PERTENCIMENTO RACIAL E PRIMEIRA INFÂNCIA: RELATO DE EXPERIÊNCIAS SOBRE A VALORIZAÇÃO DA CULTURA AFRO-BRASILEIRA ATRAVÉS DE ATIVIDADES LÚDICAS

Palavras-chave: Assistência Integral à Saúde, Fatores Raciais, Biodiversidade, Desenvolvimento Infantil

Resumo

Objetivo: Descrever uma intervenção realizada com crianças em idade escolar, com o intuito de contribuir para a valorização da diversidade étnico-racial, e estimular o pertencimento racial de crianças negras, numa articulação intersetorial saúde-educação através de recursos lúdicos. Métodos: As atividades foram realizadas no período de setembro a novembro de 2019, em uma instituição de ensino pública municipal de Salvador, com crianças de cinco a seis anos de idade, matriculadas no primeiro ano do ensino fundamental. Resultados: Através desta abordagem foi possível verificar uma positiva assimilação dos elementos da cultura afro-brasileira apresentados às crianças, além da criação de uma perspectiva futura de articulação maior e mais frequente dos espaços de cuidado/promoção de saúde infantil com escolas públicas geridas pelo município de Salvador, atuando enfrentamento das vulnerabilidades, reforçando a necessidade de uma educação antirracista e minimizando os impactos do racismo. Conclusão: esta obra sinalizou lacunas no eixo saúde-educação com a proposição de que sejam preenchidas com uma maior compreensão de que a valorização da diversidade étnico-racial deve ser abordada também nos ambientes escolares, como um dos fatores essenciais na promoção do desenvolvimento infantil.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Paula Barbosa , Universidade Federal da Bahia - Brasil

Residência em Saúde Coletiva com Ênfase na Primeira Infância.

Gláucia Andrade Silva Marinho , Universidade Federal da Bahia - Brasil

Residência em Saúde Coletiva com Ênfase na Primeira Infância

Juliana Prates Santana , Professora no Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade Federal da Bahia - Brasil

Doutora em Estudos da Criança pela Universidade do Minho/Portugal.  Integrante do Laboratório de Relações Raciais, Direitos Humanos e Direitos da Criança e do Adolescente.

Referências

Bento MAS. A identidade racial em crianças pequenas. In: Bento MAS (Org.). Educação infantil, igualdade racial e diversidade: aspectos políticos, jurídicos, conceituais. São Paulo: Centro de Estudos das Relações de Trabalho e Desigualdades – CEERT, 2012, p.98-114.

Soares MC. Relações raciais e subjetividades de crianças em uma escola particular na cidade de Salvador. [dissertação]. Salvador: Universidade Federal da Bahia, Programa Multidisciplinar de Pós-Graduação em Estudos Étnicos e Africanos; 2011.

Munanga K. Uma abordagem conceitual das noções de raça, racismo, identidade e etnia. Palestra proferida no 3º Seminário Nacional Relações Raciais e Educação-PENESB-RJ, 2003.

Silva Júnior H, Teixeira D. O direito da criança e do adolescente e a promoção da igualdade racial. 1ª edição, São Paulo: Centro de Estudos das Relações de Trabalho e Desigualdades – CEERT, 2016, pp.5-39.

Franca DX de, Monteiro MB. Identidade racial e preferência em crianças brasileiras de cinco a dez anos. Psicologia 2002; 16:293-323.

Máximo TACO, Larrain LFCR, Nunes AVL, Lins SLB. Processo de identidade social e exclusão racial na infância. Psicologia em Revista 2012; 18(3):507-526.

Schucman LV. Racismo e Antirracismo: a categoria raça em questão. Psicologia Política 2010; 10(19):41-55.

Brasil. Plano Nacional Primeira Infância: 2010-2022|2020-2030/Rede Nacional Primeira Infância (RNPI); ANDI Comunicação e Direitos. 2ª ed. (revista e atualizada). - Brasília, DF: RNPI/ANDI, 2020.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa. Departamento de Apoio à Gestão Participativa e ao Controle Social. Política Nacional de Saúde Integral da População Negra: uma política para o SUS / Ministério da Saúde, Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa, Departamento de Apoio à Gestão Participativa e ao Controle Social. – 3. ed. – Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2017. 44.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretária de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Instrutivo PSE/ Ministério da Saúde. Secretária de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica – Brasília: Ministério da Saúde, 2011. 5-43.

TV Brasil. Guilhermina e Calendário. Acessado em: 03 de fevereiro de 2020Disponível em: https://tvbrasil.ebc.com.br/guilherminaecandelario.

Vieira, Kauê. Bino & Fino. Acessado em: 03 de fevereiro de 2020. Disponível em: http://www.afreaka.com.br/notas/bino-fino-representatividade-negra-na-programacao-infantil/

Nana & Nilo. Nana & Nilo. Acessado em: 03 de fevereiro de 2020. Disponível em: http://nanaenilo.com.br

Sousa NS. Torna-se negro: as vicissitudes da identidade do negro brasileiro em ascensão social/Neusa Santos Souza. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1983

Oliveira JM de. Os feminismos habitam espaços hifenizados - A Localização e Interseccionalidade dos saberes feministas. Ex aequo [online]. 2010; 22:25-39.

Ramos AC. A construção social da infância: idade, gênero e identidades infantis. Revista Feminismos 2013; 1(3).

Federico RM. Raça e Espiritualidade: o pensamento clínico nas práticas da psicologia escolar. Revista ABPN 2018; 10(24):183-197.

Oliveira F. de, Abromowicz A. Infância, Raça e “Paparicação”. Educação em Revista 2010; 26(2):209-226.

Publicado
2022-10-24
Métricas
  • Visualizações do Artigo 65
  • PDF downloads: 65
Como Citar
Barbosa , A. P., Andrade Silva Marinho , G., & Prates Santana , J. (2022). PERTENCIMENTO RACIAL E PRIMEIRA INFÂNCIA: RELATO DE EXPERIÊNCIAS SOBRE A VALORIZAÇÃO DA CULTURA AFRO-BRASILEIRA ATRAVÉS DE ATIVIDADES LÚDICAS. Práticas E Cuidado: Revista De Saúde Coletiva, 3, e13895. Recuperado de https://www.revistas.uneb.br/index.php/saudecoletiva/article/view/13895
Seção
Dossiê Temático SAÚDE DA POPULAÇÃO NEGRA: PRÁTICAS E REFLEXÕES CONTRA-HEGEMÔNICA