NARRATIVA DIALÓGICA DE UM CINEGRAFISTA INDÍGENA

  • Paulinho Ecerae Kadojeba
  • Aivone Carvalho
  • José da Silva Ribeiro
Palavras-chave: Bororo. Cinegrafista indígena, Narrativa dialógica, Pesquisa em ação

Resumo

No presente texto, sublinhamos o cruzamento de olhares entre os pesquisadores, no desenvolvimento de uma pesquisa participativa com o cinegrafista, em seu processo de aprendizagem e desenvolvimento do processo criativo. São itinerários que se cruzam e se apoiam reciprocamente, na pesquisa e na produção audiovisual. Se a centralidade da utilização das tecnologias do som, das imagens e a apropriação destas por Paulinho e por outros cinegrafistas indígenas são relevantes nesta narrativa, uma temática frequentemente aflora – o funeral bororo e este como um lugar de conflito com as representações televisivas e com seus atores, funcionário (Flusser) dos aparelhos. Neste sentido, a narrativa emerge como uma antropologia recíproca, em que o cinegrafista dirige seu olhar para sua comunidade, mas também para os pesquisadores e para os agentes das representações mediáticas hegemônicas, como narrativa crítica e criativa. Trata-se de uma narrativa aberta, de uma história de vida (ou de histórias de vida) aberta(s) a novas realizações e ao aprofundamento dos processos criativos e de pesquisa em ação e a seus questionamentos epistemológicos, éticos, estéticos e políticos. Minha participação (José da Silva Ribeiro) no texto resultou de uma proposta dos dois autores principais tendo como objetivo a relação entre saberes locais por eles vividos e os saberes globais que apontam para a reflexão antropológica, a criação audiovisual e a pesquisa em ação. Seguiu-se a tradição antropológica de não intervenção significativa nas narrativas dos aurores principais e de colocar as questões levantadas num debate mais aberto, embora apenas iniciado neste texto.   

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALBISETTI, C.; VENTULLE, A. J. Enciclopédia Bororo. Campo Grande: UCDB, 1962, 1969, 1976 e 2003. V. I, II, III e IV.

CARVALHO, Aivone. O museu na aldeia – Comunicação e Transculturalismo no diálogo museu e aldeia. Campo Grande: UCDB, 2006.

________ .Tempo de Aroe: simbolismo e narratividade no funeral bororo. 1994. 200 f. Dissertação (Mestrado em Comunicação e Semiótica) – Programa de Pós Graduação em Comunicação e Semiótica.Pontifícia Universidade de São Paulo, São Paulo, 1994.

COLBACCHINI, A.; ALBISETTE, C. Os Bororo orientais, orarimogodoge do planalto oriental do Mato Groso. Rio de Janeiro: Companhia Editora Nacional, 1942.

DUTILLEUX, Jean-Pierre Tribus: les peuples premiers, Paris: Vilo, 2013

LÉVI-STRAUSS, C. Tristes trópicos. Tradução de Jorge C. Pereira. Lisboa: Edições 70, 1986.

RIBEIRO, Berta. O “Indio Brasileiro: Homo Faber e Homo Ludens”. In A Itália e o Brasil indígena. Rio de Janeiro: Index Editora,1983. p. 13-23

RIBEIRO, José da Silva; COLÁ S. Jon. Oh Que Sabe! As imagens, as palavras ditas e a escrita de uma experiência ritual e social. Porto: Edições Afrontamento, 2001.

RIBEIRO, José da Silva. A comunidade face aos poderes: resistência e reflexividade social. Cinema e Território, n. 1, p. 58-75, 2016. Disponível em: <http://www.ct-review.org/wp-content/uploads/2016/04/6-JOS%C3%89-RIBEIRO-58-78.pdf>.

MATTOS, Carlos Alberto, “Índio quer Câmara” em Cinema de fato: anotações sobre o documentário. Rio de Janeiro: Jaguatirica, 2016. p. 43-45.

SATO, S. H. O. A tensão dialógica entre auto e heterorrepresentação no funeral bororo na terra indígena de Meruri. 2009. 323 f. Dissertação (Mestrado em Comunicação e Semiótica) – Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Semiótica, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2009.

SCHADEN, E. Mitologia heróica de tribos indígenas do Brasil. São Paulo: EDUSP,1989.

TURNER, Victor. O processo ritual. Petrópolis, RJ: Vozes, 1974.

VIERTLER Renate. Aroe J’Aro – Implicações adaptativas das crenças e práticas funerárias dos bororo do Brasil Central. 1982. 647 f. Tese (Livre Docência em Antropologia) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1982.

Filmografia

BOE, Ero Kurireu. A Grande Tradição Bororo. Direção: Ecerae Kadojeba, Paulinho. Produção: PROARI. Documentário. Disponível em: 2005.

BOE, Ero Kurireu. A Grande Tradição Bororo. SATO, S. H. O. Ipermídia, Disponível em: Dissertação de Mestrado PUC, São Paulo: 2009

SEPULTAMENTO da tribo bororo é uma Janela para a pré–história. Direção: Maria Luiza Silveira. Produção: TV Centro América / Rede Globo. Documentário. 2003.

KARI-Oka Rio + 20 Direção: Divino Tserewahu e Paulinho Kadojeba. Produção: CEDIPP/ECA. Curta Metragem. Disponível em: CEDIPP/ECA

DUTILLEUX, Jean-Pierre, Raoni, SND. Groupe M6, 1977. Fragmentos e https://www.youtube.com/watch?v=eNEvbYJR7Sw

Produções da “oficina multiétinica”, Aldeia de Sangradouro, 2011. Coordenação: Caio Lazaneo, Divino Tserewahu e Paulinho Ecerae Kadojeba.

DATSA – Alimentação. Direção: Grupo I (composto de 3 Xavante e 2 kalapalo) Produção: CEDIPP/ECA/USP, PROARI / MCDB Disponível no CEDIPP/ECA/USP

ROPRÚ Boegigudu – Poluição – Direção: Grupo II (composto de 3 Bororo e 2 Xavante) Produção: CEDIPP/ECA/USP, PROARI / MCDB Disponível no CEDIPP/ECA/USP

DAHODZÉ – Saúde. Direção: Grupo III (composto de 5 Xavante, 1 Kuikuro e 1 Bororo) Produção: CEDIPP/ECA/USP , PROARI / MCDB. Disponível no CEDIPP/ECA/USP

A’UWEN himiromhuri – Artesanatos Xavante. Direção: Grupo IV (composto de 3 Xavantes e 2 Bororos) Produção: CEDIPP/ECA/USP. Disponível em: BERAHATXI-RBI Olodu Mahadú – Povo que veio do fundo do rio. Direção: Juanahu Iny Tori Produção: CEDIPP/ECA/USP.

Produções da oficina “Produção Partilhada do Conhecimento”, Sangradouro/ECA/ USP, 2013. Coordenação: Aivone Carvalho, Sergio Bairon e Divino Tserewahu.

JARUDORI. Aldeia Bororo. Direção: Paulinho Ecerae Kadojeba e grupo. Produção: CEDIPP/ECA/USP. Disponível no CEDIPP/ECA/USP.

DIABETES – Direcão: Pascoalino Tseremadzawe e grupo. Produção CEDIPP/ECA/USP. Disponível no CEDIPP/ECA/USP.

ALCOOLISMO – Direcão: Natal Awhaho’a e grupo. Produção CEDIPP/ECA/USP. Disponível no CEDIPP/ECA/USP.

MUSEU e Memória Direcão: Agostinho Eibajiwu e grupo. Produção CEDIPP/ECA/USP. Disponível no CEDIPP/ECA/USP.

MEIO Ambiente. Direcão: José Marinini Tsopre tsowa’o e grupo. Produção CEDIPP/ECA/USP. Disponível no CEDIPP/ECA/USP.

Publicado
2017-04-29
Métricas
  • Visualizações do Artigo 532
  • PDF downloads: 543
Como Citar
KADOJEBA, P. E.; CARVALHO, A.; RIBEIRO, J. DA S. NARRATIVA DIALÓGICA DE UM CINEGRAFISTA INDÍGENA. Revista Brasileira de Pesquisa (Auto)biográfica, v. 2, n. 4, p. 101-120, 29 abr. 2017.