REFLEXÕES EM TORNO DE UMA FORMAÇÃO EM ANIMAÇÃO TEATRAL

  • Maria Flor Dias
  • Carla Pires Antunes
Palavras-chave: Animação Teatral. Animador Teatral, Formação, Estudos Performativos

Resumo

O presente texto reúne um conjunto de reflexões elaboradas em torno da experiência do primeiro ano de implementação do Mestrado de Animação Teatral do Instituto de Educação da Universidade do Minho. Debruça-se sobre a estrutura curricular deste curso, de modo particular sobre aquela que é por excelência a sua unidade curricular eixo, Estudos Performativos. O texto problematiza as questões fundamentais que orientaram o travejamento conteudinal dos Estudos Performativos e o modo como nesta unidade de conhecimento se procurou articular preocupações epistemológicas e de ensino e aprendizagem e, simultaneamente, responder às necessidades inerentes à heterogeneidade do público alvo, no que se refere à sua formação inicial, aos diferentes sentidos e graus de literacia e fruição teatral. Finalmente, reflete sobre os blocos conteudinais da unidade curricular que melhor ilustram o sentido de pesquisa teatral que a desconstrução e o uso do conceito de performance nos permitiram convocar no contexto de formação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ASLAN, Odette. O ator no século XX. São Paulo: Perspectiva, 2010.

AUGÉ, Marc. Não-lugares. Introdução a uma metodologia da sobremodernidade. Lisboa: Letra Livre, 1995.

AZEVEDO, Sónia. O papel do corpo no corpo do ator. São Paulo: Perspectiva, 2002.

BARBA, Eugénio; SAVARESE, Nicola A arte secreta do ator - Um dicionário de antropologia teatral. São Paulo: Editora da Unicamp, 1995.

BROOK, Peter. O espaço vazio. Lisboa: Orfeu Negro, 2008.

CARDOSO, Carlos; LOPES, Marcelino; LEONIDO, Levi. Teatro na Educação. Vila Real: Ed. Fórum Ibérico, 2004.

CHARTIER, Roger. Cultura escrita, literatura e história. Trad. Reginaldo Carmello Corrêa de Moraes. Porto Alegre: Artmed, 2001.

CHAVES, Idália. A formação de professores numa perspetiva ecológica. Que fazer com esta circunstância? In: CHAVES, Idália, Percursos de formação e desenvolvimento profissional. Porto: Porto Editora, 1997. p. 108-117.

COHEN, Renato. Performance como linguagem: criação de um tempo e espaço de experimentação. São Paulo: Editora Perspectiva, 1989.

COMISSÃO EUROPEIA. European Competitiveness Report 2010. Disponível em:

<http://bookshop.europa.eu/en/european-competitiveness-report-2010pbNBAK10001/> Acesso em: 11 jan. 2011.

CRUZ, Angélica; LESSA, Elisa; DIAS, Mª Flor. Património Cultural e Globalização. O Caso das “Cabeçudas e Cabeçudos” do Minho. Cabeceiras de Basto: AGIR – Associação para a Investigação e Desenvolvimento Sócio-Cultural, 2008.

DIAS, Mª Flor. Para Uma Genealogia da Educação Artística – História das disciplinas de Desenho, Trabalhos Manuais, Canto Coral e Educação pelo Teatro na escola primária portuguesa, do primeiro quartel do século XIX a meados do século XX. 2010. 370 f. Tese (Doutoramento em Educação Dramática) – Programa em Estudos da Criança: Instituto de Educação, Universidade do Minho, Braga, 2010.

FABIÃO, Eleonora. Performance e teatro: poéticas e políticas da cena contemporânea. Sala Preta, v. 8, p. 1-19, 2008. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.11606/issn.2238-3867.v8i0p235-246> Acesso em 10 out. 2010.

FÈRAL, Josette. Performance and Theatricality. Modern Drama, New York, v. 25, n. 1, p. 197-210, 1982.

GOLDBERG, Roselee. Performance art: from futurism to the present (World of Art). New York: Thames and Hudson, 1988.

GONÇALVES, Fernando; GONÇALVES, Tainá. Uso da fotografia em artes plásticas: memória e identidade em Alex Flemming e Rosângela Rennó. In: SIMPÓSIO DE PESQUISA EM COMUNICAÇÃO DA REGIÃO SUDESTE – SIPEC, 10., 2004, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação Universidade do Estado do Rio de Janeiro, 2004. p. 1-9. Disponível em: <http://www.cac.uerj.br/files/o%20uso%20da%20fotografia%20em%20artes%20plasticas%20-%20fernando.pdf>. Acesso em: 10 out. 2010.

HARPER, Sarah. “Uma abordagem às implicações do envelhecimento global”. in O Tempo da Vida – Fórum Gulbenkian de Saúde sobre o Envelhecimento 2008|2009; Lisboa: Principia, 2009. 84.

KOSSOY, Boris. Estética, memória e ideologia fotográfica: decifrando a realidade interior das imagens do passado. Acervo: revista do ArquivoNacional, Rio de Janeiro, v. 6, n. 1/2, p. 13-24, jan./dez. 1993.

PAIS, José. Culturas Juvenis. 2. ed. Lisboa: Imprensa Nacional, 2003.

RANCIÈRE, Jean. O espectador emancipado. Lisboa: Orfeu Negro, 2010.

RENNÓ, Rosângela. O arquivo universal e outros arquivos. São Paulo: Cosac & Naify, 2003.

RIBEIRO, António. Corpo a corpo: possibilidades e limites da crítica. Lisboa: Edições Cosmos, 1997.

SANTOS, Mª Lourdes. Indústrias culturais: especificidades e precariedades. OBS (Observatório das Actividades Culturais), n. 5, p. 2-6, 1994.

SCHON, Donald. The reflective practioner: how professional think in action. New York: Basic Books, 1983.

SILVA, Saulo. A imagem como meio de comunicação: a representação simbólica de uma realidade. Revista Espaço Académico, n. 85, p. 1-4, jun.2008. Disponível em: <http://www.espacoacademico.com.br/085rea.htm>. Acesso em: 22 out. 2010.

SOUZA, Tânia. A análise do não verbal e os usos da imagem nos meios de comunicação. Ciberlegenda, n. 6, 65-94, 2001. Disponível em: <http://www.uff.br/mestcii/tania3.htm>. Acesso em: 22 out. 2010.

TEDESCO, Elaine. Instalação Campo de Relações, 2004. Disponível em: <http://www.comum.com/elainetedesco/pdfs/instalacao.pdf>. Acesso em: 26 fev. 2010.

VAN ERVEN, Eugene. Community theatre: global perspectives. London: Routledge, 2001.

VENTOSA, Victor. La expression dramática como médio de animación en educación social. Fundamentos técnicas y recursos. Salamanca: Amarú Editores, 1996.

Publicado
2017-04-29
Métricas
  • Visualizações do Artigo 447
  • PDF downloads: 566
Como Citar
DIAS, M. F.; ANTUNES, C. P. REFLEXÕES EM TORNO DE UMA FORMAÇÃO EM ANIMAÇÃO TEATRAL. Revista Brasileira de Pesquisa (Auto)biográfica, v. 2, n. 4, p. 57-74, 29 abr. 2017.