A EXPERIÊNCIA DE MULHERES QUE NÃO CONSEGUIRAM AMAMENTAR

Palavras-chave: Aleitamento materno, Desmame, Enfermagem materno-infantil

Resumo

O objetivo desse artigo foi apreender a experiência de mulheres que não conseguiram amamentar. Trata-se de um estudo descritivo, com abordagem qualitativa, realizado em uma Unidade Básica de Saúde no município de Senhor do Bonfim-BA. Participaram sete mulheres que não vivenciaram a amamentação como recomendado. A técnica utilizada para a coleta de dados foi a entrevista, norteada por um questionário semiestruturado, e os dados sistematizados de acordo com a análise temática. Evidenciou-se que a maioria das mães considera o leite materno um importante alimento; destacaram a importância das informações e do apoio recebido de familiares e profissionais de saúde durante o processo de amamentação; citaram como causas do desmame precoce: a introdução precoce de outros alimentos, inserção da mãe ao mercado de trabalho e gestação inesperada durante o processo de amamentação; os sentimentos desencadeados após o desmame foram: culpa, tristeza e alívio. É notório que a experiência de mulheres que não conseguiram amamentar perpassa por diferentes contextos que envolvem o período gravídico-puerperal. Diante disso, para que a prática da amamentação seja bem-sucedida, é indispensável o desejo da mãe de amamentar, o apoio da família e dos profissionais de saúde capacitados, com ênfase a enfermagem.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marina Souza Bacelar, Universidade do Estado da Bahia - Brasil

Graduada em Enfermagem

Gilvânia Patrícia do Nascimento Paixão, Professora no Programa de Pós-graduação em Saúde Coletiva da Universidade do Estado da Bahia - Brasil

Doutora em Enfermagem pela Universidade Federal da Bahia. Participante dos Grupos de pesquisa "Violência, saúde e qualidade de vida" e "Grupo de pesquisa sobre o cuidado em Enfermagem".

Chalana Duarte de Sena Fraga, Doutoranda em Reabilitação e Desempenho Funcional pela Universidade de Pernambuco - Brasil

Docente na Universidade Estadual da Bahia.

Sálem Ramos de Almeida, Graduanda em Enfermagem pela Universidade do Estado da Bahia - Brasil

Integrante do Grupo de Pesquisa sobre o Cuidado em Enfermagem

Referências

Bardin, L. (1977). Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70 Ltda, p. 27-49.

Braga, M.S., Gonçalves, M.S., & Augusto, C. R. (2020). Os benefícios do aleitamento materno para o desenvolvimento infantil. Brazilian Journal of Development, Curitiba, v. 6, n. 9, p.70250-70260.

Cabral, C.S., Cavalcanti, D.S., Barbosa, J.M., Vasconcelos, A.C.C.P., & Vianna, R.P.T. (2020). Inserção de um grupo virtual na rede social de apoio ao aleitamento materno exclusivo de mulheres após a alta hospitalar. Interface (Botucatu), Botucatu, v. 24, e190688.

Cristofari, R.C., Siqueira, D.F., Moreschi, C., Rodrigues, S.O., Kirchhof, R.S., & Pieszak, G.M. (2019). Conhecimento acerca do aleitamento materno de gestantes atendidas na atenção básica de saúde. Revista Brasileira em Promoção da Saúde, v. 32:9558.

IBGE. (2020). Censo de 2020. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/cidades-e-estados/ba/senhor-do-bonfim.html.

Jardim, T.S., Viana, J.P., Cruz, W.O., Assis, T.O., Lemos, G.D., Almeida, K.J.S., Maia, C.S., & Lemos-Jordão, A.J.J.M. (2019). Principais fatores relacionados à impossibilidade de amamentação em Puérperas assistidas no Isea. Brazilian Journal of Health Review, Curitiba, v. 2, n. 6, p. 5024-5046.

Moimaz, S.A.S., Rós, D.T., Saliba, T.A., & Saliba, N.A. (2020). Estudo quanti-qualitativo sobre amamentação exclusiva por gestantes de alto risco. Ciênc. Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 25, n. 9, p. 3657-3668.

Moreira, T.B., Silva, L.R., Silva, M.D.B., Silva, L.J., Mourão, P.P., & Moreira, A.P.A. (2020). Vivência materna no contexto da amamentação do recém-nascido hospitalizado e submetido à intervenção cirúrgica. Esc. Anna Nery, Rio de Janeiro, v. 24, n. 4, e20190281.

Oliveira, M.M.B., & Silva, I.A. (2019). Representações sociais de mulheres doadoras de leite humano sobre amamentação. Revista Eletrônica Acervo Saúde, v. 36, n. 36, e1505.

Paixão, M.C.S., Goés, A.C.F., Raso, A.D., & Leal, M.A.F. (2019). A amamentação sob o olhar das puérperas e as influências do meio sociofamiliar no processo de vinculação mãe-bebê. Contextos Clínicos, São Leopoldo, v. 12, n. 3.

Primo, C.C., Henrique, L.R., Bertazo, Q.S., Resende, F.Z., Leite, F.M.C., & Brandão, M.A.G. (2020). Validação da “Escala Interativa de Amamentação”: análise teórica e empírica. Esc. Anna Nery, Rio de Janeiro, v. 24, n. 1, e20190207.

Ribeiro, K.V., Florentino, C.L.V., Mariano, D.C.A., Peres, P.L.P., & Rodrigues, B.M.R.D. (2017). A amamentação e o trabalho informal: a vivência de mães trabalhadoras. Revista Pró-UniverSUS, Rio de Janeiro, v. 8, n. 2.

Silva, K.M.S., Goetz, E.R., & Santos, M.V.J. (2017). Aleitamento materno: conhecimento das gestantes sobre a importância da amamentação na estratégia de saúde da família. Revista Brasileira de Ciências da Saúde, v. 21, n. 2, p. 111-118.

Silva, L.S., Leal, N.P.R., Pimenta, C.J.L., Silva, C.R.R., Frazão, M.C.L.O., & Almeida, F.C.A. (2020). Contribuição do enfermeiro ao aleitamento materno na atenção básica. Rev. Pesqui. (Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, Online), Rio de Janeiro, p.774-778.

Wagner, L.P.B., Mazza, V.A., Souza, S.R.R.K., Chiesa, A., Lacerda, M.R., & Soares, L. (2020). Fortalecedores e fragilizadores da amamentação na ótica da nutriz e de sua família. Rev. Esc. Enferm. USP, São Paulo, v. 54, e03563.
Publicado
2021-11-27
Métricas
  • Visualizações do Artigo 200
  • PDF downloads: 134
Como Citar
Bacelar, M. S., Paixão, G. P. do N., Fraga, C. D. de S., Silva, M. B. de C., & Almeida, S. R. de. (2021). A EXPERIÊNCIA DE MULHERES QUE NÃO CONSEGUIRAM AMAMENTAR. Práticas E Cuidado: Revista De Saúde Coletiva, 2, e10421. Recuperado de https://www.revistas.uneb.br/index.php/saudecoletiva/article/view/10421
Seção
Artigos (FLUXO CONTíNUO)