ATUAÇÃO FONOAUDIOLÓGICA EM HOSPITAL DA REDE PÚBLICA: RELATO DE EXPERIÊNCIA

Palavras-chave: Fonoaudiologia, Sistema Único de Saúde, Residência

Resumo

Objetivo: expor os procedimentos aplicados e condições hospitalares em um programa de residência por profissional de Fonoaudiologia. Métodos: trata-se de uma pesquisa descritiva, exploratória, com abordagem qualitativa, do tipo relato de experiência, realizada em um hospital estadual da rede pública, situado no município de Salvador/Bahia, no período de março a dezembro de 2019. Resultados: o residente atua em praticamente todas as unidades do hospital, prestando atendimento a pacientes com diferentes enfermidades, submetido a uma carga horária exaustiva (60 horas semanais), bem como a dificuldades comuns à rede pública de saúde (falta de insumos/materiais, instalações precárias, equipamentos defeituosos, demora na realização de exames ou procedimentos). Apesar disso, o programa de residência é capaz de proporcionar grande aprendizado e amadurecimento (pessoal e profissional), a troca de experiências com demais membros da equipe de saúde e o fortalecimento da autonomia e independência. Conclusão: a atuação do fonoaudiólogo residente no âmbito hospitalar, especialmente na rede pública, tem fundamental relevância, na medida em que proporciona ao hospital contemplado profissionais com formação recente e, portanto, dotados de um olhar atual sobre o cenário que se apresenta, bem como minimiza a sobrecarga dos setores, ao possibilitar que mais pacientes sejam atendidos em um mesmo intervalo de tempo. Por fim, o programa de residência contribui na formação dos bacharéis em Fonoaudiologia, os quais poderão retornar ao serviço público (hospitalar ou não) com maior domínio teórico-prático, beneficiando àqueles indivíduos que necessitarem de atendimento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Bruno Girão Antunes, Residente Multiprofissional em Saúde pela Universidade do Estado da Bahia

Bacharel em Fonoaldiologia.

Referências

Conselho Federal de Fonoaudiologia (CFFa). Resolução CFFa Nº 604, de 10 de março de 2021. Acesso em: 02/06/2021. Disponível em: https://www.fonoaudiologia.org.br/resolucoes/resolucoes_html/CFFa_N_604_21.htm.

Brasil. Ministério da Educação. Residência Multiprofissional. Acesso em: 11/07/2020. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/residencias-em-saude/residencia-multiprofissional.

Bahia. Secretaria de Saúde do Estado da Bahia (Sesab). Processo Seletivo Unificado para Residência em Área Profissional da Saúde – 2019. Acesso em: 11/07/2020. Disponível em: http://www.saude.ba.gov.br/educacao/residencias-em-saude/residencia-multiprofissional-e-em-area-profissional-da-saude/.

Conselho Regional de Fonoaudiologia de São Paulo (CRFa 2). Fonoaudiologia. Acesso em: 11/07/2020. Disponível em: http://www.fonosp.org.br/fonoaudiologia.

Ribeiro TS. Atuação fonoaudiológica: visão dos profissionais da saúde servidores das unidades de terapia intensiva de um hospital universitário. Universidade Federal de Goiás. Programa de Residência Multiprofissional em Saúde. 2019; 41p.

Inaoka C, Albuquerque C. Efetividade da intervenção fonoaudiológica na progressão da alimentação via oral em pacientes com disfagia orofaríngea pós ave. Rev. CEFAC. 2014 Jan-Fev; 16(1):187-96.

Medeiros GC, Sassi FC, Lirani-Silva C, Andrade CRF. Critérios para decanulação da traqueostomia: revisão de literatura. CoDAS. 2019; 31(6).

Favero SR, Scheeren B, Barbosa L, Hoher JA, Cardoso MCAF. Complicações Clínicas da disfagia em pacientes internados em uma UTI. Distúrb Comum. 2017 Dec; 29(4): 654-62.

Anderle P, Rockenbach SP, Goulart BNG. Reabilitação pós-AVC: identificação de sinais e sintomas fonoaudiológicos por enfermeiros e médicos da Atenção Primária à Saúde. CoDAS. 2019; 31(2).

Oliveira ACM, Friche AAL, Salomão MS, Bougo GC, Vicente LCC. Predictive factors for oropharyngeal dysphagia after prolonged orotracheal intubation. Braz J Otorhinolaryngol. 2018; 84(6): 722-8.

Santos LB, Mituuti CT, Luchesi KF. Atendimento fonoaudiológico para pacientes em cuidados paliativos com disfagia orofaríngea. Audiol Commun Res. 2020; 25: e2262.

Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia (SBGG). Posicionamento sobre COVID-19 – Atualização, 15/03/2020. Disponível em: https://sbgg.org.br/posicionamento-sobre-covid-19-sociedade-brasileira-de-geriatria-e-gerontologia-sbgg-atualizacao-15-03-2020/.

Santos BP, Andrade MJC, Silva RO, Menezes EC. Disfagia no idoso em instituições de longa permanência - revisão sistemática da literatura. Rev. CEFAC. 2018 Jan-Fev; 20(1): 123-30.

Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS). Histórico da pandemia de COVID-19. Acesso em: 01/06/2021. Disponível em: https://www.paho.org/pt/covid19/historico-da-pandemia-covid-19#:~:text=Em%2031%20de%20dezembro%20de,identificada%20antes%20em%20seres%20humanos.

Marques RC, Silveira AJT, Pimenta DN. A pandemia de Covid-19: interseções e desafios para a história da saúde e do tempo presente. Coleção História do Tempo Presente: volume III. In: https://portal.fiocruz.br/sites/portal.fiocruz.br/files/documentos/a-pandemia-de-covid-19_intersecoes-e-desafios-para-a-historia-da-saude-e-do-tempo-presente.pdf

G1. Primeiro caso confirmado de Covid-19 no Brasil ocorreu em SP e completa seis meses nesta quarta. Acesso em: 01/06/2021. Disponível em: https://g1.globo.com/sp/sao-paulo/noticia/2020/08/26/primeiro-caso-confirmado-de-covid-19-no-brasil-ocorreu-em-sp-e-completa-seis-meses-nesta-quarta.ghtml

Bahia. Secretaria de Saúde do Estado da Bahia (Sesab). Bahia confirma primeiro caso importado do Novo Coronavírus (Covid-19). Acesso em: 01/06/2021. Disponível em: http://www.saude.ba.gov.br/2020/03/06/bahia-confirma-primeiro-caso-importado-do-novo-coronavirus-covid-19/

Soares KHD, Oliveira LS, Silva RKF, Silva DCA, Farias ACN, Monteiro EMLM, Compagnon MC. Medidas de prevenção e controle da covid-19: revisão integrativa. REAS. 2021; 13(2).

Porto ACL, Oliveira LB, Cabral JA, Amaro IMC, Queiroz MAS, Barbosa PME. Atuação fonoaudiológica em pacientes covid-19: revisão integrativa. Cadernos ESP. Ceará - Edição Especial. 2020; 14(1): 38-44 .

Cerqueira SBG, Teixeira JP, Carneiro TC, Ferreira GP, Silva JHS, Graça LO, Silva WG, Araújo BCL. Manejo fonoaudiológico do paciente traqueostomizado no contexto da Covid-19: uma revisão do conhecimento atual. Distúrb Comum. 2021; 33(1): 178-85.

Vicensi MC. Reflexão sobre a morte e o morrer na UTI: a perspectiva do profissional. Rev. bioét. (Impr.). 2016; 24(1): 64-72.

Teixeira CFS, Soares CM, Souza EA, Lisboa ES, Pinto ICM, Andrade LR, Espiridião MA. A saúde dos profissionais de saúde no enfrentamento da pandemia de Covid- 19. Ciência & Saúde Coletiva. 2020; 25(9): 3465-74.

Cipolla FP. O Mecanismo da Mais Valia Relativa. Estud. Econ. 2014; 44(2): 383-408.

Marciano MA, Vaccaro G, Scavarda A. Qualidade de sistema de saúde pública: uma compreensão sistêmica no sul do Brasil. Gest. Prod. 2019; 26(1): e1626.

Becker NHO, Benetti SPC. Fatores associados à formação da aliança terapêutica na psicoterapia obrigatória. Estudos de Psicologia. 2014; 19(4): 296-304.

Publicado
2021-06-04
Métricas
  • Visualizações do Artigo 433
  • PDF (English) downloads: 39
Como Citar
Antunes, B. G. (2021). ATUAÇÃO FONOAUDIOLÓGICA EM HOSPITAL DA REDE PÚBLICA: RELATO DE EXPERIÊNCIA. Práticas E Cuidado: Revista De Saúde Coletiva, 2, e10661. Recuperado de https://www.revistas.uneb.br/index.php/saudecoletiva/article/view/10661
Seção
Relato de Experiência