O jogo de cena da escritura no Grande sertão: veredas, de Guimarães Rosa: leituras derridianas

leituras derridianas

Resumo

Este artigo estuda a estrutura narrativa do romance Grande sertão: veredas, de João Guimarães Rosa, a partir da concepção de escritura (écriture) pensada por Jacques Derrida, bem como das considerações do filósofo sobre a instituição literária. Nossa hipótese de trabalho se concentra na ideia de que no Grande sertão: veredas o fenômeno da escritura é uma questão central. Partiremos de uma passagem da obra, que trata de uma carta enviada pela personagem Nhorinhá e que somente chega a seu destinatário, Riobaldo, quando já e tarde demais, para discutir a questão do evento e do acontecimento, segundo uma pergunta de Riobaldo sobre os efeitos da carta, caso ela tivesse chegado a tempo. A isso, chamaremos de “metáfora escritural”, que regula um pensamento sobre a escrita, em geral, e sobre a escritura literária, em particular. Com isso, Rosa nos adianta questões como traço, evento, devir, além de problematizar o “como se” da literatura, elementos organizadores de um saber próprio do literário. Finalmente, propomos a abordagem destas provocações de Guimarães Rosa em seu único romance como alguns dos modos de entrada na obra.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Paulo Cesar Silva de Oliveira, Universidade do Estado do Rio de Janeiro/FFP

Professor Adjunto de Teoria Literária da Universidade do Estado do Rio de Janeiro/FFP e membro permanente do Programa de Pós-Graduação em Letras e Linguística da UERJ/FFP (PPLIN). Bolsista de Produ-tividade em Pesquisa pelo CNPq (PQ) e Bolsista do Programa de Incentivo à Produção Técnica e Artística (PROCIÊNCIA) da FAPERJ. 

Referências

BENJAMIN, Walter. Magia e técnica, arte e política. Trad. Sérgio Paulo Rouanet. 4. ed. São Paulo: Brasiliense, 1985.

DERRIDA, Jacques. Dissemination. Chicago: The Chicago University Press, 1981.

______. Limited inc. Trad. Constança Marcondes Cesar. Campinas, SP: Papirus, 1991a.

______. A farmácia de Platão. Trad. Rogério da Costa. Trad. São Paulo: Iluminuras, 1991b.

______. Margens da filosofia. Trad. Joaquim Torres Costa; Antônio M. Magalhães. Revisão técnica Constança Marcondes Cesar. Campinas, SP: Papirus, 1991c.

______. A escritura e a diferença. Trad. Maria Beatriz Marques Nizza da Silva. 2. ed. São Paulo: Perspectiva, 1995a.

______. The ear of the other: otobiography, transference, translation. Lincoln and London: University of Nebraska Press, 1995b.

______. Paixões. Trad. Lóris Z. Machado. Campinas, SP: Papirus, 1995c.

FOUCAULT, Michel. Trad. Salma Tannus Muchail. As palavras e as coisas: uma arqueologia das ciências humanas. Trad. 5. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1990.

ROSA, João Guimarães. Grande sertão: veredas. 23. ed. Rio de Janeiro, Nova Fronteira, 1986.

SANTIAGO, Silviano (Org). Glossário de Derrida. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1976.

Publicado
2020-12-14
Métricas
  • Visualizações do Artigo 83
  • PDF downloads: 53
Seção
DOSSIÊ TEMÁTICO