COMUNICAÇÃO ADEQUADA EM SAÚDE E ADESÃO TERAPÊUTICA MEDICAMENTOSA ANTI-HIPERTENSIVA NA ATENÇÃO PRIMARIA À SAÚDE

Palavras-chave: Comunicação em saúde, Adesão ao tratamento medicamentoso, Hipertensão arterial, Atenção primária à saúde

Resumo

Objetivo: Investigar a associação entre Comunicação Adequada em Saúde (CAS) e Adesão Terapêutica Medicamentosa Anti-Hipertensiva (AT) em usuários hipertensos atendidos em unidades de atenção primária à saúde (APS). Métodos: Trata-se de um estudo transversal com hipertensos acompanhados em unidades de APS em Salvador, Bahia, entre 2015 a 2016. A CAS foi avaliada com a aplicação de dez questões. A comunicação foi considerada adequada quando observado 70,0% ou mais das respostas do entrevistado indicando entendimento das orientações prestadas. A análise estatística foi realizada com o STATA versão 14. Resultados: Foram entrevistados 286 usuários e verificou-se que 81,2% mencionaram CAS. Nos usuários com até 8 anos de estudo, a CAS esteve associada significativamente à adesão ao tratamento medicamentoso, mesmo após ajuste por sexo, idade, renda, índice de massa corpórea e diabetes concomitante (OR = 3,26; IC95%: 1,26-8,46). Contudo, para usuários com escolaridade maior não se identificou associação positiva entre CAS e AT. Observou-se ainda que o grupo que referiu atividade física regular apresentou uma chance de adesão ao tratamento de 14,5 vezes quando comparados àqueles que referiram CAS inadequada (OR=14,53; IC95%: 1,28-187,16). Conclusão: Dispor de comunicação adequada em saúde influencia no uso dos serviços de saúde e no comportamento de saúde adotado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luciana Limoeiro Ricarte Cavalcante, Residente em Saúde Coletiva pela Universidade Federal da Bahia

Graduada em Fisioterapia. 

Yasmin Pitanga Rôde Rocha, Especializanda em Fisioterapia Hospitalar pelo Centro Universitário Social da Bahia

Graduada em Fisioterapia. 

João Pedro Azevedo Gonzaga Vieira, Universidade do Estado da Bahia

Graduado em Fisioterapia.

Andréia de Araújo Guimarães, Especialista em Educação Especial pela Fundação Visconde de Cairu

Licenciada em Ciências Naturais.

Luciara Leite Brito, Docente na Universidade Federal da Bahia

Doutora em Saúde Pública pela Universidade Federal da Bahia.

Helena Maria Silveira Fraga Maia, Docente na Universidade do Estado da Bahia

Doutora em Saúde Coletiva pela Universidade Federal da Bahia.

Referências

Bezerra ASM, Lopes JL, Barros ALBL. Adesão de pacientes hipertensos ao tratamento medicamentoso. Rev Bras Enferm. 2014;67(4):550–5. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/reben/v67n4/0034-7167-reben-67-04-0550.pdf

Demoner MS, Ramos ERP, Pereira ER. Factors associated with adherence to antihypertensive treatment in a primary care unit. Acta Paul Enferm. 2012;25(Suppl1):27–34. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/ape/v25nspe1/pt_05.pdf

Malachias M, Souza W, Plavnik F, Rodrigues C, Brandão A, Neves M, et al. 7a Diretriz Brasileira De Hipertensão Arterial. Arq Bras Cardiol. 2016;107(3):1–83. Disponível em: http://publicacoes.cardiol.br/2014/diretrizes/2016/05_HIPERTENSAO_ARTERIAL.pdf

Cipullo JP, Martin JFV, Ciorlia LA de S, Godoy MRP de, Cação JC, Loureiro AAC, et al. Prevalência e Fatores de Risco para Hipertensão em uma População Urbana Brasileira. Arq Bras Cardiol. 2010;94(4):519–26. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/abc/v94n4/aop00810.pdf

Brasil MS. Vigitel Brazil 2016: surveillance of risk and protective factors for chronic diseases by telephone survey: estimates of sociodemographic frequency and distribution of risk and protective factors for chronic diseases in the capitals of the 26 Brazilian. Ministry of Health of Brazil. 2017. 160p.: il. –Série G. Estatística e Informação. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/ress/v26n4/2237-9622-ress-26-04-00701.pdf

Motter FR, Olinto MTA, Paniz VMV. Conhecimento sobre a farmacoterapia por portadores de Hipertensão Arterial Sistêmica. Cien Saude Colet. 2013;18(8):2263–74. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/csc/v18n8/10.pdf

Dalla MDB, Stein AT, Castro Filho ED, Lopes AC, Melo NR, Virmond MCL. Aderência a Tratamento Medicamentoso Projeto Diretrizes. Associação Médica Brasileira e Conselho Federal de Medicina 2009;1–11. Disponível em: https://diretrizes.amb.org.br/_BibliotecaAntiga/aderencia-a-tratamento-medicamentoso.pdf

Rufino DBR, Drummond RAT, Moraes WLD. Adesão ao tratamento: estudo entre portadores de hipertensão arterial cadastrados em uma Unidade Básica de Saúde. Rev do Inst Ciências da Saúde. 2012;30(4):336–42.

Pucci N, Pereira MR, Vinholes DB, Pucci P, Campos ND. Conhecimento sobre Hipertensão Arterial Sistêmica e Adesão ao Tratamento Anti-Hipertensivo em Idosos. Rev Bras Cardiol. 2012;25(4):322–9. Disponível em: http://www.onlineijcs.org/english/sumario/25/pdf/v25n4a09.pdf

Barreto MS, Reiners AAO, Marcon SS. Knowledge about hypertension and factors associated with the non-adherence to drug therapy. Rev Lat Am Enfermagem. 2014;22(3):491–8. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/rlae/v22n3/pt_0104-1169-rlae-22-03-00491.pdf

Oliveira TL, Miranda L de P, Fernandes P de S, Caldeira AP. Eficácia da educação em saúde no tratamento não medicamentoso da hipertensão arterial. Acta Paul Enferm. 2013;26(2):179–84. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/ape/v26n2/v26n2a12.pdf

Leão e Silva LO, Soares MM, de Oliveira MA, Rodrigues SM, Machado CJ, Dias CA. “Tô sentindo nada”: Percepções de pacientes idosos sobre o tratamento da hipertensão arterial sistêmica. Physis. 2013;23(1):227–42. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/physis/v23n1/13.pdf

Náfrádi L, Galimberti E, Nakamoto K, Schulz PJ. Intentional and unintentional medication non-adherence in hypertension: the role of health literacy, empowerment and medication beliefs. J Public Health Res [Internet]. 2016 [Acesso em 2021 jan 17];5(3):762: 111-5. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC5206775/pdf/jphr-2016-3-762.pdf

Torres GMC, Figueiredo IDT, Cândido JAB, Pinto AGA, Morais APP, Araújo MFM et al. Comunicação terapêutica na interação profissional de saúde e hipertenso na estratégia saúde da família. Rev Gaúcha Enferm [Internet]. 2017;38(4):e2016-0066. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/rgenf/v38n4/1983-1447-rgenf-38-04-e2016-0066.pdf

Mendes GS, Moraes CF, Gomes L. Prevalência de hipertensão arterial sistêmica em idosos no Brasil entre 2006 e 2010. Rev Bras Med Família e Comunidade. 2014;9(32):273. Disponível em: https://rbmfc.org.br/rbmfc/article/view/795

Rezende EP. SIS-HiperDia no Estado da Bahia. 2014; 17 (3-4): 176-181.

Andrade SS de A, Stopa SR, Brito AS, Chueri PS, Szwarcwald CL, Malta DC. Prevalência de hipertensão arterial autorreferida na população brasileira: análise da Pesquisa Nacional de Saúde, 2013. Epidemiol e Serviços Saúde. 2015;24(2):297–304. Disponível: https://www.scielo.br/pdf/ress/v24n2/2237-9622-ress-24-02-00297.pdf

Mendes LMEO, Barros JDSTE, Batista NNDAL, Silva JMO. Factors Associated With Non-Adherence To Treatment of Systemic. Rev Univap. 2013;56–68. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/rsp/v50s2/pt_0034-8910-rsp-s2-S01518-87872016050006150.pdf

Ferreira RA, Barreto SM, Giatti L. Hipertensão arterial referida e utilização de medicamentos de uso contínuo no Brasil: um estudo de base populacional. Cad. Saúde Pública. 2014;30(4):815–26. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/csp/v30n4/0102-311X-csp-30-4-0815.pdf

Rodríguez PMC, Cabrera LA, Morales Torres RM, Domínguez CS, Alemán SJJ, Brito Díaz B, et al. Factores asociados al conocimiento y el control de la hipertensión arterial en Canarias. Rev Española Cardiol. 2012;65(3):234–40. Disponível em: https://www.revespcardiol.org/es-pdf-S0300893211008499

Zattar LC, Boing AF, Giehl MWC, d’Orsi E. Prevalência e fatores associados à pressão arterial elevada, seu conhecimento e tratamento em idosos do sul do Brasil. Cad Saúde Pública. 2012;24(3):375–80. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/csp/v29n3/a09v29n3.pdf

Treff Junior CA. A atividade física no lazer e no deslocamento, associado com a hipertensão arterial no Estudo Longitudinal da Saúde do Adulto (ELSA-Brasil) Dissertação (mestrado)-Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. Programa de Ciências Médicas. 2015. Disponível em: https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/5/5169/tde-24032016-152848/publico/CarlosAlbertoTreffJunior.pdf

Publicado
2021-03-03
Métricas
  • Visualizações do Artigo 349
  • PDF downloads: 283
Como Citar
Cavalcante, L. L. R., Rocha, Y. P. R., Vieira, J. P. A. G., Guimarães, A. de A., Brito, L. L., & Maia, H. M. S. F. (2021). COMUNICAÇÃO ADEQUADA EM SAÚDE E ADESÃO TERAPÊUTICA MEDICAMENTOSA ANTI-HIPERTENSIVA NA ATENÇÃO PRIMARIA À SAÚDE. Práticas E Cuidado: Revista De Saúde Coletiva, 2, e9860. Recuperado de https://www.revistas.uneb.br/index.php/saudecoletiva/article/view/9860
Seção
Artigos (FLUXO CONTíNUO)

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##