Visual Storytelling e Pesquisa-formação na Cibercultura

Tania Lucía Maddalena, Carina d’Ávila, Edméa Santos

Resumo


Imagens, narrativas e sons permeiam nosso cotidiano desde sempre; suas formas e meios de difusão foram mudando ao longo da história da humanidade. Narramos histórias orais, nas pedras das cavernas, no livro impresso, no rádio, no cinema, na televisão e hoje por meio de todo tipo de tela. A hipermídia é a linguagem da cultura contemporânea e nos inspiramos nos seus fenômenos narrativos para pensar e criar as práticas pedagógicas. Partindo desse contexto, o presente artigo apresenta uma pesquisa-formação desenvolvida no ano 2015, na disciplina Tecnologias na Educação do curso de Pedagogia da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, UERJ, na qual o Visual Storytelling (narração visual de histórias), na rede social Instagram, foi um dos gêneros trabalhados como proposta pedagógica da formação de professores. Mediante a arte de lembrar, as professoras em formação trouxeram suas recordações da escola, materializadas em narrativas e imagens digitais, lançando novos olhares sobre os artefatos tecnológicos da infância. Neste artigo, revolvemos, a ideia da potência das hiperescritas de si, no processo de formação docente.


Palavras-chave


Visual Storytelling, fotografia, pesquisa-formação, formação de professores

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, Nilda. Decifrando o pergaminho – os cotidianos das escolas nas lógicas das redes cotidianas. In: OLIVEIRA, Inês Barbosa de; ALVES, Nilda. (Orgs.). Pesquisa nos/dos/com os cotidianos das escolas: sobre redes de saberes. 3. ed. Petrópolis, RJ: DP&A, 2008a. p. 15-38.

ALVES, Nilda. Lembranças em imagens. In: PASSEGGI, Maria da Conceição; BARBOSA, Tatyana Mabel Nobre. Narrativas de formação e saberes biográficos. Natal: Ed. Da UFRN, 2008b. p.175-195.

ALVES, NILDA. Faz bem trabalhar a memória: criação de currículos nos cotidianos, em imagens e narrativas. In: GARCIA, Alexandra; OLIVEIRA, Inês Barbosa de. (Orgs.). Nilda Alves: praticantepensante de cotidianos. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2015. p. 207-217.

ARDOINO, Jacques. Abordagem multirreferencia (plural) das situações educativas e formativas. In: BARBOSA, J. (Org.). Multirreferencialidade nas ciências e na educação. São Carlos: EDUFScar, 1998.

BRUNER, Jerome. Realidad mental y mundos posibles. Barcelona: Gedisa, 1998.

BRUNER, Jerome. Fabricando histórias: direito, literatura, vida. São Paulo: Letra e Voz, 2014.

CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano: artes de fazer. 19. ed. Tradução de Ephraim Ferreira Alves. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012.

D’ÁVILA, Cristina. Formação docente na contemporaneidade: limites e desafios. Revista da FAEEBA: Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 17, n. 30, p. 33-43, jul./dez. 2008.

D’ÁVILA, Carina; MADDALENA, Tania; CARVALHO, Felipe. Imagens voláteis e Digital Storytelling: novas práticas pedagógicas na cibercultura. In: PORTO et al. (Orgs.). Pesquisa e mobilidade na cibercultura: itinerâncias docentes. Salvador: Edufba, 2015.

JOSSO, Marie-Christine. Experiências de vida e formação. São Paulo: Cortez, 2004.

MACEDO, Roberto Sidnei. Outras luzes: um rigor intercrítico para uma etnopesquisa política. In: MACEDO, Roberto Sidnei; GALEFFI, Dante; PIMENTE Álamo. (Orgs.). Um rigor outro: sobre a questão de qualidade na pesquisa qualitativa. Salvador: Edufba, 2009. p. 75-126.

MACEDO, Roberto Sidnei. A pesquisa e o acontecimento: compreender situações, experiências e saberes acontecimentais. Salvador: Edufba, 2016.

NÓVOA, Antônio. Prefácio. In: JOSSO, M.C. Experiências de vida e formação. São Paulo: Cortez, 2004. p. 11-34.

OLIVEIRA, Inês Barbosa de. Currículos e pesquisas com os cotidianos: o carácter emancipatório dos currículos “pensadospraticados” pelos “praticantespensantes” dos cotidianos das escolas. In: FERRAÇO, Carlos Eduardo; CARVALHO, Janere Magalhães. (Orgs.). Currículos, pesquisas, conhecimentos e produções de subjetividades. Petrópolis, RJ: PDetAlli, 2012. p. 47-70.

SANTAELLA, Lucia. Comunicação ubíqua. Repercuções na cultura e na educação. São Paulo: Paulus, 2013.

SANTOS, Edméa. Pesquisa-formação na cibercultura. Santo Tirso, Portugal: Whitebooks, 2014.

SARLO, Beatriz. Tempo passado: cultura da memória e guinada subjetiva. São Paulo: Cia. das Letras; Belo Horizonte: UFMG, 2007.

SOUZA, Elizeu. Clementino de. Pesquisa narrativa e escrita (auto)biográfica: interfaces metodológicas e formativas. In: SOUZA, E. C.; BARRETO, A. M. Tempos, narrativas e ficções: a invenção de si. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2006. p. 135-147.

THOMSON, Alistair. Recompondo a memória – questões sobre a relação entre a história oral e as memórias. Projeto História: Revista do Programa de Pós-graduados de história. São Paulo, v.15, n. 2, p. 51-84, abr. 1997. Disponível em: . Acesso em: 15 jun. 2017.

XAVIER, Adilson. Storytelling. Histórias que deixam marcas. Rio de Janeiro: BestBusiness, 2015.




DOI: http://dx.doi.org/10.31892/rbpab2525-426X.2018.v3.n7.p290-305

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Indexadores: 

 

 

Portal SEER

Revista Brasileira de Pesquisa (Auto)Biográfica - RBPAB - Qualis B2 Educação

 A Revista Brasileira de Pesquisa (Auto)Biográfica é publicada sob a licença Creative Commons de  Atribuição-NãoComercial CC BY-NC