QUE LUGAR É ESSE? OS DESAFIOS E AS POTENCIALIDADES DE INSERÇÃO DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL EM SAÚDE DA FAMÍLIA

Palavras-chave: Educação física, Residência, Atenção primária à saúde

Resumo

Introdução: O texto, construído por uma professora de educação física, narra a sua trajetória enquanto residente multiprofissional em saúde da família, partindo de uma pergunta central: Que lugar é esse? Método: Trata-se de um relato de experiência que compreende o período de março de 2019 a março de 2021. Resultados: Através do questionamento inicial foi possível caracterizar a atuação enquanto profissional de educação física nesse contexto de formação, apresentar os desafios encontrados e as potencialidades no cenário da atenção primária à saúde e analisar os desdobramentos para a área da educação física, inclusive no contexto da pandemia da COVID-19. Conclusão: As reflexões propõem uma perspectiva humanizada do cuidado, convidando a repensar nossas práticas e promover uma atenção à saúde pautada nos princípios e diretrizes do Sistema Único de Saúde (SUS).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rinelly Pazinato Dutra, Mestranda em Saúde Pública pela Universidade Federal do Rio Grande - Brasil

Graduada em Educação Física. Integra o Grupo de Pesquisa em Atividade Física e Saúde Pública e o Grupo de Estudos em Saúde Coletiva dos Ecossistemas Costeiros e Marítimos.

Alan Goularte Knuth, Professor no Programa de Pós-graduação em Saúde Pública da Universidade Federal do Rio Grande - Brasil

Doutor em Epidemiologia pela Universidade Federal de Pelotas. Integra o GTT Atividade Física e Saúde do Colégio Brasileiro de Ciências do Esporte. Participa do Grupo de Estudos de Saúde Coletiva dos Ecossistemas Costeiros.

Referências

Bondía JL. Notas sobre a experiência e o saber de experiência. Revista Brasileira de educação. 2018;19: 20-28.

Ramil V. A resposta. In: Letras [internet]. Acesso em: 13 de junho de 2019. Disponível em: https://www.letras.mus.br/vitor-ramil/541591/

Soares CL. Educação Física: Raízes Europeias e Brasil. Campinas, SP: Autores Associados, 3ª Edição, 2004, 143p.

Daolio J. Educação Física Brasileira: Autores e atores da década de 80. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, São Paulo. 1997;18(3):182-191.

Brasil. Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde. Política Nacional de Promoção da Saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2006.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 154, de 24 de janeiro de 2008. Cria os Núcleos de Apoio à Saúde da Família - NASF. Diário Oficial da União, 2008.

Brasil. Portaria Nº 2.436, de 21 de setembro de 2017. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes para a organização da Atenção Básica, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Brasília: Ministério da Saúde, 2017.

Malta DC, Morais Neto OL, Silva Junior JB. Apresentação do plano de ações estratégicas para o enfrentamento das doenças crônicas não transmissíveis no Brasil, 2011 a 2022. Epidemiologia e Serviços de Saúde. 2011; 20(4):425-438.

OMS, Organização Mundial da Saúde. Atividade Física. 2018. [internet] Acesso em 16 jun. 2019. Disponível em: https://www.who.int/en/news-room/fact-sheets/detail/physical-activity

Caspersen CJ, Powell KE, Christenson GM. Physical activity, exercise, and physical fitness: definitions and distinctions for health-related research. Public Health Rep. 1985; 100(2):126-31.

Lee I, et al. Effect of physical inactivity on major non-communicable diseases worldwide: an analysis of burden of disease and life expectancy. The lancet, 2012; 380(9838): 219-229.

Knuth AG, Arejano CB, Martins, SR (Org.). Trajetórias de composição do Sistema Único de Saúde pelas residências multiprofissionais em saúde. Rio Grande, RS: Editora da FURG; 2016, 218p.

Abib LT, Kuhn GF. Trajetórias das Residências Multiprofissionais em Saúde no contexto da saúde coletiva. Knuth AG, Arejano CB, Martins, SR (Org.). Trajetórias de composição do Sistema Único de Saúde pelas residências multiprofissionais em saúde. Rio Grande, RS: Editora da FURG; 2016, p. 17 – 38.

FURG. Projeto Político Pedagógico da Residência Multiprofissional em Saúde da Família [internet]. Rio Grande, 2014. Acesso em 14 mai de 2019. Disponível em: http://www.eenf.furg.br/index.php/cursos/residencias-multiprofissionais/rmsf/docs-rmsf

Benjamin W. O narrador. Considerações sobre a obra de Nikolai Leskov. In: Benjamin, W. Obras Escolhidas: Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura história e cultura. São Paulo: Brasiliense; 1994, p. 197-221.

Rolnik S. Pensamento, corpo e devir. Uma perspectiva ético/estético/política no trabalho acadêmico. Cadernos de subjetividade. 1993; 1(2): 241-252.

Dallegrave D, Kruse MHL. No olho do furacão, na ilha da fantasia: a invenção da residência multiprofissional em saúde. Interface Comun Saúde Educ. 2009;13(28): 213-37.

Damico JGS, Bilibio, LF. Experimentação e encontro intercessor: produzindo pistas para a educação física na saúde mental. In: Bagrichevsky M (Org.). Saúde Coletiva: Dialogando Sobre Interfaces Temáticas. Blumenau – SC: Instituto Federal Catarinense; 2.ed. 2019, p. 59-95.

Brasil Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Saúde da criança: crescimento e desenvolvimento / Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. – Brasília: Ministério da Saúde, 2012. 272 p.: il. – (Cadernos de Atenção Básica, nº 33)

ACOG, American College Of Obstetricians And Gynecologists et al. Committee opinion no. 804 (Replaces Committee Opinion Number 650): Physical Activity and Exercise During Pregnancy and the Postpartum Period. Obstet Gynecol. 2020; 135(4):178-188.

Abrahão AL, Lagrange V. A visita domiciliar como uma estratégia da assistência no domicílio. In: Morosini, MVGC; Corbo AD (Org.). Modelos de atenção e a saúde da família. Rio de Janeiro: ESPJV/FIOCRUZ, 2007 p. 151-171.

Brasil. Decreto Nº 6.286, de 5 de dezembro de 2007. Institui o Programa Saúde na Escola - PSE, e dá outras providências. Diário Oficial da União, 2007.

Guthold R, et al. Worldwide trends in insufficient physical activity from 2001 to 2016: a pooled analysis of 358 population-based surveys with 1· 9 million participants. The Lancet Global Health, 2018; 6(10):1077-1086.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Análise em Saúde e Vigilância de Doenças Não Transmissíveis. Vigitel Brasil 2019: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico: estimativas sobre frequência e distribuição sociodemográfica de fatores de risco e proteção para doenças crônicas nas capitais dos 26 estados Brasileiros e no Distrito Federal em 2019. [recurso eletrônico]. Brasília: Ministério da Saúde, 2020.

Crochemore-Silva I, Knuth, AG, Wendt A, Nunes BP, Hallal, PC, et al. Prática de atividade física em meio à pandemia da COVID-19: estudo de base populacional em cidade do sul do Brasil. Ciência & Saúde Coletiva. 2020; 25:4249-4258.

Luz MT. Educação física e saúde coletiva: papel estratégico da área e possibilidades quanto ao ensino na graduação e integração na rede de serviços públicos de saúde. In: Fraga AB; Wachs, F (Org.). Educação física e saúde coletiva: políticas de formação e perspectivas de intervenção. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 1ª Edição, 2007, p. 9-16.

Morosini MVGC, Fonseca AF, Baptista TWF. Previne Brasil, Agência de Desenvolvimento da Atenção Primária e Carteira de Serviços: radicalização da política de privatização da atenção básica? Cadernos de Saúde Pública, 2020; 36(9):e00040220

Publicado
2021-10-27
Métricas
  • Visualizações do Artigo 545
  • PDF downloads: 283
Como Citar
Dutra, R. P., & Knuth, A. G. (2021). QUE LUGAR É ESSE? OS DESAFIOS E AS POTENCIALIDADES DE INSERÇÃO DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL EM SAÚDE DA FAMÍLIA. Práticas E Cuidado: Revista De Saúde Coletiva, 2, e12963. Recuperado de https://www.revistas.uneb.br/index.php/saudecoletiva/article/view/12963
Seção
Dossiê Temático PESQUISA EM SERVIÇO: PRODUÇÕES NOS PROGRAMAS DE RESIDÊNCIA EM SA