Quilombando: a memória no fortalecimento das identidades quilombolas de Torrinha e Fazenda Grande

  • Douglas Novais da Silva Universidade Federal do Oeste da Bahia/Estudante de Graduação
  • Roseni Oliveira Ferreira Universidade Federal do Oeste da Bahia/Estudante de Graduação

Resumo

O estudo teve como objetivo refletir como a memória atua no fortalecimento das identidades quilombolas a partir da quarta edição do Projeto Quilombando: estágio de vivência em comunidades quilombolas do Território Velho Chico, destacando as vivências nos quilombos de Torrinha/Barra e Fazenda Grande/Muquém de São Francisco, ocorridas no ano de 2019. Para tanto, buscou-se discorrer sobre a temática da memória e sua importância no fortalecimento de identidades, com base nos trabalhos de teóricos como Pierre Nora, Michael Pollack, dentre outros. Em seguida, abordou-se como as memórias dos moradores dos quilombos de Torrinha/Barra e Fazenda Grande/Muquém do São Francisco atuam no fortalecimento de suas identidades, sob as perspectivas teóricas dos escritores Stuart Hall e Antônio Bispo dos Santos. A pesquisa realizada foi de natureza qualitativa de tipo etnográfico, adotando-se como método o uso de entrevistas orais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Douglas Novais da Silva, Universidade Federal do Oeste da Bahia/Estudante de Graduação
Licenciando em História pela Universidade Federal do Oeste da Bahia - UFOB
Roseni Oliveira Ferreira, Universidade Federal do Oeste da Bahia/Estudante de Graduação
Graduanda em Bacharelado Interdisciplinar em Humanidades - UFOB

Referências

ARAÚJO, Thaís Fátima Assis. Quilombando: transgredindo a formação a partir do chão dos quilombos. Trabalho de Conclusão de Curso (Licenciatura em Pedagogia) - Universidade do Estado da Bahia, Bom Jesus da Lapa, 2020.

ARRUTI, José Maurício. (2008). Quilombos. In Raça: Perspectivas antropológicas. [org. Osmundo Pinho]. ABA/Ed. Unicamp/EDUFBA. Disponível em: www.jmarruti.blogspot.com.br Acesso em: 05 jul. 2020.

BASTOS, Priscila da Cunha. Entre o quilombo e a cidade: trajetórias de individuação de jovens mulheres negras. Niterói: Universidade Federal Fluminense, 2009.

BOSI, Eclea. Memória e sociedade: lembranças de velhos. Capa. . Companhia das Letras, 01/01/1994 – pág19.

BRANDÃO, Carlos Rodrigues. Identidade e etnia: construção da pessoa e resistência cultural. São Paulo: Brasiliense, 1986.

CARNEIRO, Sueli Aparecida. A construção do Outro como Não-Ser como fundamento do Ser. Tese (Doutorado em Educação), Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, SãoPaulo, 2005. 339p. Disponível em <https://repositorio.usp.br/item/001465832> Acesso 01 jul. 2020.

GEERTZ, Clifford. O saber local: novos ensaios em antropologia interpretativa. Petrópolis, RJ: Vozes, 1997.

HALBWACHS, Maurice. A memória coletiva. São Paulo: Centauro, 1990.

HALL, Stuart. Identidade cultural na pós – modernidade. Rio de Janeiro: DP&A, 2004.

HAMPATÉ BÁ, A. A tradição viva. In: KI-ZERBO, Joseph (Ed.) História Geral da África, I: Metodologia e pré-história da África. 2ª ed. Brasília: UNESCO, 2010.

NASCIMENTO, Abdias do. O Quilombismo. Petrópolis: Vozes, 1980.

NORA, Pierre. Entre memória e história. A problemática dos lugares. Revista Projeto História v10. São Paulo, dez/93. p. 25.

POLLAK, Michael. Memória e identidade social. In: Estudos Históricos. São Paulo: PUC, 1995.

POLLAK, Michael. Memória e identidade social. Revista Estudos Históricos. Vol. 5, nº 10, 1992, p. 204.

SANTOS, Antônio Bispo. Colonização, quilombos: Modos e Significações. 2 ed. Brasília: Ayô, 2015.

SANTOS, Boaventura de Souza. A crítica da razão indolente: contra o desperdício da experiência. São Paulo: Cortez, 2008.

SANTOS, Boaventura de Souza. Para uma sociologia das ausências e uma sociologia das emergências. In: SANTOS, B.S. (Org.). Conhecimento prudente para uma vida decente: um discurso sobre ciências revisitado. São Paulo: Cortez, 2004. p.777-821.

Publicado
2020-10-09
Métricas
  • Visualizações do Artigo 229
  • pdf downloads: 205