AS VIVÊNCIAS NO SUL E NO SUDESTE DO BRASIL NA PERSPECTIVA DA ENFERMAGEM E DA PSICOLOGIA FRENTE À DESCOLONIZAÇÃO NA SAÚDE PÚBLICA BRASILEIRA

Palavras-chave: Necropolítica, Covid-19, Políticas Públicas, Enfermagem, Psicologia Social Comunitária

Resumo

Introdução: Este relato de experiência evidencia os campos da Enfermagem e da Psicologia Comunitária em dois estados brasileiros, durante o período pandêmico em 2021. Métodos: Identificando a situação do atual governo, as políticas públicas e o racismo estrutural na perspectiva necropolítica. Contrariam-se as definições da ciência como biologizante, sem considerar epidemiologicamente os determinantes sociais e econômicos conjugados com os aspectos do colonialismo e capitalismo que provocam limitações, riscos, vulnerabilidades e precárias condições de vida através de suas relações de poder. Resultados e Discussão: A organização e a gestão do Sistema Único de Saúde nos significados que expressam a universalização, a equidade, a integralidade e a participação popular, contrapondo à privatização da saúde. O conceito de necropolítica, de Achille Mbembe, permite refletir acerca dos problemas e necessidades de saúde da população majoritariamente usuária dos serviços públicos de saúde, isto é, a população negra. Considerações Finais: Esta pesquisa elenca a responsabilidade do Estado, que seria garantir oportunidades, na vida social e econômica da população, assegurando o interesse comum da sociedade em territórios aos quais ele negligencia, haja vista que não há o cumprimento das leis, o que efetiva a exclusão e marginalização desses corpos, sem assegurar, minimamente, os direitos humanos. Destarte, as experiências de uma Psicóloga, com abordagem Social Comunitária, com atuação na maior favela de palafitas no Município de Santos, Região Sudeste, e de uma Enfermeira, na linha de frente da Covid-19, no Município de Pelotas, no Sul do Brasil. Mulheres negras que destacam a necessidade do cuidado nos cenários apresentados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Camila Trindade Coelho, Mestranda em Enfermagem pela Universidade Federal de Pelotas - Brasil

Especialista em Unidade de Terapia Intensiva pela Faculdade Anhanguera. Integrante do Núcleo de Estudos e Pesquisas E'LÉÉKÒ - Agenciamentos Epistêmicos Descoloniais Antirracistas.

Aurélia Maria Rios, Psicóloga na Rios Clínica de Psicologia e Consultoria - Brasil

Mestra em Ciências pela Universidade Federal de São Paulo. Integrante do Núcleo de Estudos e Pesquisas E'LÉÉKÒ - Agenciamentos Epistêmicos Descoloniais Antirracistas

Referências

Lorde, A. (2019). Irmã outsider: ensaios e conferências. Belo Horizonte: Autêntica Editora.

Nascimento, B. (2021). Uma história feita por mãos negras. Rio de Janeiro: Editora Schwarcz-Companhia das Letras.

Fanon, F. (1961). Condenados da Terra. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Mbembe, A. (2018). Necropolítica (3. ed.). São Paulo: n-1 edições.

Brasil. (2017). Política Nacional de Saúde Integral da População Negra: uma política para o SUS / Ministério da Saúde, Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa, Departamento de Apoio à Gestão Participativa e ao Controle Social. – 3. ed. – Brasília: Editora do Ministério da Saúde.

Santos, M. P. A. D., Nery, J. S., Goes, E. F., Silva, A. D., Santos, A. B. S. D., Batista, L. E., & ARAÚJO, E. (2020). População negra e Covid-19: reflexões sobre racismo e saúde. Estudos avançados, 34 (99), 225-244.

Mussi, R. F., Flores, F. F., & de Almeida, C. B. (2021). Pressupostos para a elaboração de relato de experiência como conhecimento científico. Revista práxis educacional, 17(48), 60-77.

Sena, A., & Rodrigues, M. (2021). Pandemia e Estado Necropolítico: um ensaio sobre as Políticas Públicas e o agravamento das vulnerabilidades da população negra frente a COVID-19. Revista Fim do Mundo, (4), 133-154.

Guimarães, M. B., Nunes, J. A., Velloso, M., Bezerra, A., & Sousa, I. M. D. (2020). As práticas integrativas e complementares no campo da saúde: para uma descolonização dos saberes e práticas. Saúde e Sociedade, São Paulo, 29 (1).

Gonzales, L. (1984). Racismo e sexismo na cultura brasileira. Revista Ciências Sociais Hoje, Anpocs, 223-244. http://www.forumgespir.sepromi.ba.gov.br/wp-content/uploads/2022/06/06-GONZALES LeliaRacismo_e_Sexismo_na_Cultura_Brasileira-1-1.pdf

Brasil. (1990). Lei nº 8.080 de 19 de setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8080.htm

Paim, S. J. (2009). O que é o SUS. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz.

Alves, M. C., Jesus, J. P. de & Scholz, D. (2015). Paradigma da afrocentricidade e uma nova concepção de humanidade em saúde coletiva: reflexões sobre a relação entre saúde mental e racismo. Saúde Debate, Rio de Janeiro, 39 (106), 869-880. https://www.scielo.br/j/sdeb/a/p9xtSXnTRfNXn4c8nFsRbpb/?format=pdf&lang=pt

Brasil. (2017). Portaria nº 344, de 1º de fevereiro de 2017. Dispõe sobre o preenchimento do quesito raça/cor nos formulários dos sistemas de informação em saúde. https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2017/prt0344_01_02_2017.html

Melo, A. de O. S. & Rodrigues, M. N. (2021). Pandemia e Estado Necropolítico: um ensaio sobre as Políticas Públicas e o agravamento das vulnerabilidades da população negra frente ao COVID-19. Revista Fim do Mundo, 4, 133-154. https://revistas.marilia.unesp.br/index.php/RFM/article/view/11056/7071

Brasil. (2003). Lei nº 10.803, de 11 de dezembro de 2003. Altera o art. 149 do Decreto-Lei no 2.848, de 7 de dezembro de 1940 - Código Penal, para estabelecer penas ao crime nele tipificado e indicar as hipóteses em que se configura condição análoga à de escravo. Diário Oficial da União, Brasília. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2003/l10.803.htm

Oliveira, M. L. P., Meneghel, S. N. & Bernardes, J. S. (2009). Modos de subjetivação de mulheres negras: efeitos da discriminação racial. Psicologia & Sociedade, 21(2), 266-274. https://www.scielo.br/j/psoc/a/5zT3DgW97n9MP7MFLNXFL3d/?format=pdf&lang=pt

Publicado
2022-10-22
Métricas
  • Visualizações do Artigo 59
  • PDF (English) downloads: 18
Como Citar
Trindade Coelho, C., & Rios, A. M. (2022). AS VIVÊNCIAS NO SUL E NO SUDESTE DO BRASIL NA PERSPECTIVA DA ENFERMAGEM E DA PSICOLOGIA FRENTE À DESCOLONIZAÇÃO NA SAÚDE PÚBLICA BRASILEIRA. Práticas E Cuidado: Revista De Saúde Coletiva, 3, e14213. Recuperado de https://www.revistas.uneb.br/index.php/saudecoletiva/article/view/14213
Seção
Dossiê Temático SAÚDE DA POPULAÇÃO NEGRA: PRÁTICAS E REFLEXÕES CONTRA-HEGEMÔNICA