Identidade conservadora sob o rastro da Desconstrução

Palavras-chave: Identidade, Identidade reacionária, Desconstrução, Différance.

Resumo

Endividado que está com o pensamento da Desconstrução, o presente artigo busca rasurar a categoria identidade, demonstrando equívocos e armadilhas de uma identidade reacionária. Identidade só é interessante se for extrema, se estremecer, preservando o tremor do deserto do deserto, ali onde as incertezas se produzem e nos convidam a decidir, se se espelhar na angústia úmida do nada e para o nada e daí, transbordar colaborando para a anulação de toda diferença ontológica, rígida, hiperbólica e por vezes, cínica, fazendo ruir toda possibilidade de privilégios. Digo, a identidade só será interessante se for úmida, erótica, mestiça, em devir, em différance.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alexandre de Oliveira Fernandes, Instituto Federal de Educação da Bahia (IFBA)

Doutor em Ciência da Literatura (UFRJ), Professor do Instituto Federal de Educação da Bahia (IFBA) – Porto Seguro/BA. 

Referências

BHABHA, Homi K. “A questão do “outro”. Diferença, discriminação e o discurso do colonialismo. In: HOLLANDA, Heloisa Buarque de (Org). Pós-modernismo e política. Rio de Janeiro: Rocco 1991.

BUTLER, Judith. A vida psíquica do poder: teorias da sujeição. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2017.

CASTRO-GÓMEZ, S.; GROSFOGUEL, R. (Ed.). El giro de colonial: reflexiones para una diversidad epistémica más allá del capitalismo global. Bogotá: Siglo del Hombres; Universidad Central, Instituto de Estudios Sociales Contemporáneos y Pontificia Universidad Javeriana, Instituto Pensar, 2007

DERRIDA, Jacques. A escritura e a diferença. São Paulo: Perspectiva, 2009.

DERRRIDA, Jacques. Margens da Filosofia. Trad. Joaquim Torres Costa e Antonio M. Magalhães. Campinas: Papirus, 1991.

DUNKER, Christian Ingo Lenz. Reinvenção da intimidade: políticas do sofrimento cotidiano. São Paulo: Ubu, 2017.

DUNKER, Christian Ingo Lenz. A Lógica do Condomínio. In: Rania Rivera, Luiz Augusto Celes & Edson Luiz André de Sousa. (Org.). Coleção Ensaios Brasileiros Contemporâneos (Psicanálise). 1ed.Rio de Janeiro: Fundação Nacional das Artes - FUNARTE, 2017a, v. 1, p. 97-108.

ECO, Humberto. Interpretação e superinterpretação. Tradução MF: revisão da tradução e texto final Monica Stahel. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

HADDOCK-LOBO, Rafael. Para um pensamento úmido: a filosofia a partir de Jacques Derrida. Tese, Doutorado em Filosofia, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2007.

HAIDER, Asad. Armadilha da identidade: raça e classe nos dias de hoje. São Paulo: Veneta, 2019.

KRENAK, Ailton. Ideias para adiar o fim do mundo. São Paulo: Cia das Letras, 2019.

MISKOLCI, R., CAMPANA, M. “Ideologia de gênero”: notas para a genealogia de um pânico moral contemporâneo. Sociedade e Estado, UNB, 32(3), 2018.

MILLS, Charles W. Ignorância branca. Tradução de Breno Ricardo Guimarães Santos. Griot: Revista de Filosofia, Amargosa/Bahia, v.17, n.1, p.413-438, junho/2018.

NASCIMENTO, Evando (org.). Jacques Derrida: pensar a desconstrução. Tradução Evando Nascimento. São Paulo: Estação da Liberdade, 2005.

OSANIIYI, A. Em torno de uma epistemologia preta. Universidade Federal do Oeste do Pará, UFOPA: Revista Exitus, 9(4), 17 - 36.

RIBEIRO, Alexandre Simões. O litoral d´Aporia: uma introdução a psicanalise lacaniana. Rio de Janeiro: Garamond, 2008.

SAID, Edward. Cultura e imperialismo. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

SLOTERDIJK, Peter. Derrida, um egípcio: o problema da pirâmide judia. Tradução: Evandro Nascimento. São Paulo- Estação da Liberdade, 2009.

WALSH, C. Son posibles unas ciencias sociales/culturales otras? Reflexiones en torno a las epistemologías decoloniales. Nómadas, n. 26, p. 102-113, abr. 2007.

Publicado
2020-12-15
Métricas
  • Visualizações do Artigo 157
  • PDF downloads: 96
Seção
DOSSIÊ TEMÁTICO