AS CRIANÇAS NA ESCOLA, SEUS ENREDOS E NARRATIVAS

  • Gianine Maria de Souza Pierro
Palavras-chave: Cultura da escola, Cultura da infância, Roda de Conversa, Pesquisa Narrativ, Reflexividade

Resumo

Refletir sobre a cultura escolar e a cultura da infância, a partir das narrativas do que dizem as crianças sobre a escola é o desafio que trazemos neste texto. Para tanto, dialogamos com Bruner (1997; 2001), Passeggi (2011), Pino (2005), Ricoeur (1997), Vigotski (1998) e Wulf (2016), e como metodologia desenvolvemos rodas de conversas (PASSEGGI, 2011), realizadas em uma escola pública na cidade de Niterói, com alunos de Ensino Fundamental com idade entre 6 e 8 anos, tendo, como parceiros, personagens e autores dos livros de histórias. Esta pesquisa, ancorada nos princípios e métodos da pesquisa (auto)biográfica em Educação, apresenta como objetivo dar visibilidade à voz da criança, destacando o seu modo de refletir, para melhor pensar o papel da escola no acolhimento institucional da infância. Como resultado possibilitou: (a)olhar a criança pelo que é, o que pensa e diz e não pelo que poderá ser; (b) reafirmar a pertinência da abordagem em rodas de conversa, contribuindo e ampliando o repertório de práticas de investigação e análise da voz da criança, e (c) desvelar a possibilidade da criança alternar entre o lugar de espectadora e personagem dos fatos e situações narrados, a partir da experiência de ser criança em diferentes tempos e espaços.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BRUNER, Jerome. A cultura da educação. Porto Alegre: Artmed. 2001.

_______________. Atos de significação. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997.

CALVINO, Italo. Seis propostas para o próximo milênio. São Paulo: Companhia das Letras,1990.

CORSARO, Willian Arnold. A reprodução interpretativa no brincar ao faz-de-conta das crianças. Educação, Sociedade e Cultura, Porto, Portugal, n. 17, p. 113-134, 2002.

_______________ . Métodos etnográficos no estudo da cultura de pares e das transições iniciais na vida das crianças. In: MÜLLER, Fernanda. (Org.). Teoria e prática na pesquisa com crianças: diálogos com W. Corsaro. São Paulo: Cortez, 2009. p. 83-103.

CHAUÍ, Marilena. Cidadania cultural: o direito à cultura. São Pulo. Editora Fundação Perseu Abramo, 2006.

DELGADO, Ana Cristina Coll; MÜLLER, Fernanda. Sociologia da Infância: pesquisa com crianças. Educação e Sociedade, Campinas, v. 26, n. 91, p. 351-360, mai./ago. 2005.

DELORY-MOMBGERGER, Christine. Abordagens metodológicas na pesquisa biográfica. Revista Brasileira de Educação, v. 17, n. 51, p. 523-536, set./dez. 2012.

FREIRE, Paulo. Política e educação. São Paulo: Cortez, 2001.

GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1978.

JAVEAU, Claude. Crianças, Infância(s), crianças: que objetivo dar a uma ciência social da Infância? Educação e Sociedade, Campinas, v. 26, n. 91, p. 379-389, mai./ago. 2005.

MORIN, Edgar. Ciência com consciência. Rio de Janeiro: Bertrand, 2001.

OGAY, Tania. Por uma abordagem intercultural da educação: levar a cultura a sério. Revista Diálogo Educacional, Curitiba, v. 10, n. 30, p. 391-408, mai./ago. 2010.

PASSEGGI, Maria da Conceição. A experiência em formação. Revista Educação, Porto Alegre, v. 34, n. 2, , 147-156, mai./ago. 2011.

PASSEGGI, Maria da Conceição et al. Narrativas de crianças sobre as escolas da infância: cenários e desafios da pesquisa (auto)biográfica. Revista Educação, UFSM, v. 39, n. 1, p. 85-104, jan./abr. 2014.

PAWAGI, Manjusha. A menina que odiava livros. Ilustração Jeanne Franson. Tradução de Adriana de Oliveira. São Paulo: Melhoramentos, 2007. (Coleção Mundo Colorido).

PINO, Angel. As marcas do humano – as origens da construção cultural da criança na perspectiva de Lev S. Vigotsky. São Paulo: Cortez. 2005.

ROCHA, Simone Maria da.; PASSEGGI, Maria da Conceição. Inclusão escolar pela classe hospitalar: o que nos contam as crianças sobre suas experiências educativas no hospital. In: SOUZA, Elizeu Clementino de.; PASSEGGI, Maria da Conceição; VICENTINI, Paula Perin. (Orgs.). Pesquisa (Auto)Biográfica: trajetórias de formação e profissionalização. Curitiba, PR: CRV, 2013. (p. 107-120).

RICOEUR, Paul. Tempo e narrativa. v. 3. Tradução de Roberto L. Ferreira. Campinas, SP: Papirus, 1997.

SARMENTO, Manuel Jacinto. Imaginário e culturas da infância. Cadernos de Educação, Pelotas, v. 12, n. 21, p. 51-69, 2003.

SARAMAGO, José. A maior flor do mundo. Ilustração de João Caetano. São Paulo: Companhia das Letrinhas, 2001.

WULFF, Christoph. Aprendizagem cultural e mimese: jogos, rituais e gestos. Tradução e revisão científica de Carlos Eduardo Galvão Braga (UFRN) e Maria da Conceição Passeggi (UFRN). Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 21, n. 66, p. 553-568, jul./set. 2016.

VELHO, Gilberto. Individualismo e cultura. Notas para uma antropologia da sociedade contemporânea. Rio de Janeiro: Zahar Editores. 1981.

VIGOTSKI, Lev Semenovitch. Pensamento e linguagem. Rio de Janeiro: Martins Fontes, 1998.

Publicado
2017-04-29
Métricas
  • Visualizações do Artigo 1055
  • PDF downloads: 1340
Como Citar
PIERRO, G. M. DE S. AS CRIANÇAS NA ESCOLA, SEUS ENREDOS E NARRATIVAS. Revista Brasileira de Pesquisa (Auto)biográfica, v. 2, n. 4, p. 205-219, 29 abr. 2017.