Educação, exílio e revolução: o camarada Paulo Freire

Débora Mazza, Nima Imaculada Spigolon

Resumo


O artigo apresenta o percurso político-pedagógico de Paulo Freire, no exílio brasileiro (1964-1980), a partir de (auto)biografias. Autores sugerem que o exílio político promove diásporas, reconversões identitárias, militâncias e processos de mudança, nos percursos individuais e coletivos, que aqui analisamos. Ancoradas em narrativas (auto)biográficas, incluindo uma entrevista jornalística concedida e coletada em África; as autoras do artigo esquadrinham tempos e espaços nos quais o então educador do governo do presidente João Goulart, em decorrência do golpe de 1964 e na condição de exilado político, aliou sua experiência de Educação com Revolução, impulsionado pelos desafios da Alfabetização de Adultos. Paulo Freire e família residiram e trabalharam nas Américas e na Europa e estenderam suas intervenções em África – nos países recém-independentes da colonização portuguesa. Em época de desmonte do Estado de direito e de inflexão social conversadora, recobrar o percurso de Paulo Freire no exílio e compreender os processos que transformaram o educador popular - então parte dos quadros do governo federal-, em camarada revolucionário, é uma forma de se indignar contra as muitas formas de opressão e resistir dentro dos limites da ordem democrática.


Palavras-chave


Autobiografia

Texto completo:

PDF

Referências


BEISIEGEL, Celso de Rui. Estado de educação popular. São Paulo: Pioneira, 1974.

BEISIEGEL, Celso de Rui. Política e educação popular. São Paulo: Ática, 1982.

BOITO JR, Armando; BERRINGER, Tatiana. Brasil: classes sociais, neodesenvolvimentismo e política externa nos governos Lula e Dilma. Rev. Sociol. Polit., v. 21, n. 47, p. 31-38, 2013.

BRUNEAU, Michel. Pour une approche de la territorialité internationale: les notions de disapora et de communité transnationale. In: ARAB, Chadia et al. Les circulations transnationales. Lire les turbulences migratoires contemporaines. Paris: Armand Colin, 2009. p. 29-42.

BRUNER, Jerome. Atos de significação. Porto Alegre: Artmed, 1997.

CHAUÍ, Marilena. Conformismo e resistência. São Paulo: Brasiliense, 1985.

CHARTIER, Roger. A visão do historiador modernista. In: FERREIRA, Marieta de M.; AMADO, Janaina. (Orgs.). Usos e abusos da história oral. Rio de Janeiro: Editora da Fundação Getúlio Vargas, 1996. p. 215-218.

CORTES, Geneviève; FARET, Laurent. La circulation migratoire dans “l’ordre des mobilités. In: ARAB, Chadia et al. Les circulations transnationales. Lire les turbulences migratoires contemporaines. Paris: Armand Colin, 2009. p. 7-19.

COSTA, Albertina de Oliveira et al. (Orgs.). Memórias das mulheres do exílio. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1980.

CRUIKSHANK, Julie. Tradição oral e história oral: revendo algumas questões. In: FERREIRA, Marieta de M.; AMADO, Janaina (Orgs.). Usos e abusos da história oral. Rio de Janeiro: Editora da Fundação Getúlio Vargas, 1996. p. 149-166.

DAVIS, Kathy; PRADILLA, Victoria. La biografia como metodologia critica. Historia, Antropologia y Fuentes Orales, Barcelona, Memoria Rerum, n. 30, p. 153-160, 2003.

DELORY-MOMBERGER, Christine. A pesquisa biográfica: projeto epistemológico e perspectivas metodológicas. In: ABRAHÃO, Maria Helena M. B.; PASSEGGI, Maria da Conceição. (Orgs). Dimensões metodológicas da pesquisa (auto)biográfica: Tomo I. Natal: EDUFRN; Porto Alegre: EDIPUCRS; Salvador: EDUNEB, 2012. p. 71-93.

DEMARTINI, Zeila de Brito Fabri. Relatos orais, documentos escritos e imagens: fontes complementares na pesquisa sobre imigração. In: ROCHA-TRINDADE, Maria Beatriz; CAMPOS, Maria Christina Siqueira de Souza. (Orgs.). História, memória e imagens nas migrações: abordagens metodológicas. Oeiras: Portugal: Celta Editora, 2005. p. 99-134.

DREIFUSS, René Armand. 1964: a conquista do Estado: ação política, poder e golpe de classe. Petrópolis, RJ: Vozes, 2008.

DUBAR, Claude. A crise das identidades: a interpretação de uma mutação. São Paulo: EDUSP, 2009.

FÁVERO, Osmar. Cultura popular, educação popular, memória dos anos 60. Rio de Janeiro: Graal, 1983.

FERNANDES, Florestan. A revolução burguesa no Brasil: ensaio de interpretação sociológica. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1975.

FREIRE, Paulo. Educação como prática da liberdade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1967.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. Porto: Afrontamento, 1972.

FREIRE, Paulo. Há uma unidade indissolúvel entre a revolução e a educação. Entrevista. In: Jornal “Nô Pintcha”, Bissau, Guiné-Bissau, ed. 09 de abril, p. 05, 1977.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da esperança. São Paulo: Paz e Terra, 1992.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da indignação: cartas pedagógicas e outros escritos. São Paulo: Editora Unesp, 2000.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 2006.

FREIRE, Paulo; BETTO, Frei. Essa escola chamada vida: depoimentos ao repórter Ricardo Kotscho. São Paulo: Editora Ática, 2000.

FREIRE, Paulo; FAUNDEZ, Antônio. Por uma pedagogia da pergunta. São Paulo: Paz e Terra, 1985.

FREIRE, Paulo; GUIMARÃES, Sérgio. Aprendendo com a própria história. V. I. 2. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2001.

FREIRE, Paulo; GUIMARÃES, Sérgio. Aprendendo com a própria história. V. II. 2. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2002.

FREIRE, Paulo; OLIVEIRA, Rosiska Miguel Darcy de.; CECCON, Claudius. Vivendo e aprendendo: experiências do IDAC em educação popular. São Paulo: Brasiliense, 1980.

GALEANO, Eduardo. As palavras andantes. Porto Alegre: L&PM, 2007.

HALBWACHS, Maurice. A memória coletiva. São Paulo: Editora Centauro, 2015.

HALL, Stuart. Da diáspora: identidades e mediações culturais. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2009.

JULIÃO, Francisco. Esperança é meu signo. In: CAVALCANTI, Pedro Celso Uchôa; RAMOS, Jovelino. (Coords.). Memórias do Exílio, Brasil 1964/19?? Volume 1 – De muitos caminhos. São Paulo: Editora e Livraria Livramento Ltda., 1978. p. 287-299.

LARROSA, Jorge. La experiencia de la lectura. Estudios sobre literatura y formación. Barcelona: Laertes S. A. Ediciones, 1996.

LEFEBVRE, Henri. Espaço e política. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2008.

MAZZA, Débora. A produção sociológica de Florestan Fernandes e a problemática educacional: uma leitura (1941-1964). Taubaté: Cabral Editora e Livraria Universitária, 2003.

MAZZA, Débora; FERREIRA, Márcia dos Santos; SPIGOLON, Nima Imaculada. O golpe de 1964 no Brasil: memórias de mulheres sobre o exílio. Cadernos CERU, São Paulo, FFLCH/ USP, v. 26, n. 1, p. 167-183, 2015.

NÓVOA, Antônio. Firmar a posição como professor, afirmar a profissão docente. Cadernos de Pesquisa, v. 47, n. 166, p. 1106-1133, out./dez. 2017.

PAIVA, Vanilda. Educação popular e educação de adultos, contribuição à história da educação brasileira. São Paulo: Loyola, 1973.

PEPETELA [PESTANA dos Santos, Artur Carlos Maurício]. A geração da utopia. Lisboa: Dom Quixote, 1997.

ROLLEMBERG, Denise. Exílio entre raízes e radares. Rio de Janeiro: Editora Record, 1999.

ROSAS, Paulo. Papéis avulsos sobre Paulo Freire, 1. Recife: Centro Paulo Freire – Estudos e Pesquisas: Editora Universitária da UFPE, 2003.

SAID, Edward. Reflexões sobre o exílio e outros ensaios. São Paulo: Cia. das Letras, 2003.

SAINT MARTIN, Monique de. Reconversões e reestruturações das elites: o caso da aristocracia em França. Análise Social, Revista do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa, v. XXX (5º.), n. 134, p. 1023-1039, 1995.

SPIGOLON, Nima Imaculada. Pedagogia da convivência: Elza Freire – uma vida que faz educação. Jundiaí: Paco Editorial, 2016

SPIGOLON, Nima Imaculada. As noites da ditadura e os dias de utopia – o exílio, a educação e os percursos de Elza Freire nos anos de 1964 a 1979. 2014. 506 f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2014.

SOUZA, Elizeu Clementino de.; CASTAÑEDA, José Antonio Serrano; MORALES, Juan Mario Ramos. Autobiografía y educación: tradiciones, diálogos y metodologías. Revista mexicana de investigación educativa (RMIE), México, v. 19, n. 62, p. 683-694, jul./sep. 2014.

TOLEDO, Caio Navarro de. O governo Goulart e o golpe de 64. São Paulo: Brasiliense, 1983.

WEFFORT, Francisco Correia. O populismo na política brasileira. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978.

YANKELEVICH, Pablo. Introducción. In: YANKELEVICH, Pablo; JENSEN, Silvina. (Orgs.). Exilios: destinos y experiências bajo la dictadura militar. Buenos Aires: Libros Del Zorzal, 2007. p. 09-20.

VÁZQUEZ, Adolfo Sánchez. Entre a realidade e a utopia: ensaios sobre política, moral e socialismo. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001.

VIÑÃO, Antonio. A modo de prólogo: refugios del yo, refugio de otros. In: MIGNOT, Ana Crystina V.; BASTOS, Maria Helena Câmara; CUNHA, Maria Teresa Santos. (Orgs.). Refúgios do eu: educação, história e escrita autobiográfica. Florianópolis: Mulheres, 2000. p. 9-15.




DOI: http://dx.doi.org/10.31892/rbpab2525-426X.2018.v3.n7.p203-220

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Indexadores: 

 

 

Portal SEER

Revista Brasileira de Pesquisa (Auto)Biográfica - RBPAB - Qualis B2 Educação

 A Revista Brasileira de Pesquisa (Auto)Biográfica é publicada sob a licença Creative Commons de  Atribuição-NãoComercial CC BY-NC