A IMPORTÂNCIA DO EXERCÍCIO FÍSICO NO TRATAMENTO DOS TRANSTORNOS MENTAIS

Palavras-chave: Transtorno Mental, Exercício Físico, Saúde, Educação Física

Resumo

O presente estudo tem como objetivo avaliar com base na literatura as possíveis repercussões do exercício físico no tratamento dos transtornos mentais. O método utilizado no estudo é o da revisão bibliográfica narrativa e foram utilizados os bancos de dados da Scielo, a Portaria GM/MS, nº 3.088, que versa sobre a instituição da Rede de Atenção Psicossocial (RAPS), a Lei nº 10.216, que fala sobre os princípios da Reforma Psiquiátrica Brasileira e a Revista Brasileira de Educação Física e Esporte. Os transtornos mentais são classificados como disfunções ou alterações no funcionamento da mente incluindo alterações nos pensamentos, percepções, emoções e o comportamento do indivíduo e sua relação com outras pessoas. A prática regular de exercício físico causa melhora nas capacidades fisiológicas, no condicionamento físico, o combate ao sedentarismo, melhora na qualidade do sono e é antagonista aos sintomas psicológicos atrelados ao transtorno mental e/ou efeitos colaterais da adesão medicamentosa. Além desses benefícios a prática de exercícios físicos contribui de forma paralela com a socialização, aptidão e sensação de bem estar do indivíduo, sendo ferramenta indispensável no auxílio do tratamento clinico e terapêutico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jadson Ian Costa Assunção, Graduando pelo Centro Universitário Jorge Amado

Graduando em Educação Física.

Jeane Rodella Assunção, Professora do Centro Universitário Jorge Amado e no Centro Universitário Maurício de Nassau.

Doutora em Ciências da Educação. Líder do Núcleo de Estudos e Pesquisa em Educação Física. Integrante do Grupo de Pesquisa Laboratório de Tecnologias Informacionais e Inclusão Sociodigital. Membro do Grupo de Pesquisa Educação Inclusiva e Necessidades Educacionais Especiais.

Referências

ABIB, L. et al. Práticas corporais em cena na saúde mental: potencialidades de uma oficina de futebol em um centro de atenção psicossocial de Porto Alegre. Pensar a Prática, Goiânia, v. 13, n. 2, p. 1-15, maio/ago. 2010.

Andrade, M. S.; Lira C. A. B. Fisiologia do Exercício. 1 ed. São Paulo: Editora Manole, 2016. p. 47

BRASIL. Ministério da Saúde. Banco de dados do Sistema Único de Saúde - DATASUS. Disponível em: http://www2.datasus.gov.br/cid10/V2008/WebHelp/f40_f48.htm . Acesso em: 28 de setembro de 2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria GM/MS, nº 3.088, de 23 de dezembro de 2011. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt3088_23_12_2011_rep.html . Acesso em: 28 de setembro de 2020.

BRASIL. Secretária de Estado de Saúde. Portaria SAS/MS n° 224 de 29 de janeiro de 1992. Disponível em: https://www.saude.mg.gov.br/index.php?option=com_gmg&controller=document&id=836. Acesso em: 28 de setembro de 2020.

Charansonney, O. L., & Després, J. P. (2010). Disease prevention—should we target obesity or sedentary lifestyle? Nature Reviews Cardiology, 7(8), 468–472. Disponível em: http://doi.org/10.1038/nrcardio.2010.68. Acesso em: 28 de setembro de 2020.

FERREIRA, L. A. S.; DAMICO, J. G. S.; FRAGA, A. B. Entre a composição e a tarefa: estudo de caso sobre a inserção da educação física em um serviço de saúde mental. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, Brasília, v. 39, n. 2, p. 176-182, abr. 2017

FIGUEIREDO, S. M. T.; OLIVEIRA, B. N.; ESPIRITO-SANTO , G. Atuação do profissional de educação física em CAPS representada pelos demais profissionais do serviço
. Revista Pensar a Prática, Goias, v. 23, p. 14, mar. 2018

Furtado RP, Oliveira MFM, Sousa MF, Vieira PS, Neves RLR, Rios GB. O trabalho do professor de educação física no Caps: aproximações iniciais. Movimento 2015; p. 21(1):41-52 Disponível em: https://seer.ufrgs.br/Movimento/article/download/43457/33331. Acesso em: 28 de setembro de 2020.

Hawkley LC, Cacioppo JT. Loneliness matters: a theoretical and empirical review of consequences and mechanisms. Ann Behav Med. 2010; 14:218–27

Lin X, Alvim SM, Simoes EJ, Bensenor I, Barreto S, Schimidt M, et al. Leisure time physical activity and cardio-metabolic health: results from the Brazilian Longitudinal Study of Adult Health (ELSA-Brasil). J Am Heart Assoc. 2016; 5(6):003337.

Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS). Organização Mundial de Saúde. Determinantes Sociais e Riscos para a Saúde, Doenças Crônicas Não Transmissíveis e Saúde Mental, 2018. Disponível em: https://www.paho.org/bra/index.php?option=com_content&view=article&id=5652:folha-informativa-transtornos-mentais&Itemid=839. Acesso em: 28 de setembro de 2020.

Organização Mundial de Saúde (OMS). People with mental disabilities cannot be forgotten, 2020. Disponível em: https://www.who.int/mediacentre/news/releases/2010/mental_disabilities_20100916/en/ . Acesso em: 28 de setembro de 2020.

Organização Mundial de Saúde (OMS). Depression, 2012. Disponível em: http://www.emro.who.int/health-topics/depression . Acesso em: 22 de outubro de 2020.
PEREIRA, Ana Luiza Souza. Exercício físico no controle e prevenção da ansiedade e depressão. 33f. 2013. Monografia (Bacharelado em Educação Física). Faculdade de Educação Física, Centro Universitário de Formiga, UNIFOR, Formiga, MG, 2013. Disponível em: https://bibliotecadigital.uniformg.edu.br:21015/xmlui/handle/123456789/221. Acesso em: 22 de outubro de 2020.
Pinto VAM. Oficinas Terapêuticas na Saúde Mental: um olhar na perspectiva dos usuários do Caps. Rio de Janeiro: UFRJ/EEAN, 2011. (Dissertação).
SANTOS, F. T. et al. O papel desinstitucionalizador da educação física na saúde mental. Motrivivência, Florianópolis, v.26, n.42, p. 281-292, 2014

SESAB. Secretária da Saúde do Estado da Bahia. Rede de Atenção Psicossocial. Disponível em: http://www.saude.ba.gov.br/atencao-a-saude/comofuncionaosus/rede-de-atencao-psicossocial/ . Acesso em: 28 de setembro de 2020.

SILVA, C. L. da. Atividade física de lazer e saúde: uma revisão sistemática. Mudanças
– Psicologia da Saúde, v. 25, n. 1, p. 57-65, Jan.-Jun., 2017

VARELA, S. H.; OLIVEIRA, B. N. Alongamento? Dinâmica? Chama o Professor de Educação Física! Rediscutindo o Fazer da Categoria em um CAPS. Licere, Belo Horizonte, v. 21, n. 1, p. 313-340, mar. 2018.
Publicado
2020-12-17
Métricas
  • Visualizações do Artigo 2862
  • PDF downloads: 1912
Como Citar
Assunção, J. I. C., & Assunção, J. R. (2020). A IMPORTÂNCIA DO EXERCÍCIO FÍSICO NO TRATAMENTO DOS TRANSTORNOS MENTAIS. Práticas E Cuidado: Revista De Saúde Coletiva, 1, e9992. Recuperado de https://www.revistas.uneb.br/index.php/saudecoletiva/article/view/9992
Seção
Dossiê Temático