Impessolização e indeterminação: um estudo da construção verbo (semi) auxiliar + pronome SE + verbo principal

Palavras-chave: Pronome se, indeterminação, impessoalização.

Resumo

Este estudo tem como principal objetivo analisar os usos da construção verbo (semi) auxiliar + pronome SE + Verbo principal em textos científicos e acadêmicos do português brasileiro. Parte-se do pressuposto de que ela pode ser acionada para promover a impessoalização ou indeterminação. A hipótese inicial da pesquisa é a de que nos textos científicos, a construção seria mais utilizada para promover a desfocalização do eu-enunciador, enquanto que, nos textos jornalísticos, seria mais acionada para tirar de cena a terceira pessoa discursiva. Importam para esse estudo os pressupostos teóricos da das teorias socioconstrucionista (MACHADO VIEIRA, 2017; MA-CHADO VIEIRA; WIEDEMER, 2018), construcionista e cognitivista (CROFT, 2001; DIESSEL 2015; FILLMORE, 1988; GOLDBERG, 1995, 2006; HOPPER, 1991).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Eneile Santos Saraiva, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Doutoranda em Letras Vernáculas - Língua Portuguesa, Mestra em Letras Vernáculas - Língua Portuguesa (2013), Licenciada (2011) e Bacharela (2010) em Letras (Português/Literaturas) pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. É Pós-graduada (Lato Sensu) em Planejamento,Implementação e Gestão da Educação a Distância (2015) pelo Lante - Universidade Federal Fluminense. Participante do Projeto PREDICAR - Formação e expressão de predicados complexos: estabilidade, variação e mudança construcional (Faculdade de Letras/UFRJ), coordenado pela Profa Dra. Marcia dos Santos Machado Vieira. Atualmente, é Professora Docente I de Língua Portuguesa da Rede Pública Estadual do Rio de Janeiro.

 

Referências

FILLMORE, Charles J.; KAY, Paul.; O’CONNOR, Mary C. Regularity and idiomaticity in grammatical constructions: the case of let alone. In.: Language, 64, 3, p. 501-538, 1988.

GOLDBERG, Adele E. Constructions: a construction grammar approach to argument structure. Chicago and London: The University Chicago Press, 1995.

__________. Constructions at work. Oxford: Ox-ford University Press, 2006.

HOPPER, P. On some principles of grammatica-zation. In: TRAUGOTT, Elizabeth & HEINE, Bernd. Approaches to grammaticalization, v.1 Amsterdan: Benjamins, p. 17-37, 1991.

MACHADO VIEIRA, Marcia. S; WIEDEMER, Marcos L. Lexemas e construção: atração, coerção e variação” In.: Caderno Seminal Digital. Rio de Janeiro, v. 30, p. 81-132, 2018. Disponível em: <> Acesso em: 15 de março de 2020.

MACHADO VIEIRA, Marcia S. Expressões impessoais no discurso acadêmico brasileiro. In.: Revista Letrônica. Porto Alegre, v. 10, n. 1, p. 82-95, jan-jun 2017. Disponível em: <http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/le-tronica/article/view/25061> Acesso em: 30 de março de 2020.

MORAIS, Fernanda B.C. Os Usos do Clítico ‘Se’ em Artigos Científicos: mecanismos de impessoalização na escrita acadêmica. In.: SIGNUM: Estudos Linguísticos, Londrina, n. 20, p. 241-275, 2017. Disponível em: < http://www.uel. br/revistas/uel/index.php/signum/article/view/22980> Acesso em: 18 de março de 2020.

REIS, Fernanda E. B. Auxiliaridade no português brasileiro. In.: Língua, Literatura e ensino, Vol. III, p. 461-471, 2008. Disponível em.: <http://revistas.iel.unicamp.br/index.php/lle/article/view/97> Acesso em: 11 de março de 2020.

SHIBATANI, Masayoshi. Passives and related constructions: a prototype analysis. In.: Language, vol. 61, n. 4, p. 821-848, 1985. Disponível em: <https://www.researchgate.net/publica-tion/244437975_Passives_and_Related_Cons-tructions_A_Prototype_Analysis> Acesso em: 13 de março de 2020.

ização discurso de divulgação científica infan-to-juvenil: o emprego do pronome você. In.: IV Simpósio Internacional de Estudos de Gêne-ros Textuais, 2007, Tubarão. IV Siget, p. 1826-1838, 2007. Disponível em: Acesso em: 30 de fevereiro de 2020.

THOMPSON, Geoff. Voices in the text: Discourse perspectives on language reports. In.: Applied Linguistics, Vol 17, No 4 O Oxford University Press, p. 501-530, 1996. Disponível em:<http://www.isfla.org/Systemics/Print/Thompson/Thompson_1996_Voices_in_the_text.pdf> Acesso em: 29 de março de 2020.

VIEIRA, Lúcia M. O. Os modais “dever” e “poder” e o uso de verbos na forma imperativa na construção da argumentação da campanha “amigos da escola”. In.: Letras e Letras, Uberlândia, 18 n 2, p. 111-113, jul./dez. 2002. Disponível em: <http://www.seer.ufu.br/index.php/letrasele-tras/article/download/25137/13955/> Acesso em: 12 de março de 2020.

WEINREICH, Uriel.; LABOV, William & HERZOG, Marvin I. Empirical foundations for a theory of language change. In.: LEHMANN, Winfred P.; MALKIEL, Yakov. (eds.). Directions for historical linguistics. Austin: University of Texas Press, p. 95-195, 1968.

Publicado
2020-12-14
Métricas
  • Visualizações do Artigo 69
  • PDF downloads: 77
Seção
ARTIGOS