto, em D’ailleurs Derrida. As palavras-imagens de alguém que já morreu, portanto, de seus espectros motivam as inquietações que norteiam o texto. São discutidos os conceitos de falagocentrismo, mal de arquivo e espectralidade, a partir das obras Gramatologia, Mal de Arquivo e Espectros de Marx, com o objetivo de pensar até que ponto a escrita, em especial a escrita biográfica, é permissiva aos espectros ou possibilita seu apagamento. Ao final, a questão sobre a intenção do autor que escreve, de garantir a permanência de sua própria existência ou apontar incansavelmente para o que permanece refratário à síntese analítica e histórica e à tendência ao arquivamento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Andreia Marin, Universidade Federal do Triângulo Mineiro

Docente no Instituto de Educação, Letras, Artes e Ciências Humanas e Sociais da Universidade Federal do Triângulo Mineiro - UFTM. 

Referências

BERNARDO, F. Derrida e o cinema. Revista Filosófica de Coimbra, n. 51, pp. 51-90, 2017.

BIRMAN, J. Arquivo e mal de arquivo: uma leitura de Derrida sobre Freud. Natureza Humana, v.10, n.1, p. 105-128, jan-jun, 2008

DERRIDA, J. Espectros de Marx: o estado da dívida, o trabalho do luto e a nova Internacional. Trad. Anamaria Skinner. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 1994.

___________. Documentário. In: FATHY, S. D’ailleurs Derrida (Documentaire). DVD (151 min). Paris: Gloria Films/Arte, 1999.

___________. Mal de arquivo: uma impressão freudiana. Trad. Claudia M. Rego, Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 2001.

___________. Gramatologia. Trad. Miriam Chnaiderman e Renato Janine. São Paulo: Perspectiva, 2017.

DIAS, F. L. Espectros de Derrida na ficção brasileira contemporânea: 1964 e seus fantasmas consistentes nas obras A resistência, de Julián Fuks, e Lavoura arcaica, de Raduan Nassar. Cadernos literários, n.2, v.1, p. 41-51, 2017.

FATHY, S. D’ailleurs Derrida (Documentaire). DVD (151 min). Paris: Gloria Films/Arte, 1999.

FREIRE, M. C. “O retorno dos fantasmas: arriscar um pensamento desconstrutivo do cinema”. In Atas do III Encontro Anual da AIM, editado por Paulo Cunha e Sérgio Dias Branco, 58-65. Coimbra: AIM, 2014.

HANDKE, P. A perda da imagem ou através da Sierra de Gredos. Trad. Simone H. Mello. São Paulo: Estação Liberdade, 2009.

McMULLEN, K.; MELLINGER, L.; OGIER, P. Ghost dance. 1983. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=JMQDUrQ6ctM. Acesso em 12/09/2020.

MILAN, B. Derrida caça os fantasmas de Marx. Entrevista: Especial para a Folha, de Paris. São Paulo: Folha de São Paulo, 26 de junho de 1994.

PAZ, R. G. Pensar as demandas: implicações ético-estéticas da espectrologia de Jacques Derrida nas teorias da narrativa. In: Anais da XV Abralic – Experiências literárias, textualidades contemporâneas, pp.2763-2774. Rio de Janeiro: UERJ, 2017.

PIMENTEL, D. A. Resenha de pensar em não ver. Alea, Rio de Janeiro, vol.17/1, p. 181-186, jan-jun 2015.

PINTO Neto, Moysés. A estranha instituição da literatura no multiverso dos espectros. Alea, Rio de Janeiro, v.17, n.1, pp.114-126, jan-jun 2015.

RIBEIRO, Marcelo. Derrida na Cahiers du Cinéma: "O cinema e seus fantasmas". Entre Imagens, n.17, dez.2014. Disponível em https://www.incinerrante.com/textos/jacques-derrida-e-os-fantasmas-do-cinema. Acesso em 25/09/2020.

Publicado
2020-12-15
Métricas
  • Visualizações do Artigo 45
  • PDF downloads: 50
Seção
DOSSIÊ TEMÁTICO