Biografias e migrações: diálogos teórico-práticos no horizonte de uma utopia concreta

Elsa Lechner

Resumo


Partindo de um enquadramento geral do relevo adquirido pelas questões ‘biográficas’ e das ‘migrações’ no panorama social e científico atual, este texto visa desenhar uma coerência teórico-prática do trabalho de pesquisa sobre migrações a partir de enfoques e métodos biográficos nas ciências sociais. Ancorado em experiências de investigação etnográfica realizadas junto de migrantes em diversos contextos (portugueses da diáspora, imigrantes e refugiados de origens muito diferentes em Portugal), o argumento apresentado defende a pertinência analítica e social das histórias de vida e relatos biográficos e autobiográficos de quem viveu ou vive na pele a experiência da migração. Partimos do pressuposto segundo o qual aquilo que cada narrador de uma experiência migratória possa dizer sobre si e sobre a sua identidade ou condição migrante, não coincide necessariamente com os discursos institucionais, mediáticos, dominantes sobre essa mesma identidade ou situação. E que o que falta para aproximar estes dois mundos distantes é uma aproximação entre os seus protagonistas aquém e além dos respetivos estatutos sociais, sem os descurar na análise. Esta reflexão recorre à corrente das histórias de vida em formação bem como aos contributos da filosofia hermenêutica contemporânea, concluindo que a própria pesquisa biográfica junto de migrantes e refugiados revela-se um contexto de transformação social, mesmo que situacional.


Palavras-chave


Migrações; Pesquisa biográfica; Utopia concreta

Texto completo:

PDF

Referências


AGAMBEN, G. O Estado de Exceção. Tradução de Iraci D. Poleri. São Paulo: Boitempo, 2004.

ARENDT, H. A Condição Humana. Tradução de Roberto Raposo. Lisboa: Relógio de Água, 1958. [2001].

BLOCH, Ernst. The Spirit of Utopia. Stanford, Stanford University. 2000.

DILTHEY, W. Selected Works. MAKKREEL, R.A., RODI, F. (eds.). Princeton, NJ: Princeton University Press, 1985.

FABRE, D., JAMIN, J., & MASSENZIO, M. Jeu et enjeu ethnographiques de la biographie. Introduction. Revue L´Homme, Paris, MSH, 2010. p. 195-196, p. 7-21.

FERRAROTTI, F. (1981). On the autonomy of the biographical method. In. BERTAUX, D. (Dir.). Biography and Society: the life history approach in the social sciences. London/Beverly Hills: Sage Publications, 1981. p.19-27.

FERRAROTTI, F. História e histórias de vida. O método biográfico nas Ciências Sociais. Tradução de Zuleide Cavalcantti.Natal/RN: EDURFN; São Paulo: Paulos, 2014.

FOUCAULT. M. Histoire de la Sexualité. T1 La Volonté de Savoir. Paris: Gallimard, 1976.

GEERTZ. C. The Interpretation of Cultures. New York: Basic Books, 1973.

HAMILTON, N. Biography as Corrective. In. RENDERS, H., HAAN, B., HARMSMA, J. The Biographical Turn: Lives in history. London: Routledge, 2017. p. 15-30.

KEARNEY, R. & TREANOR, B. Carnal Hermeneutics. Perspectives in Continental Philosophy. New York, NY: Fordham University Press, 2015.

KEARNEY, R. From hostility to hospitality. Boston, MA. Website. 2009. Disponível em: www.guestbookproject.org Acessado em: 20 de fevereiro 2018.

LECHNER, E. La recherche biographique aujourd’hui : de science de l’incertitude à savoir ancrée. Le Sujet dans la Cité, Habiter en étranger: lieux, mouvements, frontières, Paris: Téraèdre (2), p. 214-226, 2011.

LECHNER, E. O Essencial Sobre Migração e Conflito. Angelus Novus: Coimbra, 2010.

LECHNER, E. Histórias de Vida: olhares interdisciplinares. Porto: Afrontamento, 2009.

LEWIN, K. Action Research and Minority Problems. Journal of Social Issues, New York, SPSSI, 2, p. 34-46, 1946.

MARCELO, G. Narrative and recognition in the flesh. An interview with Richard Kearney. Philosophy & Social Criticism Journal, London, Sage, v. 43 (8), p. 777-792, 2017.

MBEMBE, A. Necropolitics. Public Culture. Durham, NC: Duke University Press. 15 (1), p. 11-40, 2003.

Organização Internacional para as Migrações (OIM). World migration report 2018. Geneva: OIM, 2017.

PINEAU, G. Les histoires de vie comme art formateur de l’existence. Pratiques de formation/Analyses, Paris, Université de Paris 8, 31, p. 65-80, 1996.

RENDERS, H. et al. The Biographical Turn. Lives in History. London: Routledge, 2017.

RIBEIRO, J. S. COMpartilhar Histórias de Vida: (inter)subjetividades, (inter)reconhecimentos e (I)migração. In. LECHNER, Elsa (Org.). Rostos, Vozes e Silêncios: uma pesquisa biográfica colaborativa com imigrantes em Portugal. Coimbra: Almedina, 2015. p. 246-264.

RICOEUR, P. Temps et Récits I. Paris : Seuil, 1983.

RODIER, C. Xénophobie business. À quoi servent les contrôles migratoires ? Paris: La Découverte, 2013.

SANTOS, B. S. Para além do Pensamento Abissal: das linhas globais a uma ecologia de saberes. Revista Crítica de Ciências Sociais, Coimbra, CES, 78, p. 3-46, 2007.

TAYLOR, C. Self-interpreting animals. Human agency and language: Vol 1. Philosophical papers. Cambridge: Cambridge University Press, 1985. p. 45-76.

THOMAS W. and ZNANIECKI F. The Polish Peasant in Europe and America. Monograph on an Immigrant Group. Boston: Badger, 1918-1925.

WORM, A. Civil war and the figurations of illegalized migration. Biographies of Syrian migrants coming to the European Union. In. ROSENTHAL, G. and BOGNER, A. Biographies in the Global South. Life stories embedded in Figurations and Discourses. Frankfurt: Campus Verlag, 2017. p. 160-184.




DOI: http://dx.doi.org/10.31892/rbpab2525-426X.2018.v3.n7.p35-44

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Indexadores: 

 

 

Portal SEER

Revista Brasileira de Pesquisa (Auto)Biográfica - RBPAB - Qualis B2 Educação

 A Revista Brasileira de Pesquisa (Auto)Biográfica é publicada sob a licença Creative Commons de  Atribuição-NãoComercial CC BY-NC