A PERCEPÇÃO DA VIOLÊNCIA OBSTÉTRICA POR MULHERES NEGRAS EM UMA USF EM SALVADOR (BA) E OS IMPACTOS OBSERVADOS

Palavras-chave: Violência contra a mulher, Racismo, Violência Obstétrica, Gravidez, Direitos Sexuais e reprodutivos

Resumo

Introdução: Diante do racismo obstétrico observado em nossa sociedade, esse trabalho buscou compreender a percepção e os impactos da violência obstétrica em mulheres negras. Metodologia: Trata-se de um estudo exploratório de abordagem quanti-qualitativa com mulheres numa Unidade de Saúde da Família de Salvador-BA. Foram realizadas duas etapas: Aplicação de questionário sociodemográfico, sobre o atendimento recebido no ciclo gravídico-puerperal, em seguida uma entrevista semiestruturada com aquelas autodeclaradas negras. Foram construídas frequências simples correlacionando os dados com o quesito raça/cor na etapa um, enquanto os dados da etapa dois foram analisados pela Teoria da Análise de Discurso de Minayo. Resultados/Discussões: Participaram 20 mulheres, sendo 17(85%) negras e 3(15%) não negras. A idade variou entre 18-25 anos, a renda média ≤ um salário-mínimo, e parto em maternidades públicas. Com a análise de dados foram criadas três categorias de discussão: As faces da violência obstétrica, Reconhecendo o racismo obstétrico e Os impactos da violência. As participantes conseguiram perceber a prática de violência obstétrica nos serviços, correlacionando-a à sua raça/cor e condição social, resultando no desejo de não gestar novamente e expondo à depressão pós-parto. Conclusão: A pesquisa demonstrou a necessidade em aprimorar o atendimento nas maternidades. Os achados sugerem a necessidade de maior capacitação das equipes quanto ao racismo e de intervenção mínima no ciclo gravídico-puerperal, com exercício da equidade e compreensão de como as interseccionalidades atuam no corpo feminino negro, além de maior educação das mulheres sobre seus direitos para que lutem para assegurá-los.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Thayana Victoria Santos Silva, Graduanda em Medicina pela Universidade do Estado da Bahia - Brasil

Integrante do Grupo de Pesquisa Rotina de Saúde Ampliada. 

Talita Rocha de Aquino, Professora na Universidade Federal do Recôncavo da Bahia - Brasil

Mestra em Saúde Coletiva pela Universidade do Estado da Bahia. Docente na Universidade do Estado da Bahia. 

Ana Gabriela Alvares Travassos, Docente no Mestrado Profissional em Saúde Coletiva da Universidade do Estado da Bahia - Brasil

Doutora em Medicina e Saúde pela Universidade Federal da Bahia. Médica e Pesquisadora no Centro Estadual Especializado em Diagnóstico, Assistência e Pesquisa (CEDAP - Centro de Referência em DST/AIDS). Secretária Geral da diretoria 2021-2023 da Associação de Obstetrícia e Ginecologia da Bahia (SOGIBA), membro efetivo da Associação Brasileira de Patologia do Trato Genital Inferior e Colposcopia (ABPTGIC) e da Sociedade Brasileira de Doenças Sexualmente Transmissíveis (SBDST).

Referências

OMS: Organização Mundial da Saúde. Assistência ao parto normal: um guia prático. In: Relatório de um grupo técnico. Genebra; 1996. p. 53p.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria Executiva. Programa Humanização do parto, Humanização no pré-natal e nascimento. Brasília; 2002.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Pre-natal e puerpério: atenção qualificada e humanizada: manual técnico. Brasília; 2006 p. 162p.

BRASIL. Portaria n. 1459 [Internet]. Diário Oficial da União: Brasília; 2011. Available from: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt1459_24_06_2011.html

Leal M do C, Pereira APE, Domingues RMSM, Filha MMT, Dias MAB, Nakamura-Pereira M, et al. Intervenções obstétricas durante o trabalho de parto e parto em mulheres brasileiras de risco habitual. Cad Saude Publica. 2014;30(SUPPL1):17–32.

Paulo S, F P L BA, Diniz SG, Schraiber LB, Collective Sexuality F, Flávia Pires Lucas A, et al. "At the medical school Violence against women VI. Lancet • [Internet]. 2002;359:1681–5. Available from: www.thelancet.com

Leal MDC, Nogueira da Gama SG, Braga da Cunha C. Racial, sociodemographic, and prenatal and childbirth care inequalities in Brazil, 1999-2001. Rev Saude Publica. 2005;39(1):100–7.

Scott, K.A. and Davis, D.-A. (2021), Obstetric Racism: Naming and Identifying a Way Out of Black Women's Adverse Medical Experiences. American Anthropologist, 123: 681 684. https://doi.org/10.1111/aman.13559

Theophilo RL, Rattner D, Pereira ÉL. The vulnerability of afro-brazilian women in perinatal care in the unified health system: Analysis of the active ombudsman survey. Cienc e Saude Coletiva. 2018;23(11):3505–16.

Borret RH, Silva MF da, Jatobá LR, Vieira RC, Oliveira DOPS de. “A sua consulta tem cor?” Incorporando o debate racial na Medicina de Família e Comunidade. Rev Bras Med Família e Comunidade. 2020;15(42):2255.

Minayo MCS. Amostragem e saturação em pesquisa qualitativa: consensos e controvérsias. Rev Pesqui Qual São Paulo (SP. 2017;v, 5:01–12.

Diniz CSG, Niy DY, Andrezzo HF de A, Carvalho PCA, Salgado H de O. A vagina-escola: Seminário interdisciplinar sobre violência contra a mulher no ensino das profissões de saúde. Interface Commun Heal Educ. 2016;20(56):253–9.

Lei no 11.634 [Internet]. Brasília (DF): Diário Oficial da União; 2007. Available from: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2007/Lei/L11634.htm

Rodrigues DP, Alves VH, Penna LHG, Pereira AV, Branco MBLR, Silva LA da. The pilgrimage in reproductive period: a violence in the field of obstetrics. Esc Anna Nery - Rev Enferm. 2015;19(4):614–20.

Carmo Leal M, da Gama SGN, Pereira APE, Pacheco VE, do Carmo CN, Santos RV. The color of pain: Racial iniquities in prenatal care and childbirth in Brazil. Cad Saude Publica. 2017;33(Supplement 1):1–17.

Muniz BM de V, Barbosa RM. Problematizando O Atendimento Ao Parto: Cuidado Ou Violência? Memorias Conv Int Salud Pública [Internet]. 2012;55(21):1–11. Available from: http://actasdecongreso.sld.cu/downloads/1083/744-4306-3-PB.pdf

Henderson J, Gao H, Redshaw M. Experiencing maternity care: The care received and perceptions of women from different ethnic groups. BMC Pregnancy Childbirth [Internet]. 2013;13(1):1. Available from: BMC Pregnancy and Childbirth

Pasche DF, Vilela MEDA, Martins CP. Humanização da atenção ao parto e nascimento no Brasil: pressupostos para uma nova ética na gestão e no cuidado. Rev Tempus Actas Saúde Coletiva. 2010;4(4):105–17.

Andrade MAC, Lima JBM de C. O modelo obstétrico e neonatal que defendemos e com o qual trabalhamos. In: Cadernos Humaniza SUS – Volume 4: Humanização do parto e nascimento [Internet]. Brasília, DF: UECE/Ministério da Saúde.; 2014. p. 19–46. Available from: https://www.redehumanizasus.net/sites/default/files/caderno_humanizasus_v4_humanizacao_parto.pdf

Ribeiro D de O, Gomes GC, Oliveira AMN de, Alvarez SQ, Gonçalves BG, Acosta DF. Obstetric violence in the perception of multiparous women. Rev Gauch Enferm. 2020;41:e20190419.

MARTINS, Ana Paula Vosne. Visões do feminino: a medicina da mulher nos séculos XIX e XX [online]. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2004. História e Saúde collection. ISBN 978-85-7541-451-4.

LEI No 11.108 [Internet]. Brasília (DF); 2005. Available from: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2005/lei/l11108.htm#:~:text=LEI No 11.108 DE 7 DE ABRIL DE 2005. Altera a Lei no 8.080,Sistema Único de Saúde - SUS.

Leal DM do C, Gama DSGN da, Filha DMMT, Domingues DRMSM, Silva DAAM da, Torres DJA, et al. Nascer no Brasil: inquérito nacional sobre parto e nascimento [Internet]. [cited 2021 Jan 22]. Available from: https://nascernobrasil.ensp.fiocruz.br/?us_portfolio=nascer-no-brasil

World, Organization H. WHO recommendations Intrapartum care for a positive childbirth experience. In Geneva; 2018. Available from: https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/260178/9789241550215-eng.pdf

de Lima KD, Pimentel C, Lyra TM. Racial disparities: An analysis of obstetrical violence among afro-brazilian women. Cienc e Saude Coletiva. 2021;26:4909–18.

KIMBERL… CRENSHAW. Documento para o encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial relativos ao gênero. In University of California - Los Angeles: Estudos Feministas; 2002. p. 171–88.

Aguiar JM de, d’Oliveira AFPL. Violência institucional em maternidades públicas sob a ótica das usuárias. Interface - Comun Saúde, Educ. 2010;15(36):79–92.

Ayres JR de CM. Cuidado e reconstrução das práticas de Saúde. Interface - Comun Saúde, Educ. 2004;8(14):73–92.

Seixas CT, Baduy RS, da Cruz KT, Bortoletto MSS, Slomp Junior H, Merhy EE. The power of the bond for healthcare production: What guiding users teach us. Interface Commun Heal Educ. 2019;23:1–14.

Da V, Obstétrica V. “Outras Dores Além Do Parto": Um Estudo De Caso Com Mulheres Vítimas Da Violência Obstétrica. 2015.

Dantas S, Ferreira L, Véras MPB. Um intérprete africano do Brasil: Kabengele Munanga. Rev. USP [Internet]. 16 de setembro de 2017 [citado 5 de outubro de 2022];0(114):31-44. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/revusp/article/view/142366

Dias SL, Pacheco AO. Marcas do parto: As consequências psicológicas da violência obstétrica Childbirth marks: the psychological consequences of obstetric violence Palavras-chave. Rev Arq Científicos (IMMES) Macapá, AP. 2020;(1):4–13.

Silva FM, Silva MDL, Araújo FNF de. Sentimentos Causados Pela Violência Obstétrica Em Mulheres De Municipio Do Nordeste Brasileiro. Rev Prevenção Infecção e Saúde. 2018;3(4):25–34.

Theme Filha MM, Ayers S, da Gama SG, Leal Mdo C. Factors associated with postpartum depressive symptomatology in Brazil: The Birth in Brazil National Research Study, 2011/2012. J Affect Disord. 2016 Apr; 194:159-67. doi: 10.1016/j.jad.2016.01.020. Epub 2016 Jan 21. PMID: 26826865.

Rocha MJ, Grisi EP. Violência Obstétrica e suas Influências na Vida de Mulheres que Vivenciaram essa Realidade. Id Line Rev Psicol. 2017;11(38):623–35.

Publicado
2022-11-18
Métricas
  • Visualizações do Artigo 118
  • PDF downloads: 40
Como Citar
Silva, T. V. S., Aquino, T. R. de, & Travassos, A. G. A. (2022). A PERCEPÇÃO DA VIOLÊNCIA OBSTÉTRICA POR MULHERES NEGRAS EM UMA USF EM SALVADOR (BA) E OS IMPACTOS OBSERVADOS. Práticas E Cuidado: Revista De Saúde Coletiva, 3, e14539. Recuperado de https://www.revistas.uneb.br/index.php/saudecoletiva/article/view/14539
Seção
Dossiê Temático SAÚDE DA POPULAÇÃO NEGRA: PRÁTICAS E REFLEXÕES CONTRA-HEGEMÔNICA